Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

24
Jul20

Os dias da semana são todos f@didos

Rita Pirolita
Este texto é para quem o apanhar e mais propriamente para quem está habituado ao velho e caduco horário de funcionário público com folga católica aos sábados e domingos. 
Deus fez dois dias para descansar ou pelo menos não se fazer o mesmo que se faz nos outros cinco e criou especialmente o Domingo para ir às compras ao Continente, Jumbo ou Pingo Doce. 
A segunda-feira é aquele dia a seguir ao fim-de-semana que nem sempre é de tanto descanso como isso, com miúdos a canseira ainda é maior.
Todos se tentam desdobrar em programas educativos ou ir apenas ao centro comercial mas tudo irrita quando durante a semana já se faz uma coisa que não se gosta ou odeia, ao fim-de-semana já não se tem forças e só se pede que haja outro dia de descanso para descansar dos dias de descanso. 
A segunda é um dia manhoso portanto, um dia de início no purgatório e quando se começa cansado passa a calvário. 
A terça é aquele dia que começamos a ficar convencidos por comparação que o dia anterior foi muito pior, por isso é melhor não recordar o passado, levantar a cabeça, encher o peito de ar, não mandar o patrão de volta para a con@ da mãe dele e continuar a olhar para a frente, porque temos quase a certeza que vamos chegar ao fim do dia de rastos mas vivos.  
A quarta é aquele dia que não fode nem sai de cima, voltar à segunda nem pensar, o melhor é continuar a caminho do fim-de-semana que quando menos se espera nos cai em cima com mil e um programas congeminados mas nunca combinados a ponto de se concretizarem, a única coisa que se consegue muitas vezes é um esfreganço no sofá, de pijama, pantufas, batatas fritas e filmes que param o cérebro!
Na quinta já começa o empolgamento dos dois dias mais desejados, passa num ápice e quando menos damos conta entra a desejada sexta, com uns copos à noite.
Às sextas anda tudo de cabeça no ar, atafulha-se e baralha-se e na segunda logo se vê e resolve.
O sábado se acordar lindo de morrer em vez de irmos passear na praia, pensamos logo em enfiar os cornos no centro comercial, se estiver chuvoso e mal encarado é o pretexto perfeito e mais que justificado para também nos enfiarmos no centro comercial e atafulharmos o bandulho de hambúrgueres e Coca-Cola ou aproveitamos todas as desculpas e mais algumas para obedecer à preguiça, não que a nossa mente não se esforce por viajar de corpo lampeiro mas imaginário-volátil em CrossFit´s, jogos de ténis, partidas de Futesal mas tudo o que conseguimos fazer é olhinhos ao sofá e à TV e rendermo-nos àquela manta ranhosa que já anda a ameaçar lavagem desde o inverno passado. 
Se calhar depois do jantar, m pé de dança que a noite é uma criança e o domingo é fodido de ronhice mais que o sábado! 
Vamos a sacudir a velhice dos ossos e tentar aguentar uma noitada como há anos atrás para nos sentirmos ainda disponíveis no mercado! 
No domingo acorda-se por volta da hora de almoço com uma dor de cabeça de 20 num corpo de 40, tomamos um chá, olhamos para o tempo e mesmo que não esteja muito mau nós estamos de rastos seja para o que for, por isso é melhor aceitar o convite de todos os domingos e ir almoçar a casa dos pais, não se cozinha nem se tem trabalho a arrumar pratos e talheres. 
Sentadinhos à mesa em estado letárgico com a mãe a perguntar se estás doente de 10 em 10 minutos e tu a dizeres que não mas dás conversa com o blá, blá, blá de sempre, que o domingo é um dia que provoca nostalgia porque em menos de nada a segunda torturante está aí e o domingo foi criado não para descansar mas para sofrer por antecedência com a pesarosa segunda. 
No fundo todos os dias são uma merda porque são vividos na eminência ou desejo de terminarem e passamos assim o tempo a projectar e ansiar o dia seguinte!
17
Dez19

1000 vezes 'mais boa'!

Rita Pirolita

Num raro dia de caminhada não forçada, assim sou eu, feita de vontades e poucos sacrifícios, ia já eu com meia hora no lombo, quando passa por mim a correr à profissional da coisa, com alto impacto de calcanhares no chão que até a terra estremecia, uma p*ta duma gaja com um corpo daqueles, que quando cheguei a casa, a melhor maneira que encontrei para descrever ao moço a boazuda, foi fazer a comparação, estás a ver a porca em pé da Mónica Lewinsky e a Heidi Klum, a ex mulher daquele cantor que tem uma voz do caraças, tão preto que tem reflexos azulados como os besouros e tem um corpo do outro mundo, já me estou a desviar, bem, esquece a Mónica Lewinsky, esta gaja que passou por mim seria a Heidi Klum, numa versão de jogo de computador tipo Lara Kroft ou seja 1000 vezes melhor e 25 anos mais nova que eu. Nem eu com a idade dela, tinha a ilusão ou a vontade de trabalhar para ter aquelas formas.

Esta miúda era um pouco mais baixa que eu mas com tudo proporcional, desde a altura das pernas, o tamanho dos gémeos e dos glúteos e penso que também das mamas, não a vi de frente mas posso dizer que tinha um cabelo liso e sem volume nenhum, de um loiro surfista até meio das costas, como eu sempre sonhei ter e nunca terei, porque tenho um cabelo seco, crespo e com muito volume, tenho que usar 50 mil óleos para o hidratar e mesmo assim está sempre uma bela merda.
Por acaso se Deus existisse e viesse à terra fazer milagres, ou se encontrasse uma lâmpada com um génio lá dentro que me concedesse um desejo, gastava logo o pedido com um cabelo Pantene, daqueles que nem é oleoso nem seco, brilhante que até fere as vistas, tão liso que acordas sempre penteada e quando tomas banho não precisas de escovas lólóló, nem ferros mimimi, nem sequer um simples secador, ou seja, estás sempre impecável e nem te lembras que tens o cabelo mais invejado das proximidades e arredores.

Vejamos, voltando à vaca fria que passou por mim, nem um milímetro de carne a tremer na sua corrida estrondosa, curvas todas no sítio e qb para uma mulher, sem parecer a azeitada da Ana Malhoa.

Esta miúda a correr desta maneira, daqui a um ano está com os joelhos feitos num oito, tem que ser operada, ficar imobilizada e não poder treinar durante muito tempo e vai engordar que nem uma porca ou daqui a 2 ou 3 anos tem o primeiro filho e fica que nem um barril desdentado ou ainda com a proteína que toma f*de o fígado, rins e coração e fica arrumada! 
Das duas três ou desejo que lhe aconteça tudo isto ou desejo que seja muito feliz, porque é uma criatura que vai envelhecer como todas as outras mas talvez melhor e mais tarde.

Se o Universo enviou este ser para se cruzar comigo e fazer pirraça, para me mergulhar numa depressão profunda ou pelo contrário para me incentivar a ser cada dia uma gaja 'mais melhor boa' mas que nem em sonhos ficarei por lá perto, porque já não tenho idade nem tempo de vida para tal, não resultou, porque assim que cheguei a casa enfiei os cornos no congelador e devorei um corneto sem bolacha mole que eu odeio e com bolacha crocante como eu adoro.

Esta loira curvilínea pode morrer amanhã, coisa que eu gostava que não acontecesse já, apenas porque quero que o moço tenha a oportunidade de a ver, nas raras vezes que vai caminhar comigo, só para não me chamar de mentirosa, depois disso pode morrer, ela e outras que tais.

Na sua ainda curta vida, este ser existiu melhor e lavou mais vistas que 20 mulheres em 100 anos. 

Mas se há coisa que me mete mais raiva que isto, é ver alguém a conduzir o carro que eu gostava de ter.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub