Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

09
Ago20

Trump fez um manguito

Rita Pirolita
 
Anda tudo indignado com o virar costas de Trump ao acordo de Paris... 
Os países ricos e civilizados contribuíram para o aumento da poluição à procura de lucro fácil e rápido ao produzirem em países pouco desenvolvidos, a explorar mão de obra quase escrava. Contribuem para a manutenção da guerra ao produzir armas para a combater. 
Quando a guerra e os efeitos da poluição estavam longe das vidas limpas e civilizadas, ninguém se preocupou, agora que todos sofremos os efeitos também ninguém faz nada e todos são indignados do sofá. 
Perguntem à França quanto armamento produz e a quem vende, à Alemanha o que se passou com os carros da Volkswagen, Espanha insiste na actividade da central nuclear de Almaraz que já devia ter encerrado há pouco menos de uma década, as fábricas da Coca-Cola na India dão trabalho às mesmas populações a quem roubam água potável, milhões na China trabalham horas a fio em troca de abrigo e uma tijela de arroz, em Africa e no Brasil terra fértil continua a ser destruída em busca de metais preciosos e a Arábia Saudita continua o seu domínio tentacular ao controlar a exploração do elemento mais poluidor à face da terra...
De que nos serve separar o lixo ou não deixar água a correr enquanto escovamos os dentes se depois as Câmaras Municipais reciclam muito pouco, porque sai caro e queimam quase tudo ou criam áreas enormes de relva que necessitam de quantidades astronómicas de água para a sua manutenção, quando podiam apostar em espécies autóctones em auto-gestão.
Eu sei que uma gota no oceano pode fazer a diferença e muitas ainda melhor mas Donald Trump apenas fez um manguito a uma coisa que não existe. 
Precisamos de acções e não de acordos de papel.
25
Jul20

Fungagá da bicharada!

Rita Pirolita
 
E pronto os animaizinhos de estimação lá vão puder ir a restaurantes designados para o devido efeito, com os seus donos extremosos e pimpões! Ou nem tanto assim?...
Não acredito que existam restaurantes a aderir, correndo o risco, se isto está tão mau como dizem, de ainda perderem mais clientela. 
Até os próprios visados, sem pôr em causa a estima que têm pelos seus companheiros de estimação, dizem que em casa é um conto e no restaurante o transtorno pode ser enorme, não só relativo a pessoas, bem como à interacção animal. 
Se levar o papagaio, o gato da mesa ao lado vai achar graça? Muita de certeza. 
Se levar a cadela com cio, o cão da mesa ao lado vai achar tanta graça que lhe salta para a espinha à frente de todos e arfa durante meia hora, debaixo de olhares repreensivos pela falta de controlo sobre os instintos patudos? 
Uma piton atira-se ao piriquito, ao hamster ou ao coelho anão? Com muita gana de certeza! 
Não estaremos a obrigar os animais a satisfazer e a andar a reboque dos nossos caprichos egoístas e prazeres que queremos sejam deles também, reflectir as nossas frustrações e desejos em seres vivos que também têm personalidade e sentimentos mas vêem o mundo de uma forma tão diferente da nossa? Isto não será também falta de respeito? Se não nos podemos pôr no lugar deles pelo menos que não lhes retiremos liberdade de serem o que são, animais de estimação, companhia e carinho! 
Não os deveriamos humanizar, isso é ultrajar a sua condição animal! 
É que um cão por exemplo, não tem noção do prazer que dá ir a um restaurante, sitio de e criado para humanos, talvez seja mais feliz a correr num parque ou na praia, a cheirar o cu aos outros cães!?
Já existe um restaurante em Portugal, que eu tenha conhecimento, se calhar existem mais e ainda bem, onde pode deixar o seu animal de estimação em segurança num espaço exterior.
Não seria um exemplo a seguir? Não sendo a solução a usar por hábito mas esporadicamente por necessidade, só mesmo em caso de não ter ninguém com quem deixar os animais?
Não era melhor preocuparem-se mais com a higiene na preparação das refeições e não introduzir mais factores que tronam mais difícil a manutenção da mesma? 
Misturar comida com animais que não distinguem locais para fazer as necessidades, coçar-se ou largar pêlo e penas, difíceis por isso de controlar, dando aso a alergias, manifestações de fobias e incómodos de torcer nariz, assemelha-se mais a um Fungagá da Bicharada!
Ah afinal tem que ir tudo à trela ou só são permitidos animais de trela? Estarão incluídos furões, crocodilos, porcos vietnamitas, cabras anãs?...
Se os donos não são todos civilizados, como teremos a garantia de os animais serem educados como deve ser? 
Além de que, pelo pouco que sei, as reacções imprevistas de personalidade e comportamento verificam-se em todos os seres vivos!?... 
Não era melhor preocuparem-se com os casos de roubo, corrupção, mentira e desgoverno que grassa no país? 
Com o caso das adopções ilegais da IURD? 
Com os casos de pedofilia na Igreja e fora dela?
Com os direitos e defesa dos idosos e criminalização dos maus tratos e abandono?
Com os direitos dos animais?
Acabarem com as touradas e tortura generalizada de animais na indústria alimentar?
Com o tráfico humano, a violência, a guerra, a fome, as alterações climáticas, a falta de água, a destruição das florestas, a poluição?...Somos uns selvagens que nem de nós sabemos cuidar, quanto mais ter ou legislar animais de estimação.
Como querem que algum Deus que existisse nos levasse em conta e tivesse respeito por nós?! Mas que a Arca de Noé foi a primeira ideia de startup de um restaurante que aceita animais, aí isso foi!  

02
Abr20

Fim do Mundo

Rita Pirolita
Disseram alguns nos últimos tempos com ares de ciência/bruxaria, o fim do mundo está aí, com grande ajuda nossa mas nunca em nosso nome ou honra!
O que nos confere tanto convencimento em acreditarmos que conseguimos destruir o mundo? 
Conseguimos baralhar as ideias e voltar a dar mas andamos a apostar nas estrelas erradas!
Fala-se no domínio de uma elite, que quer reduzir a população mundial impondo medidas e impostos às alterações climáticas para redimir os pecados da poluição humana, assinando tratados atrás de tratados que não tratam de nada nem beneficiam ninguém principalmente se não sairem do papel. 
Uns dizem que as alterações do clima, nomeadamente aumento das temperaturas, degelo dos glaciares e subida do nível da água do mar, são cíclicas, outros que a poluição vai ser a grande responsável pela nossa extinção, já andamos há milhares de anos a viver em sucessivas camadas de lixo e cadáveres e isso nunca destruiu nações, pelo contrário, alimenta a terra e recicla, se ficássemos cá todos já não havia espaço para tanta porcaria, por isso tem que ser bem calcadinha em camadas sedimentares ou dissolvida em CO2, outros ainda dizem que o Trump tem razão em se estar a cagar para isso, que tudo não passa de uma falácia inventada por quem quer destruir e controlar um líder que veio marcar a diferença.
Outros ainda dizem que tudo está incontrolavelmente destinado nas sagradas escrituras ou o poder está nas nossas mãos, na mudança de consciências e educação para uma vida melhor e um planeta mais sustentável.
Assim se criam teorias da conspiração sobre invenções que queriam passar por verdades. 
Eu até posso tentar encontrar lógica na maioria das especulações sobre o fim do mundo mas nenhuma ultrapassa nem se compadece, com o meteorito que vai f@der isto tudo sem termos tempo de dizer ui ou no aquecimento global que vai queimar a crosta terrestre que nem ferro incandescente em leite creme ou que vamos ficar sem água potável e morrer sequinhos que nem carapaus! 
 Acreditem ou não, pouco me importa quando isto acabar, desde que até lá tenha tempo de ganhar o euromilhões e não ter preocupações de pobre com impostos e reciclagens para um mundo melhorzinho e paradisíaco para as nossas criancinhas. Não tenho cria nenhuma a quem deixar herança e tal como todos os seres humanos, não me preocupo com o vizinho do lado e não lhe desejo a morte, desde que ele não me chateie os cornos. 
O meu mundo será muito melhor, sem balelas hipócritas e discussões de oradores palermas que só atafulham o silêncio sem dizer népia e muito menos fazer nada de jeito!   
16
Out19

Nem cornos, nem asas

Rita Pirolita
 
As crenças dos que me rodeiam e o crédito nos que me rodeiam são como os  Unicórnios brancos e as Barbies voluptuosas, existem mas até há bem pouco tempo nunca pensei que pudessem ser bonecas rechonchudas, os cavalos brancos também existem mas nunca tiveram cornos nem asas.
 
Todos existem como pesadelo ou ilusão.     
 
Pagam para sair da solidão e assistir a seminários de tocar pessoas, comunicar em silêncio, habituar o corpo ao jejum. 
Quão coerente parece isto quando em vez de estarem a evoluir estão apenas a fugir da solidão para não perderem o sentimento de pertença e até de existência, mesmo que estejam zangados com os mais próximos e se escudem na desculpa de resolver os problemas não falando neles nem com as pessoas que fazem parte deles. 
 
Comerem produtos biológicos, quando a poluição está por todo o lado e a pureza é por isso duvidosa ou mesmo inexistente. Tomarem pouco banho para não gastar nem água nem pele. Reciclarem ao ponto de enterrar tudo no jardim, como prova da sua orgulhosa pegada ecológica. 
Não preciso de jardim para saber que vivo em cima de camadas de lixo e cadáveres. 
Não ando a abraçar ou tocar desconhecidos mesmo que não tenha amigos, pagar para o fazer legitima a aprendizagem? Isto aprende-se? Se se aprende tem que haver alguém que ensine? Quem ensinou os que ensinam???
Nao há resposta para isto, porque isto não se ensina!!!
 
Devemos ser curiosos e na procura ou simples observação retirar o conhecimento suficiente para separar o melhor do erro e partilhar gratuitamente com outros essa informação.
Gostava de me rodear mais de quem não segue seitas, pessoas, gurus e promessas de sabedoria e menos de alienados, iludidos e enganados.  

O mundo existiria tão bem sem nós e talvez deixe de existir mais cedo por nossa causa.
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub