Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

14
Jul20

Juro

Rita Pirolita
Juro que a próxima vez que uma pessoa que aparente ser mais ou menos equilibrada, disser que o Canadá deve ser um grande país, organizado, civilizado, rico, com um bom nível de vida, blá, blá, blá...sem nunca lá ter vivido pelo menos um ano, prego-lhe com uma cachaporra na cabeça e todos os estúpidos que se vão armar em ricos para os países de origem, numa de amesquinhar os que lá ficaram a aguentar o barco, que apodreçam com os invernos de urso polar!

Quando alguém pensa em emigrar só dá conta do transtorno que dá começar vida nova, num sítio diferente, quando já está com as patas na lama! 

Todas as coisas estão interligadas e basta desbloquear a primeira que logo tudo começa a deslaçar mas não é fácil!

Para procurares trabalho precisas de comprar um carro, para conduzir precisas de tirar a carta novamente, precisas de alugar casa, ter acesso a um telemóvel e já agora internet para responder a anúncios de emprego, não vais andar a entregar curriculos de porta em porta com 20 graus negativos, precisas de um cartão de residência, isto tudo depois de já teres feito e pago um teste a provar que falas um inglês que se perceba, como se estão a borrifar para a credibilidade da formação que trazes do país de origem, fazem-te frequentar escola profissional ou universidade na tua área, no mínimo 2 anos, precisas de uma morada fixa e uma despesa de água ou luz para poderes pedir documentos de identificação, tais como segurança social e cartão de saúde, precisas que alguém se responsabilize, dando prova que possui pelo menos 10 mil CAD numa conta bancária, para cobrir eventuais gastos que possas ter, pelo menos nos primeiros tempos e voltando à boca da serpente, já viram se uma pessoa não consegue tirar a carta de condução? Fica em casa a apodrecer com a vida toda embrulhada! 

O país tem petróleo não se justificam portanto as dívidas que saltam de governo em governo, o último do Trudeau está a tapar o buraco de milhões deixado pelo anterior, também mas não só, com a legalização da canábis, um mercado que lhes faltava controlar, a saúde é tendencialmente gratuita como o sistema português, não existindo privado mas os hospitais já começam a dar sinais de rebentar pelas costuras, o que não se percebe, sendo o segundo país maior do mundo, só tem cerca de 36 milhões de almas penadas e como já disse tem petróleo, além de agricultura e gado, o imposto sobre o trabalho chega aos 40%, tal como um recibo verde em Portugal e na maioria dos trabalhos é feito o desconto à cabeça, para gastos não cobertos pelo sistema geral de saúde, tais como dentista e oftalmologia.

Os canadianos não são limpos têm é muito emigrante para lhes limpar a merda, vezes demais se vê gente a atirar lixo pela janela do carro para a berma da estrada, dizem que assim criam mais postos de trabalho e mantêm ocupados os que cumprem penas suspensas com trabalho comunitário!

Não são profissionais, percebem superficialmente do ofício não o suficiente, não são desenrascados, são automáticos e programados, não são honestos e são incapazes de dizer que "não", preferem nunca mais aparecer a mostrar posição sobre algo. 

Sendo o Canadá um país construido e habitado por emigrantes, são eles próprios, os antigos, os mais racistas relativamente a emigrantes recentes, já para não falar da humilhação e destruição constante a que votam os índios, oferecendo subsídios de coitadinhismo que só levam a uma vida de álcool e drogas, associado ao facto de não os deixarem aceder a postos de trabalho decentes por imposta incapacidade, sendo que gerações já estão condenadas à deficiência física, doença mental e consequente dependência do governo, num ciclo vicioso que muito poucos conseguem quebrar.

Existem muitos sem abrigo, serão sempre demais, num país que se diz civilizado, se por um qualquer azar se fica sem trabalho ou casa é muito dificil conseguir crédito novamente, morrem na rua ou em casas de abrigo! 

Parecem mais cultos e educados que os americanos, desconfiem, é só uma camada de verniz e quando cai, mostra o labrego que há em todos os povos.

Para poupar, já foi tempo, nesta terra onde não há muito para gozar, se tirares mais que duas semanas de férias por ano já és alvo de inveja e olhares de soslaio! 

Os que se põem mais a jeito são aqueles que vêm de países extremamente pobres e têm uma carrada de filhos e família para sustentar e ainda enviam dinheiro para os velhos e sobrinhos que ficaram a amargar a pobreza lá na terrinha, esses é que alinham a trabalhar que nem cães! Os mais vulneráveis são os mais explorados! 

Come-se mal e paga-se muito, entre obesos e gente que paga balúrdios por ginásios ninguém parece saudável, andam mal vestidos, são mal encarados e mal acabados, desperdiçam muita comida e pouca paciência têm para a reciclagem ou reaproveitamento. 

Os psicóticos, os sem noção, ganzados ou bêbedos e sei lá mais o quê, são mais que muitos, não existem muitas pessoas normais que não vivam com inveja dos bens materiais do vizinho, que não tentem ter a maior mansão do bairro e o carro que mais barulho faz e mais gasolina gasta.

É por isto tudo que acho sermos naturalmente iguais mas podiamos ser mais normais e se algum dia achei que todos deviamos ter a oportunidade e liberdade de procurar uma vida melhor, hoje estou mais convicta que cada um deve procurar a sua forma de felicidade. 

Sempre soube que a riqueza material não traz felicidade gratuita, se já nasci de graça para ser feliz para quê pagar tão caro pela vida que não quero? 

Era só isto!

30
Jan20

País de pobres

Rita Pirolita
Filhos de pobres que habitam um país pobre!

Somos assim, vindos de gerações pobres que trabalhavam a terra e pagavam ao médico da aldeia filho de famílias ricas com porcos ou galinhas.
Tinha-se uma ligação aos filhos que não morriam ao nascer, de lucro e não de despesa, dois braços por cada boca.

Passamos a filhos que não trabalham mas comem à custa dos pais, fruto da ânsia de classes baixas, que se esfolaram para ascender, que se envergonham da dureza e pobreza da terra humilde, fazendo do curso de universidade dos filhos o baluarte da sua conquista mas esqueceram-se que doutores e engenheiros encabeçam uma empresa ou indústria mas não a movem sozinha, os patrões serão sempre em menor número. 

Estes pais, no seu egoísmo de novo rico, esqueceram-se que as elites continuam a dominar as profissões nobres e rentáveis, onde pouco se faz e muito se ganha na gestão do império, que os patos bravos tentaram atingir a muito custo, numa desesperada afirmação pela qualidade e acesso às mesmas oportunidades, quando apenas queriam parecer mais nobres e ricos.

A resposta à humilhação de ser pobre é usar a cunha, a corrupção e pontapear outros para que não impeçam o caminho da subida. 

Mas será sempre uma questão de riqueza? 
Os pobres não podiam pagar escola aos filhos, agora que podem dar cursos superiores, os filhos não têm emprego, apenas as elites se continuam a mover à vontade e a explorar, não só os mais pobres mas ainda por cima e mais humilhante, os pobres com cursos, o ensino superior não lhes permitiu mesmo assim, usar as ferramentas para combater a desigualdade sempre assente no poder. 

A ascensão social faz-se por casamento ou profissões pornograficamente bem pagas, como jogadores da bola, idolatrados por darem pontapés na bola ou por influentes cargos políticos, sempre nos meandros da corrupção mas nunca condenados.

Só nos países pobres se deixam passar os grandes desfalques e se rouba uma maçã, ou foge aos impostos, pensando que grão a grão enche a galinha o papo!

Era tão bom que a riqueza não se bastasse a ela própria e não fosse tão adorada e cobiçada! 
Mas a riqueza sabe que cala e compra o conhecimento e este será sempre escravizado em nome da hipocrisia!
01
Jul19

Gostava de ter uma vida simples mas sai muito caro

Rita Pirolita

Cada um vive com a felicidade que conhece.
Os nossos pais cometeram erros crassos, como por exemplo ,só começar a gozar a vida depois da reforma.

Têm sorte se chegarem aos 65 anos e ainda mais sorte se lá chegarem sem se cagarem todos ao piscar um olho. 

Apercebem-se do erro que fizeram, é tarde demais para remediar, por vergonha fecham-se em copas e incutem o mesmo caminho errante aos filhos. 
Transformam-se em velhos amargos, querem dizer num dia tudo o que a época salazarenta abafou.
Fazem-nos sentir culpados e ignorantes por termos nascido 20 anos depois deles.

Verdade seja dita, não aproveitamos a liberdade de expressão, não sabemos falar e escrevemos ainda pior, passamos os dias a inventar desculpas incríveis para os atrasos ou ausências nos encontros. No tempo dos telefones fixos não tínhamos que puxar tanto pela imaginação, bastava não aparecer e tínhamos dias para inventar uma boa desculpa.

Todos protestamos, todos queremos mais, todos batemos com os burros na água. 
Respeitosos rezingões, agradeçam o facto de terem família, eu não tenho filhos e tive que emigrar! 

Pagas só por existires, se não pagares sobrevives na miséria:
Por inveja do bem estar dos outros, frustração e vingança dizem que temos que aprender errando, neste caso trata-se do erro de uma vida. 
Podiam dar uma grande ajuda se nos pusessem mais à frente na linha de partida, iríamos mais longe de certeza. 

O carácter não faz a diferença, o poder sim:
Que ninguém se queixe, já todos metemos cunhas e tentamos esquivar-nos a pagar um qualquer imposto só para poupar meia dúzia de patacos, os políticos fazem o mesmo, com a diferença que têm mais poder e mais dinheiro para distribuir pelos amigos. 

Os pobres querem ser ricos, os ricos sem eles seriam pobres:
Os pais precipitam o nosso percurso académico para o abismo dos cursos superiores, para colmatarem as suas frustrações de não terem dado nada na escola ou simplesmente por não lhes ter sido dada oportunidade e dinheiro suficientes, fazem-no também para provarem, quais novos ricos, que podem ascender a uma classe mais alta.

A liberdade física não existe, podes voar em pensamento mas ninguém vive de ideias:
Os de cima impedem a ascensão e escalada da classe abaixo, desta luta resultam filhos frustrados que não arranjam trabalho, a frustração é proporcional aos anos que passaram a queimar pestanas, os que apenas fizeram o secundário ou tiraram um curso profissional não sofrem tanto e vão com menos dificuldade para trás de uma caixa registadora de uma qualquer superfície comercial.

Tenho pena que os mais velhos e supostamente mais experientes, apenas nos deixem duas tristes certezas - morrer e pagar impostos!

Porra para a sabedoria, vem quando não precisamos dela!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub