Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

06
Ago20

Crowdfunding para pernil de porco

Rita Pirolita

Ideia de crowdfunding para quem passou a viver na rua, aqui vai! 
Explorem a imagem de sem-abrigo que passaram a ter e arrecadem pilim para pernil de porco, esqueçam as batatinhas, também só engordam e especialmente agora não podem andar sempre a comprar roupa nova. 
Acho que o tempo razoável serão no máximo 3 dias, mais que isso o pessoal desespera e saliva.
Quando conseguirem o vosso objectivo comam tudo à dentada sem se preocuparem em partilhar o resultado da ideia com quem ajudou. Deixem passar um tempo, para aí um mês ou dois para o pessoal se esquecer da marosca e voltem à carga com um menu sempre diferente. 
No inverno dá jeito uma boa vinhaça para aquecer, invistam numa carta de vinhos, boa ideia não? Dias de loucura!!!

Na longa espera entre boa comida e vinho voltem à sopa dos pobres e associações de caridade que nunca têm fins lucrativos e não ganham nadinha com a vossa miséria, tal como assistentes sociais, Santa Casa da Misericórdia, etc. 

Se não existirem coitadinhos em número considerável esses gajos ficam todos no desemprego e a vida já está tão difícil...

Esta ideia só tem uma desvantagem, os médicos inclusivé estão sempre a avisar, as dietas iô- fazem muito mal à saúde, mais do que ficar sem comer durante muitas horas ou até mesmo dias.
15
Jul20

Chef José Avillez - O melhor do mundo

Rita Pirolita
Assisti a uma entrevista ao recente eleito melhor Chef do mundo, José Avillez. 
Antes de começar a vomitar frases sem parar, não por indigestão, deixo aqui um curto reparo.
Estão a ver o jornalista Vítor Gonçalves que apresenta o programa na RTP, Grande Entrevista?...Não presta, por favor ponham-no de baixa prolongada, não importa se por depressão ou por lhe partirem as perninhas mas tirem-no da tela! 
Nesta entrevista fez perguntas em tom humilhante de galhofa, a um Chef que por mais mau que fosse não merecia e afinal só ali ia falar de comida, assunto que reune muito consenso, nem que seja pelo facto de todos gostarmos de comer por gosto e prazer e acima de tudo para nos mantermos vivos!
Não sei se vai surtir efeito mas fica o pedido para afastamento vitalício!
Ora bem, vamos lá falar de comida, um assunto de bom gosto que domina e muito bem, os dias dos portugueses. 
Enquanto almoçamos já estamos a falar do jantar que se segue, mesmo sem a firme garantia que não estamos livres de sofrer um ataque cardíaco ou uma diarreia tal que nos leve por tanta alarvice, a meio da tarde, lá mais pela hora do lanche, que não será de chazinho e scones!
O Chef falou de reduções, geis de coentros, gelatinas, cozinha molecular com o seu nitrogénio liquido que nos põe a fumegar que nem dragões, tudo apresentado em pratos enormes e quantidades mínimas e concentradas, disse ele. 
Não é uma comida de encher bandulho, num restaurante com nome terminado em 'ia', não querem alarves a palitar dentes, a arrotar e a ameaçar bufa de pantufas com o rabo de lado na cadeira, onde se paga mais de uma centena de euros para se tanto, se darem 6 garfadas de provas. 
A propósito de nomes que terminam sempre em 'ia', a última inauguração do Chef Avillez é uma Pitaria, que no norte seria uma churrasqueira, já que por lá se chama pito ao frango. 
Continuando, esta é uma cozinha de suposições e sugestões, em que o cozido à portuguesa por exemplo, alegadamente deveria conter enchidos mas só a couve que foi cozida juntamente com as carnes lhe leva o aroma entranhado a fumado, para depois se servirem apenas duas folhas de legumes com umas nozes de gordura de porco que diz ele, se desfazem na boca. 
O que fazem às carnes que cozeram? Não foram servidas e só aproveitaram a couve e o molho para dar a comer aos pacóvios que se acham finos! 
Comida tão pouca que nem faz lastro para cagar, paga-se uma aguinha com couves a boiar e o cozinheiro e os ajudantes levam o precioso conduto para casa em tupperwares?
As flores são comestíveis, eu sei mas põem-nas nos pratos para a pessoa ficar com tanta pena de as comer de tão lindas que são? Paga-se para fazer dieta não comendo a sobremesa? 
O que menos engorda nos pratos são as flores está visto, por isso por mais lindas que sejam para quem está de regime, são a única coisa que se deveria comer durante uma semana inteira, era ver as obcecadas com a linha a pastar em canteiros pelos ajardinados recantos deste país!
O Chef falou também no lagostim que é mostrado a cores e ao vivo à mesa do cliente, regressa à cozinha e passados 5 minutos está no prato de pernil esticado, pronto a ser devorado. 
Se pensarem em provar a frescura de todos os pratos que servem, começam a levar vacas e veados até à mesa dos clientes e depois tiram um bife à pressa nas traseiras? 
Levam vasos e vasinhos com as plantas aromáticas ou vazões com abacateiros, mangueiras, oliveiras ou videiras para apresentar a carta de vinhos?
Podemos parar por aqui porque já me embrenhei demais nesta selva e não estou para me alongar a falar de coisas que não me dizem respeito, só ao Chef que faz muito dinheiro com a redução reduzida de alimento e fome dos clientes, bem convencidos que comeram uma refeição concentrada, uma injecção de puro prazer para os sentidos, um momento de deleite, uma explosãozinha de sabores, uma degustação dos deuses...blá, blá, blá. 
Só vos digo que enquanto escrevia este texto fui dando umas colheradas numa sopa feita por mim, daquelas à moda do norte, de pôr a colher em pé, com couve galega, grão e massa, estou aqui que nem posso consolada até às orelhas e o efeito já se está a fazer sentir no buraco baixo deste meu corpinho. 
Por isso vos deixo, já não aguento o cheiro que me envolve, vou só ali morrer gazeada!
29
Mar20

Pratos, copos e talheres

Rita Pirolita

Por mim as molheiras podiam ir todas à vida, ninguém usa molhos que entrem em molheiras e depois ficam para ali esquecidos a criar aquela película de gordura que dá nojo com aquele mau aspecto que já não vão sair da molheira a não ser directos pela pia abaixo, com bastante água quente a correr para não agarrar aos canos! Por isso esta peça nem devia existir, é uma ocupa, além de que tem uma estética quase sempre vitoriana e romântica ou seja, uma falsa peça que só está ali para mostrar requinte mas depois não serve nem para pôr azeitonas, enfim... 
Os pratos grandes, fundos, pequenos e médios podiam ser todos do mesmo tamanho e brancos, a mim não me chocaria nada e reparam vocês e depois não conseguíamos distinguir a sobremesa das entradas ou dos pratos principais ou até mesmo da sopa!? Então mas vocês distinguem as coisas pelos sabores ou pelo tamanho dos pratos? Não me digam que também não sabem lidar com a piroseira dos pratos quadrados? 
O mesmo posso dizer dos copos, já sei, alguns copos em forma de balão guardam mais os aromas do cognac, os taninos, o chocolate, canela ou frutos vermelhos do vinho, a lágrima do Porto Vintage, pergunto eu mais uma vez, não basta distinguir a coisa na língua e depois lá em baixo tudo se mistura para se agarrar às veias ou sair? 
Quanto aos pratos grandes que estão tão na moda na cozinha gourmet, deixem que vos diga, confundem-se com os marcadores de mesa, que muitas vezes têm melhor aspecto que as gamelas fundas, onde depositam uma ervilha com aroma de sapo.
Os talheres são o último reduto do baralhanço, são uns confusionistas, além de grandes, pequenos ou médios também os há mínimos, para peixe, carne, sobremesa, chá, café ou laranjada, conchas, colheronas, pinças, facas de talhante ou de pão, garfos em forma de forquilha para tourear o pernil de porco ou evitar que o perú se escape de encontro à parede ou acabe no regaço da tia que levou a melhor prenda e que só vemos em ocasiões especialíssimas mas é a única que ainda resta com algum dinheiro para deixar e como não teve filhos...não custa nada aturá-la por umas horas ao ano.
Por fim aquela peça que serve para tirar o molho da molheira, que também nunca se usa tal como a molheira, dispensável meus caros...
E os guardanapos de pano e suas argolas estranguladoras? 
Podem ser usados com gestos de requinte mas são nojentos e se forem de áspero tirilene dão-me cabo da cútis labial, desculpem a poluição mas guardanapos de papel estão bem para mim obrigada, é usar e deitar fora, enquanto que os outros ficam tão cheios de carrapetas que até teria nojo de os pôr a lavar juntamente com as minhas cuecas! 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub