Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

08
Ago20

Atracção

Rita Pirolita
Todos se degladiam pela atracção de turistas, nem que seja a aldeia mais ranhosa e perdida no meio do deserto fronteiriço, sem qualquer vestígio histórico de monta como se os turistas fossem a única fonte de rendimento do país, mesmo em aldeias que não tenham ninguém...
Se calhar têm que começar a criar lugares assombrados com histórias ancestrais de terror, assassinatos sangrentos, pegadas de dinossauro em lajes de cimento ou virgens santas que perderam as cuecas, talvez assim comecem a florescer os extintos negócios locais e daí até alguém pensar em reanimar a indústria, agricultura e pescas, seja um passo!...
Isto sou eu a deduzir na minha inocente tuguice azeiteira!
Mesmo as mais pequenas autarquias, são apetecíveis, não são novidade as acusações constantes de derrapagens de orçamentos ou corrupção, de abandono das gentes em áreas tão fracturantes como a saúde, o ensino e a justiça...
É tudo tão fácil mas fazem todos o mesmo...não fazem nada e comem tudo!
Não têm a noção que além de não saberem disfarçar bem a mentira, o discurso convicto apela ao voto, a imagem é tendenciosa, nem sempre os de esquerda têm que se apresentar de camisa esgoelada sem gravata, quase de jardineiras e as ladys da direita de fato Chanel, quase com kiwis. 
As pessoas não se importam de ser enganadas, até têm mostrado que gostam mas queridos autarcas elevem o nível da coisa e caros eleitores reivindiquem mais requinte e beleza na mentira!
05
Ago20

Descubra as diferenças

Rita Pirolita

Agosto de 2017, um mês e ano de merda como tantos outros: 

Na Índia descarrilamento provoca pelo menos 23 mortos e mais de 60 feridos. Não chega a 1 minuto de notícia e imagens, sem entrevista nenhuma. 

Já todos sabem que a Índia tem uma rede de linhas férreas enorme que os turistas tanto adoram por se típico e rústico, a manutenção é inexistente, as linhas já são muito antigas, as pessoas são pobres e andam encavalitadas umas nas outras em comboios sobre-lotados porque gostam do calor humano que envolve a proximidade das relações, todas as manhãs antes de chegar ao trabalho dão dois dedos de conversa com o colega de viagem e aproveitam e fazem uns gráficos em excel para apresentar na reunião a meio da tarde, viajam assim sem ar condicionado, no meio de um clima horrivelmente húmido e peganhento.

É natural que isto aconteça e já todos estão habituados, não iriam morrer de acidente rodoviário ao volante de um carro que a maioria não tem, quanto mais de um Mercedes com estofos em pele e ar condicionado?!...

 

Na Serra Leoa, cerca de 400 mortos e tantos outros desaparecidos, barracas destruídas que não se conseguem contabilizar por serem tantas e clandestinas. 

2 minutos de notícia com captação de imagens no local, sem entrevista, o repórter não deve falar a língua das vitimas! Pessoas a desenterrar cadáveres com as mãos, filhos ou pais, não se vê vivalma de equipas de socorro, as pessoas desenrascam-se bem, já estão habituadas a sobreviver, também quem as mandou construir abrigos com lixo do 1º Mundo que apanham de graça, numa encosta tão perigosa.

 

Em países civilizados também acontecem desgraças naturais deste tipo mas as casas são maiores e feitas de materiais mais nobres por isso mete mais pena vê-las destruídas, porque está ali investido o dinheiro de trabalho digno de uma vida inteira, enquanto que uma barraca se faz em dois dias, por isso se ficar destruída em 2 segundos também não vem grande prejuízo ao mundo. 

 

Tudo isto se passa lá longe em países de moscas e lixo, pessoas menores e pouco instruídas, nada a ver com a confortável, limpinha e tão erudita Europa que ainda não percebeu que sofre de uma doença grave, crónica e autoimune, os seus órgão funcionaram muito bem até agora, livrando-se da merda para outros sítios longínquos e agora o corpinho assume as células saudáveis como atacantes sanguinários que nos querem chupar o sangue, que são o cancro que se espalha e mata infielmente. 

A Wikipédia explica melhor como se fossemos umas crianças de 5 anos:

Autoimunidade é a falha numa divisão funcional do sistema imunológico chamada de autotolerância que resulta em respostas imunes contra as células e tecidos do próprio organismo. São doenças que surgem quando a resposta imunitária é efectuada contra alvos existentes no próprio indivíduo. 

Continuemos... 

Portugal, mais de 60 mortos em incêndios, o país está a arder há mais de um mês, lideres políticos e Parlamento foram de férias aproveitaram a Silly Season que todos sabemos que é como os dias que antecedem o período menstrual, confusão e inaptidão para tomar decisões acertadas, sendo época ideal apenas para ir ao shopping desanuviar a passarinha, adiando assim ajuda a populações que ficam com a vida suspensa até todos voltarem ao hemiciclo e aprovarem reconstruções e libertarem os milhões de euros para ajuda mas tudo com conta peso e medida que as autárquicas têm que ser muito fortes, mediante tamanha desgraça que atingiu esta legislatura. Parte dos milhões senão quase todos, destinados à ajuda das vitimas da tragédia vão para a festarola das eleições, até lá os desalojados, que não comam para não cagar, que não tomem banho nem tomem os comprimidos, já agora façam o favor de não morrer ou suicidar-se e acima de tudo que se mantenham calados, cumpram a Lei da Rolha, porque não estão acreditados nem foram nomeados para prestar declarações ao país e só podem mostrar raiva contra os incendiários malucos que resolveram assumir-se todos este ano e são de espécie noctívaga, sabem bem que o contraste do fogo em pano de fundo funciona melhor à noite e também para ficarem desfocados nas fotos de denúncia dos crimes que a GNR tanto se esforça por apanhar em ângulo denunciador para depois acusar e libertar para novas aventuras. Têm que começar a ler boa ficção cientifica, Brian Aldiss por exemplo, agora que morreu em Portugal passará a ser um mestre do género, de certeza!

 

Itália, abalo sísmico em Nápoles destrói meia dúzia de casas e mata 2 pessoas, 3 a 4 dias de notícia com as mesmas imagens. Equipas que são mais que as mães alojam pessoas em ginásios e outros locais seguros, está Verão mas não vá alguém apanhar uma gripe e depois há mais desgraça e doentes para tratar. O presidente do município veio garantir quase antes do abalo provocar estragos que assegurava a reconstrução de todas as habitações, principalmente da igreja onde não vive ninguém mas é a casa do Senhor e um local importante para as pessoas rezarem por protecção.

 

Atropelamento em Barcelona, 14 vitimas mortais, noticiado todos os dias em loop até ao próximo ataque terrorista. Todo o santo dia, levamos com pelo menos uma horinha de fotografias de gente com ar desgraçado de presidiário, escurinhos que baste, com aquele olhar descaído de cão que adivinha a morte às balas dos policias heróicos e justos. 

A polícia anda no encalço dos meliantes da rede tentacular do mal e todos os dias faz perseguições seguindo as fortes pistas, que existem de uma forma delével no terreno ou de forma mais bombástica, manifestada através do rebentamento de botijas de gás, a que é difícil virar a cara e não dar conta. 

2 vitimas portuguesas, Marcelo e Costa aproveitam e vão tomar café às Ramblas, com todos os portugueses a pagar a comitiva em deslocação mas o Presidente é a cuspideira-mor, representante dos portugueses em terras de mouros nuestros hermanos e assim todos sentimos o pesar e através do PR damos também as condolências às famílias das vitimas e já agora estamos solidários e somos todos Barcelona. 

 

E dizem-me vocês, ó minha grande estúpida, uma coisa são catástrofes naturais incontroláveis e outras são facilitadas pelo homem...

Pois e eu respondo, ó meus palermóides, por isso ainda maior a vergonha, as que são provocadas pelo homem deveriam ser mais controláveis e de culpa e correcção mais assumidas, por outro lado os mais pobres não têm direito às lágrimas nem recebem ajuda e os mais ricos choram por todos os cantos com a desgraça que lhes aconteceu! 

 

Descubra as muitas diferenças entre estes cenários, se não conseguir continue na preguiça amorfa a olhar para a televisão que nem um jumento e a comer tudo o que lhe põem à frente, como sendo o destino normal dos acontecimentos contra o qual nada se consegue fazer, sentado no sofá a descansar em absorção boçal, dos concursos e programas de gossip e gritaria ou a gozar uma semana azeiteira no Algarve que bem merece depois de um ano desempregado ou a trabalhar o mínimo que consegue para estar ao nível do ordenado que recebe!

15
Jul20

Tribo

Rita Pirolita
Numa volta pela Cova do Vapor passei pelos parques de campismo da Costa de Caparica, uns mais finos, o do Inatel, outros mais tipo trailer park, pejados de retornados e emigrantes sem família de acolhimento. Encontram aqui o calor de uma comunidade onde vivem como sardinha enlatada de forma provisória-permanente, à beira de caminhos poeirentos, esgotos mal fechados, fossas mal abertas, restaurantes de vão de estrada, tudo à beira-praia nos locais mais cobiçados pelos patos bravos das vias-rápidas e hotéis, que assim que começarem a mexer entulho e refinar bagulho, vai tudo corrido por tuta e meia com a coisa da mãe às costas, porque a voz dos pobres não se levanta mais alto que o dinheiro dos ricos!

Eu sei que a maioria, os cagões da classe média, que viveram em prédios nos subúrbios mais baratos, anseiam por vivendas em condomínio privado com as fuças o mais possivel na aguinha salgada mas eu sou sincera, não me abandonou a sensação de conforto e protecção da tribo, da família estendida aos vizinhos, ao revisitar locais que ainda mantêm o espirito de clã, senti-me com toda a sinceridade mais em casa e mais gaiata de vida vivida, que ao passar por locais de mansões fechadas, por ruas e becos vazios, jardins impecáveis, árvores aparadas, piscinas tapadas e carros arrumadinhos na garagem! 

Sentir o sangue de gente pirosa, o bairrismo, não aquele cliché de Alfama, o café central, o mini-mercado da esquina, os pescadores encostados de mini na mão, os recentes turistas que deambulam, baralhados talvez com imberbes sinais de protecção de dunas naturais, com vestígios de entulho despejado noutros tempos, à mistura com lixo que vem do ar e do mar e cagalhões que vêm do cu dos cães, são do bairro, ficam no bairro.

Gente feia e escura como breu, desdentada, com piercings e tattoos, muito cool, campo da bola e parque infantil ao lado do muro onde giranda a ganza, cabelos ainda oxigenados, calças e blusões de ganga ainda debotados, botas de trabalho, berros de chamamento de vogal aberta e prolongada! 

Se bem me lembro e lembro muito bem, vivi mais feliz num local parecido, de pó e terra batida, de vizinhos feios com hortas, alguns não tomavam banho, outros praguejavam mas aos nossos olhos éramos todos normais, nem feios nem bonitos, nem ricos nem pobres, nem simpáticos nem intratáveis, cada um sabia lidar com cada qual! 

Éramos de sangue distante mas próximos nas veias e suor, nas rixas e discussões! Não gostávamos que alguém deitasse abaixo o nosso clube, a nossa rua, as nossas crianças, a nossa escola ou igreja, o nosso café era a segunda casa, a mercearia a terceira que fiava, na rua tudo se sabia, ao jantar tudo se fechava e silenciava, só se ouvia o barulho dos talheres a bater nos pratos e a telefonia de fundo, sintonizada numa estação portuguesa com certeza!

Era aqui que me sentia bem e recordo toda a familiaridade quando visito estes bairros, com alma e carisma, com lixo e cheiro humano, cães rafeiros e poeirentos, mercedes e audis escafiados mas a rolar.

Os bairros dos ricos têm cheiro a mofo, dinheiro estagnado, riqueza estável, não sobe nem desce, a mão da empregada limpa o limpo e morto até ao fim-de-semana em que os gordurosos donos se arrastam para a piscina, de musgo morto e relva aparada!

Tenho tempo para não sentir a vida, se ficar uma rica normal, for uma pobre anormal ou com toda a certeza quando morrer!
30
Nov19

Sr. António

Rita Pirolita
Um dia estava eu sentada com o moço num passeio, à beira de uma estrada, à saída de um qualquer supermercado, a comer sushi embalado, num pedaço de paraíso plantado no meio do Pacífico, estávamos esfomeados mas alegres que nem viajantes de pé descalço, entre gargalhadas e engasgos com bagos de arroz e wasabi, passa um homem de meia idade que nos olha por breves instantes e pergunta em jeito de afirmação convicta, 'São mesmo felizes os dois, não são?
Sem ficar à espera de confirmação, porque já tinha a resposta nos nossos olhares, acenamos que sim com a cabeça, só para o confortar e dizer que não era preciso ser bruxo para ver isso, mas é preciso ser especial para sentir felicidade pela felicidade de estranhos e ainda mais verbalizar. 
Este foi o comentário mais honesto, curto e expontâneo que recebi na vida e não vou esquecer nunca.
 
Um dia, continuava eu sentada com o moço ao lado mas desta vez no meio da Oceânia, dentro de uma carrinha alugada a cair de podre, a comer uma sandocha ao lusco-fusco de um belo sunset, quando sintonizo na rádio a língua portuguesa, que já não ouvíamos há pelo menos mais de um mês, demos um salto porque quem botava discurso nessa emissão era a voz vomitada de Anibal Cavaco Silva, nem demos hipótese e fizemos logo ali o funeral, desligamos o rádio, não sem antes lançarmos umas gargalhadas e o jantar acabou em silêncio introspectivo até o sol desaparecer e a noite acordar. 
Este foi o momento mais assustador da minha vida que devia ser esquecido mas a personagem em questão continua a ser uma traumatizante assombração mumificada.
 
Um dia estávamos numa rua de Innsbruck no meio da Áustria a falar um com o outro e passa um português, que por ouvir a língua materna parou ao cruzar-se connosco e nos perguntou se precisávamos de ajuda.
Passados 10 minutos de matar saudade com recordações da comida, do idioma e conterrâneos, este simpático cozinheiro convidou-nos para jantar num restaurante ali perto com um casal amigo, ao que dissemos logo que sim e preparados para pagar a conta de muito boa vontade a gente tão simpática. 
Pagou ele o jantar, por ser cliente habitual e ter vantagem nestas combinações com os empregados, atitude que todos nós bem conhecemos e também praticamos ao bom jeito tuga, com um simples piscar de olho ao patrão, no bar da nossa rua ou no local onde crescemos e onde de vez em quando fazemos uma visita, para pagar umas jolas aos amigos de infância. 

Pensávamos nós que a noite ficava por tão gentil gesto e boa conversa bem regada com cerveja, quando somos levados a um bar enorme, transformado em salão de baile, que em noite de 4a feira os ritmos latinos atiravam para o meio da pista, corpos suados e desajeitados, uns mais que outros. 
Saímos já era noite cerrada, para ruas calmas com gente pacifica em fim de festa, a caminho do hotel trocamos contactos e dicas, pois ainda continuávamos viagem e o Sr. António já andava por aquelas paragens há muitos anos, com família deixada em Portugal. 
Este contacto manteve-se até hoje, sem obrigação, com emails curtos mas personalizados, pelo Natal e Páscoa

Esta foi a atitude mais desinteressada e bondosa, de um desconhecido mas extraordinário anfitrião, que guardei na minha mochila de viagem. 
É esta a primeira pessoa em que penso se ganhasse o Euromilhões e mesmo assim não pagaria o impagável.
Se isso não acontecer, prometo aqui ao Sr. António, pelo menos uma visita com umas boas garrafas de vinho e um abraço cheio de Portugal, para isso ainda tenho algum dinheiro e ânimo não me falta.
Um brinde ao Sr. António!!!

 

12
Set19

Braz&Braz

Rita Pirolita
Se há loja que me deixou saudades ao mesmo nível do Pão de Açúcar, foi o Braz&Braz, o Harrods português. 
Esta loja tinha um cheiro mil vezes mais agradável que a Maconde em Almada, que misturado com o cheiro a bafio com que eras saudado à entrada tinha ainda um cheiro insuportável a esgoto na cave, já o Paga-Pouco só cheirava a bafio. Mal nós sabíamos que íamos dar balúrdios pela roupa vintage que escapou às traças. 

Recordam-se das moradas mais famosas de Lisboa? Moviflor no Largo da Graça, Pollux na Rua da Madalena e na Rua do Poço do Borratem a loja Braz&Braz.
Eu sei que os centros comerciais roubaram clientela, estes espaços foram à falência e deixaram de fazer sentido, o mais que podemos constatar é que na altura que apareceram deram um jeitaço, tinham coisas muito à frente que só ali encontrávamos. 

08
Mai19

All-inclusive

Rita Pirolita
Veraneantes labregos que devoram o all-inclusive com gana de fim de mundo e sofreguidão de sem-abrigo.
Exorbitantes montanhas de camarão, puré de batata, hambúrgueres e douradinhos, que terminam num cocuruto de três e mais molhos em verde fluorescente, vermelho sangue pisado e branco deslavado. 
Pratos de somente amarelas frituras, batatas em palito, às rodelas douradas e azeitadas, panados de tudo e mais algo, ovos estrelados, mexidos ou cozidos. 
Pequenos-almoços de bacon, salsicha, ovo, feijão, pizza, frango, panquecas, queijo, ketchup e outras mais coisas de vómito, salpicados de frutas tropicais numa amalgama de nojo. 
Pais que deixam os petizes entupir-se de parvoíce, devaneios de azeitonas e pepino, rematados com cereais e iogurte. 
 
Ninguém sobrevive muito tempo a comer tudo isto, todos os dias, a entupir-se de colesterol e diabetes, aqui se apanham os que vieram da pobreza e gozam agora das férias popularuchas em sítios que já foram paradisíacos e passaram a brejeiros de brega...
Entrego-me à inquietação do wasabé, ao salgado cortante das alcaparras, à acidez da lima e ao desinfecto coentro.
Mulheres com mamas à frente e outro par nas costas, barrigas dilatadas, descaídas e gelatinosas. 
Mastodontes que se sentam à mesa com maneiras de princesa bela e magra que nem pena cálida, pretensa delicadeza de um peso pluma e abertura frugal de boca de passarinho, como se aquela grandeza de banha, dos excessos de 1º mundo, não fosse fruto de insistência diária de alarvice, que vai do mais processado às desculpabilizantes incongruências de uma tiróide baralhada e um pâncreas à deriva, porque até comem pouco e acompanham tudo com lighteza e pickles como o verde do dia. 
Gente que só se entende aos urros no meio de música gritada e bebedeira debaixo de sol escaldante, de cachaço empolado, de molho, no mijo do bar da piscina. 
Benditos empregados que sabem da profissão e amansam os estridentes bêbedos com shots da pior surrapa que guardam na garrafa que bem sabem, preparada para deitar abaixo titãns de férias em grupo e oferecer-lhes uma boa dor de mona na manhã seguinte.
Velhos das sete da manhã a marcar cadeiras com chinelos e toalhas presas por molas em feitio de golfinho ou estrela-do-mar, para passarem o dia no laró e só porem os cotos na praia ao pôr-do-sol, a recolher o aparato que não usaram.
Senhorecas que se aperaltam para se irem servir num buffet, e terem o baixo prazer de um empregado sem pescoço e suado, lhes servir um vinho frisante de má qualidade nada duvidosa e as tratar por ladys ou madames.
Ouvir falar alemão logo pela manhã, arranha-me o cérebro como cães raivosos de boca espumosa. 
Ingleses expressamente mal-educados de bairros sociais. 
Casais russos que parecem em acesa discussão a toda a hora e a cada olhar, a qualquer momento espera-se uma carga de porrada do quadrado marido na loira esposa.
Seres de olhos em bico, sem expressão, sem respeito, invadem, falam alto, passam à frente como se não houvesse amanhã...se não saíssem da terra deles, não lhes sentiríamos a falta.
Por estes sítios todos fazem de reis, que por pechincha querem coisa fina.
Quem complica o simples merece castigo e desenterias.
E assim descubro mais vezes do que queria e precisava, que a minha salvação e de muitos em meu redor...é não ter uma arma nas mãos!
Obrigado aos participantes deste circo, turistazecos borgessos que deram origem a este texto de escárnio e mal-dizer e dos quais passei os dias a fugir sem não antes, apreciar de relance a decadência dos feios bichos que somos.
 
Boas férias até ao fim do mundo!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub