Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

28
Abr21

Super-mulher

Rita Pirolita

Sou mulher mas não sou super!
Tudo o que escrever poderá ser posto em causa por falta de vivência de algumas coisas visto que não posso estar na pele de todas as mulheres de todas as épocas.  
Nunca quis eu casar ou ter filhos, coisa a que muitos torceram o nariz e puseram em causa a minha feminilidade, estas coisas não me fazem sentir mais ou menos mulher nem nunca foram a razão da minha existência que continuo sem saber qual é, ou porque não existe mesmo ou porque não me interessa encontrá-la! 
Há uns tempos veio a discussão sobre a lei que permite ao homem contrair matrimónio 180 dias após um divórcio, enquanto a mulher tem que esperar 300 dias mas se quiser apressar a coisa terá que provar que não está grávida. 
As leis são um mal necessário, mostram que não somos pessoas de bem, somos seres das cavernas armados em senhores civilizados.
As conquistas de direitos e liberdades femininas devem ser aproveitadas e usadas com consciência e respeito por quem lutou por elas mas reconheço que muitas vezes numa sofreguidão exacerbada de independência, acumulamos tarefas para provar que somos capazes e esquecemo-nos de arranjar tempo para nos diferenciarmos dos homens.
Tenho a certeza que não existem super-mulheres por isso nem tento vestir a fatiota! 
09
Ago20

Há por aí MULHERES?

Rita Pirolita
Há por ai gente pouco ou nada susceptível que encare a realidade com nudeza e crueza? Há por aí especialmente mulheres que não sejam violentas, assanhadas, ressabiadas, frustradas e que não andem cegas com o feminismo moderno das Capazes ou Marias malucas do BE? 
Há por aí mulheres que em vez de se armarem em independentes com trabalho no lombo que se farta, dão um berro, um murro na mesa e protestam. Também trabalham além da vida doméstica, recebem menos é certo mas em vez de um homem que as ajude, querem um homem que divida tarefas, já que eles não podem parir um filho ou outro de vez em quando? Há por aí mães sós e desamadas que deixem de educar os filhos em total machismo e mimalhice, em guerra aberta e prejuízo para as mulheres que os vão aturar que se devem dar por muito contentes se eles puserem as próprias peúgas para lavar enquanto elas lavam, limpam, cozinham, dão banho aos miúdos e ainda têm que estar sempre lindas e cheirosas com um ar fresco e fofo nas fuças, de unha arranjada e dieta feita...como sendo tudo dado adquirido da sua condição feminina, como se tivessem nascido com isso agarrado aos genes? Há por aí mulheres que não perdem tempo com movimentos #metoo e em vez de se vitimizarem sabem o que querem e dizem e não andam armadas em coitadinhas de elite caviar que critica o sistema mas vive e é produto dele?
Ponham os olhos nos homens que encaram o dia do casamento como um dia de festa com oportunidade de  se divertirem, estarem com os amigalhaços e passado duas horas andarem sem gravata, de camisa aberta e bêbedos que nem cachos! 
Deixem lá os gays gozar com entusiasmo a novidade do casamento!
Deixem de desejar que de vez em quando vos cresça uma pila para violarem com ódio as mulheres que apenas têm ideias diferentes e não se fazem de coitadinhas a toda a hora. 
Dá trabalho ser diferente por isso não empatem o percurso de outras ou façam perder tempo com frustrações, perseguições e teorias da conspiração, fruto de vidas mimadas. Há por isso por aí mulheres que se preocupem com as verdadeiras violações dos direitos humanos, que queiram caminhar pela diferença ao lado dos homens que merecem, sem os meter a todos no mesmo saco, tal como nós não gostamos que nos façam?!
Há por aí mulheres que não sejam malucas esquizofrénicas como a girafa que namora com o macaco e lhe pede constantemente, beija-me a boca, chupa-me as mamas, beija-me a boca, chupa-me as mamas, que canseira andar para cima e para baixo naquele longo pescoço.
Não queiram por isso ser aquelas que querem tudo ao mesmo tempo, serem galanteadas, seduzidas, no fundo até já querem ser assediadas e não distinguem os limites, porque querem é ter importância para alguém, porque não conseguem estar sós e existir por si, não serem desprezadas, não serem julgadas, terem atenção exclusiva, serem elogiadas, terem os presentes que pedem porque impõem que merecem, serem amadas, não ficarem furiosas por serem feias e ninguém se interessar em conhecer o  vosso interior, nisso têm que ter mais paciência, as mais giras são mais importunadas por toda a merda, têm mais por onde escolher, mais porcaria para aturar e no fim resta-lhes o mesmo que às menos bafejadas pela beleza! 
Adivinhem lá...
Os homens, as crianças, os passarinhos, as árvores também precisam de atenção e amor da vossa parte e podem dizer asneiras de vez em quando, não fica mal na altura certa!
Deixem de admirar vitimas que se vitimizam e deixem de criticar ou ter inveja das vitimas que não se vitimizam e combatem o medo de ser olhadas de lado, por dizerem o que realmente sentem e pensam.
Deixem de pôr as culpas apenas na gaja que vos destruiu a relação, supresa, foi ele que também se meteu com ela e vos pôs os chavelhos, a outra ou sabe e continua ou não sabe e continua.
Deixem de se criticar e julgar pelas unhas de gel e pela peruca que exibem, concentrem-se mais na merda de gajos que muitas vezes escolhem, sim porque também os há que não prestam, a versão masculina das cabras, os cabrões!
Deixem-se lá de mimimis e sejam mulheres, apenas diferentes dos homens, dos dinossauros, das abelhinhas e das florzinhas!...
Mas porra que anda tudo ao mesmo anda, seja lá o que for!
14
Jul20

Os eleitos que caíram do céu

Rita Pirolita
A sociedade cria resultados maus que depois quer condenar social, legal e moralmente, como se criasse filhos e depois os castigasse pelo mau comportamento fruto da má educação que lhes deu!  
Somos todos deste planeta e isto não é de todo nenhum sentimento de impunidade para com quem mal provoca, mas será que vamos matar com ferros quem com ferros mata, combater a guerra com guerra para conseguir a paz? 
Andamos a fazer isso há milhares de anos e veja-se o resultado... 
Por usarem gasolina no vosso carro para se deslocarem para o trabalho, não têm um pouco de responsabilidade, inevitável dizem vocês, para desculpar e acalmar a consciência e porque o mundo assim está construído, nas guerras e regimes assentes no ouro Negro no Médio Oriente, Africa e América Latina?  
Quem atira a primeira pedra com ódio e raiva gostaria de ser julgado em praça pública pelos seus erros mesmo que os tivesse praticado com pouca assunção de responsabilidade, por exemplo na adolescência e não ter hipótese de corrigir? Ou são todos uns santos?  
Os homens e mulheres de amanhã agem de acordo com a educação que lhes dão, se for sem tempo ou a correr com pouca atenção, teremos o resultado equivalente. 
A vida é feita de causas e consequências e quanto menos responsáveis menos livres.  
Precisamos de gerações depuradoras dos educadores coxos que temos, que não conseguem eles também ser saudáveis pelo imposto ritmo alucinante de vida e falta de tempo! 
Será que conseguimos benfeitores espontâneos, que se livrem da pesada consequência, exorcizem os traumas e que reajam por oposição à má prática? 
O comportamento humano não pode ser analisado como se de um robot se tratasse.
A pedófilia por exemplo, tem tanta cura como há muitos anos atrás se dizia que a homossexualidade era uma doença. 
O cancro é uma doença inerente à existência de seres vivos e apesar de a cura estar neste planeta, não andamos à procura dela noutra Galáxia, anda a indústria farmacêutica a adiá-la em nome de fazer dinheiro à custa de sofrimento que já poderia ser evitável, de tratamentos violentos que nem garantem grande sucesso mas mantêm os doentes vivos, sem serem saudáveis! 
Por outro lado somos suficientemente parvos para não aproveitarmos os recursos que temos e deixarmos gente a morrer à sede e à fome e depois irmos para Marte à procura de vestígios de água!
Crianças abusadas e pedófilos, são também o retrato da humanidade, umas vezes abusados outras vezes abusadores, vitima e agressor não existem um sem o outro, neste caso a defesa é desequilibrada, por força maior de um adulto que encontra na criança um alvo fácil para dominar, os papeis alternam. 
O tratamento de crianças abusadas nunca foi negado e falar no acompanhamento de pedófilos não quer dizer que estejamos a pactuar com os seus actos desviantes.
Não podemos continuar a tratar as vitimas como coitadinhos apáticos e os agressores como monstros de outro planeta, sem causa aparente, gente apenas doente e coitada.
Ninguém está livre de cometer delitos, a gravidade dos mesmos exige soluções à altura. 
A lei de anular quem não é normal sempre existiu e continua a existir e isso mostra um grau civilizacional baixo da humanidade que não consegue comportar os seus erros.
Ah esperem, os malucos criminosos deixam de ser humanos, essa é a sua condenação? Impossível de aplicar! 
Quando a educação é má ou inexistente, as crianças ficam ao abandono, à mercê de adultos que lhes fazem mal porque também eles são mal formados. 
Se amor-próprio e autodeterminação existissem, não haveria lugar para humilhações deste tipo de seres tão pequenos que absorvem tudo o que lhes fazem, ficam traumatizados e vingam-se noutros sob variadas formas de abuso, humilhação, violência, violações, guerras, homicídios.
Daí não causar admiração o resultado de um estudo recente entre adolescentes que aceitam e até acham normal, a subjugação no namoro por algum tipo de violência humilhação ou chantagem.
Afinal já todos fomos crianças e pertencemos ao mesmo planeta, percebem o ciclo de ódio que tem que ser travado e que algumas pessoas alheias ao assunto instigam? 
A melhor solução está nos envolvidos e não nos 'bonzinhos eleitos' que picam de fora e defendem o que não sabem, apenas baseados em nojo e pouca racionalização e aceitação do problema para assim o poder resolver. 
Separar, nós os bons e os outros, os maus, é o pior engodo de inclusão em que podemos cair!
Porque quando nada se resolve, mantemos o problema e continuamos a alimentá-lo.
Temos em mãos uma enorme solução a tomar, a própria humanidade que já caminha para a destruição desde a sua existência, porque não matá-la muito antes em nome da justiça dos 'bons' que parece vieram de Marte para nos salvar e até se elegeram a eles próprios??? 
Este é um caminho perigoso, cego e prisioneiro de falsos altruísmos, de gente que não sabendo o que diz ainda traz mais achas para a fogueira do mimo e das vaidades, que arde sem se ver e queima sem saber!
21
Mar20

Millennials, centennials e snow flakes

Rita Pirolita
Mais um jantar de amigos de conquilha coberta de coentros e acidosa laranja amarela, tarte de côco em bocadas tropicais, vinho tinto mostoso e verde picante, cerveja luposa no goto e ao gosto de cada um e de todos! 
Noites quentes de calafrio tardio, cão satisfeito a rondar a mesa em tentadas infrustradas de petisco fácil. 
Por cada olhar canino tão convincente, que parte corações, iriamos até ao fim do mundo buscar um osso de roer, mesmo que não precisasse e estivesse a rebentar de obesidade, não é o caso ainda mas com tanta insistência não demorará a chegar ao estado de intumescida salsicha com pernas!
Ar feliz em casa de mar, cheiro a fumeiro e cacimba de lua, as conversas saem parvas com ruidosas gargalhadas sem vizinhos para queixa, as falas tornam-se sérias por breves segundos, a minha tentativa forçada de tirar nabos da pucara para escrever este texto sai frustrada com perguntas tão corriqueiras que nem as reconheço como minhas, armada em psicóloga da fava bruxosa ou terapeuta de banha cobreira que recorre a métodos brumosos para obter respostas. Ainda bem que a tentativa não tem resposta que a alimente, em pouco tempo percebo que nem a noite nem o convívio são de forças medidas, nunca serão, shame on me!...
As ideias e deduções seguintes são imaginação despretenciosa de como se foi confirmando ao que hoje se chegou!
O tema que desse fruto, esperava eu, seria a desgastada caixa de Pandora que revive como Fénix, homens e mulheres que de tão reprodutiva coelhice, nunca se extinguirão a não ser por força maior catastrófica de natureza desalmada e impiedosa com a pequenez sexual.
As mulheres são mais inteligentes? 
Para mim que o sou, não... 
Os homens que planam na pragmância levam a vida com mais esperteza e contemplativo esforço! 
As mulheres são difíceis de aturar e não se aturam a elas! Engalfinham problemas para inventarem soluções, baralham-se e voltam a dar-se!
São primorosas picuinhas de introspecção dilatada, porque uterinam as crias? 
Os homens acomodam-se em atitude de vida que está bem assim na constança do ócio, as mulheres esbracejam e sangram energia em gritos de protesto, não foram à guerra mas querem arranjar uma sua!
Dos primórdios os homens não engravidam, um só espalha crias em úteros abertos e receptivos que depois de fecundados, se a cepa pegar e o enxerto não desmaiar, tão depressa não estarão disponíveis para nova aventura. 
Os olhos fêmeos brilham de atracção ao melhor exemplar testeróneo que garanta cria forte e sobrevivente, não uma semente definhosa, que não desponte da terra, nem lhes cresça para dentro bem fundo e arreganhe em orla de gordura sangrenta.  
Degladiam a procriação pelo macho mais dotado que lhes dê varão, usam dos métodos mais escabrosos e escondidos de traição às restantes fêmeas pela primazia da escolha, a evitarem a segunda-mão no leito que cabe às mais ousadas e tratadas com menos requinte e respeito. 
Fémea usada e engravidada não é surpreendida na virgindade nem tem novidade, macho experiente tem procura para envolver, dominar e sustentar.
Abespinham-se com piropos e criam leis que os condenam, quando os machos querem é espalhar semente ao vento, debaixo de humidade moliqueira ou apenas dar música de acasalamento em competição garbosa e marialva.
O choque é de vontades e aumenta o fosso, quando os seres que se julgam civilizados ainda lutam para serem instintosos, como se vestíssemos um macaco com fato Hermenegildo Zegna e o largássemos a engatar macacas numa discoteca, cheias de perfume a lixiviar as feromonas, o símio fica baralhado e acaba por se lenganhar no fácil sem consequência, engancha o esporádico de prazer fugidio, sem prolongamento genético! 
Ela pensa da altivez da eleita e escolhida mas ele é que se entrega à escolha, em torpor e libertino desleixo.
Elas já não são domésticas nem falsas submissas, apaixonam-se por cartões de crédito não podem por isso reclamar muito crédito, vivem e largam o momento.
A estabilidade dos millennials e centennials está na mudança supersónica, snow flakes que morrem ao focinhar chão! 
Nos jantares que nunca chegam ao fim, forçamos o cansaço a fazer despedidas, de barriga cheia e alma regada, o cão adoptado de rua e lixo espraia-se nas pernas de um macho rendido a sofá fundo e morno de lareira!        
28
Jan20

Feios e meigos

Rita Pirolita
Tentam convencer as mulheres que por mais pequeno que seja, bem trabalhado proporcionará sempre prazer, que com conversa tudo se resolve e chega lá, pode é envolver mais mão-de-obra e demorar um pouco mais, que os preliminares são condição sine qua non para ter excitação garantida quanto mais um orgasmo, que o clítoris existe e todas gostam que seja estimulado à exaustão, que o ponto G não é a inicial da Gronelândia, que a maioria não sabe onde fica ou pensam que é um reino enregelado da DisneyWorld.
Não sei quem inventa tanto mas se todas somos diferentes nada disto pode ser a regra e as mulheres devem fazer ver que muito menos em matéria de sexo e prazer, não podem ser reduzidas a estatísticas e formatações.  
Faz falta ouvir mulheres reais dizerem que o tamanho para algumas importa, que não se resignam aos feios embora  trabalhadores e meigos, ou que pelo contrário serão o macho ideal por não serem tão solicitados e por isso menos susceptíveis de trair, que também não se queixem da infidelidade dos bonzões, já deviam saber melhor da cobiça e cabrice que anda à solta no mercado.
Que conhecer uma única queca na vida e ficar com o grande amor da adolescência para o resto da vida é careta e não mostra mundo, a não ser que vivam nas redondezas da Lagoa Azul. Que nem sempre estamos à procura de relações estáveis e para a vida, tipo conto de fada, quando a coisa acontecer logo damos conta do recado, com casório, divórcio e filhos tardios, ou não.  
Que podemos descontrair e ficar para tias mas com um passado recheado, para contar aos sobrinhos e mostrar o lado melhor da vida, aquele em que se faz o que nos deixam e muito mais que possamos inventar.
30
Mai19

O que as mulheres querem dos homens?

Rita Pirolita


Existem por aí uns escritos de fêmeas feministas, inevitavelmente falam de homens e não só, parece que andam todas a tentar domesticar um animal que já é de estimação. 
A julgar pela quantidade de abandonos no verão e maus tratos no inverno, não está a resultar…
As mulheres querem um homem!...
Não muito bonito para as amigas não cobiçarem ou roubarem; 
Sem mãe para não lhes fritar os miolos;
Que não esteja desempregado para não viver à sua custa;
Que não tenha filhos de outras relações para não gastar o dinheiro todo em pensões de alimentos, assim paga metade da renda e leva a dama a jantar fora de vez em quando;
Que passe a ferro, que ela detesta;
Que saiba cozinhar mas não melhor que ela;
Que baixe a tampa da sanita;
Que ajude na limpeza;
Que seja bom na cama;
Meigo, compreensivo e faça rir;
Que vá com ela às compras;
Que não convide os amigos todos lá para casa para ver a bola, beber cerveja e deixar manchas de gordura de aperitivos no sofá;
Inteligente, alourado de olhos verdes e em cima de um cavalo branco com uma mancha cinza no pescoço…
Por fim que tenha paciência para aturar isto tudo sem lhe bater.
Já agora, os números premiados do euromilhões, não querem? Uff!

Os homens querem uma mulher:
Que não lhes ponha os cornos, que cozinhe bem e que não implique com as manchas de gordura no sofá quando bebe cerveja com os amigos a ver a bola. 
Assim nunca terá razão para bater numa mulher.

Minhas amigas, quanto à cerveja o fígado é deles e cada um com a sua cirrose!
Desejar apenas um homem com uma boa pila e um único pré-conceito - que mulheres como eu são diferentes deles mas nem tanto assim. Keep it simple!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub