Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

09
Ago20

Incêndios...outra vez!

Rita Pirolita
Lá vou escrever mais uma vez sobre o flagelo de 2017.
Quando já todos e até o próprio governo confiavam que a desgraça já tinha sido tanta que só talvez para o ano teríamos que lidar com os incêndios outra vez, alinhando as ideias, nunca fazendo nada como sempre para inaugurar a próxima 'abertura de época' com anúncios de mais meios, formação e prevenção que nunca se concretizam mas ficam bem no discurso falacioso de promessas políticas. 
Quando estávamos mais ou menos descansados, veio mais uma vaga de calor inesperada, a chuva teimando em não cair e armou-se o circo desastroso e angustiante, um cenário de gente carbonizada, casas destruídas, carros queimados abandonados, com ocupantes desaparecidos, deixados todos à sua sorte, bombeiros que tentam salvar povoações, casas e pessoas e deixam arder o desabitado porque não chegam a todo o lado! Pessoas que teimam em não deixar os haveres e não podem ser obrigadas a partir e é aqui que me detenho hoje na escrita deste texto. 
Mais ou menos pela mesma altura a Califórnia foi assolada por incêndios, algo a que estão também infelizmente habituados, a par do problema de falta de água potável. 
Vi apenas duas declarações de proprietários em solo californiano, com um cenário de destruição por trás, à medida que expressavam a sua tristeza e aflição mas que apesar de tudo, tinham sido abençoados por estarem vivos e terem conseguido salvar algumas fotos de família e os animais de estimação, apenas tinham ficado com a roupa do corpo mas prontos para iniciar vida nova e a reconstrução, pena as pessoas que também morreram, penso eu 31,  provavelmente a tentar a fuga mas não conseguiram, não ficaram de certeza para trás com a ideia que sozinhos conseguiriam salvar os seus pertences.
Os nossos desgraçados portugueses choram em estado de choque em frente às câmaras a dizer que perderam os haveres de uma vida inteira, conseguidos com enorme esforço, que perderam familiares a tentarem salvar as casas, que se recusaram a abandonar as casas, à espera de bombeiros ou que um milagre os salvasse, mudando a direção do vento ou trazendo uma chuva de dilúvio salvador. 
Nada disso aconteceu para muitos que morreram a fugir ou debaixo dos escombros. 
A diferença de atitudes está na pobreza monetária que leva a pobreza de decisões e comportamentos de sobrevivência assentes na ideia de abandono ou ajuda pós catástrofe.
Na Califórnia ninguém por um segundo deixou de acreditar que passado pouco tempo iriam iniciar a construção das suas casas com a cobertura dada pelos seguros. 
Em Portugal os seguros em caso de catástrofe natural tentam escapulir-se à responsabilidade de pagar seja o que for e a ajuda angariada de milhões será toda roubada antes de chegar aos mais necessitados, podendo esses apenas contar com o seu esforço e ajuda de amigos próximos que também não podem fazer muito porque foram atingidos pela mesma desgraça.
Os discursos políticos de consolo são um desconsolo de resignação à incompetência descarada em desgovernar tanto um pais tão pequeno.
As pessoas sentem que estão por sua conta, que nenhum governante as vai ajudar a não ser na aparição, beijos e palmadinhas nas costas, até à próxima desgraça. 
'O presidente exige que o Governo tire todas, mas todas as consequências da tragédia.'...e concluo eu, mas que não assuma responsabilidades nenhumas da desgovernação desastrosa!  
02
Abr20

Tribunal universal

Rita Pirolita
Partimos sempre da premissa que perante um crime, ainda para mais se for hediondo, ficamos mais descansados quando se apanha e condena o culpado, nessa sede de justiça popular, muitos são apanhados sem culpa e morrem numa cadeira de julgamento, para alívio da maioria foi feita justiça embora algumas vezes seja condenado o inocente e o criminoso continue à solta, não oferecendo descanso nem segurança nenhuma, quando por fim se descobre que a pessoa errada foi condenada. 
Afinal nunca estamos seguros e somos os nossos maiores predadores e agressores.
Nada disto foge, muito embora a uma escala maior, da condenação que muitos países fazem de grupos terroristas. Pensam os Presidentes, 'vamos lá castigar e apanhar aqueles malandros, só para que os eleitores sintam que estamos a cumprir alguma coisa do que prometemos e obrigar a trocar a invasão de privacidade por maior segurança.' 
Assim se arranjam os bodes expiatórios para todos os males do mundo.
Se as intenções fossem verdadeiras e honestas as guerras nunca existiriam mas supondo que já cá estando a desgraça como está, até queríamos acabar com a miséria no mundo?...
Teríamos que condenar os ditos maus e estes iam mostrar ao mundo quem os atirou para o abismo da confusão...
Os que vendem as armas e provocam ou adensam os conflitos são os mesmos que pela frente fingem querer resolver e condenar uma só parte do problema!
Já perceberam agora porque é mais fácil e rápido condenar sem olhar a provas ou culpar um grupo que não se pode apanhar por ser tão grande, impessoal e por isso sem um rosto para dar? 
Para mais, a sua condenação seria a condenação de todos nós, que contribuímos directo no cenário ou indirectamente por eleições, para alimentar esta hipocrisia! 
A mim parece-me que só será eficaz uma condenação, julgamento e castigo universais a que muitos chamam apocalipticamente de bíblica ou Juízo Final, consequência de uma catástrofe natural, que bem merecemos nos cornos!
O pior é que ninguém sobrará para contar, melhorar e seguir em frente, só o Universo continuará.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub