Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

03
Set20

Carta ao Facebook

Rita Pirolita

Facebook é uma rede social lançada em 4 de fevereiro de 2004, operado e de propriedade privada da Facebook Inc..[5] Em 4 de outubro de 2012, o Facebook atingiu a marca de 1 bilhão de usuários ativos, sendo por isso, a maior rede social em todo o mundo.[6] O nome do serviço, decorre do nome coloquial para o livro, dado aos alunos no início do ano letivo por algumas administrações universitárias nos Estados Unidos, para os ajudar a conhecerem-se uns aos outros. O Facebook permite que qualquer usuário, que declare ter pelo menos 13 anos, se possa tornar usuário registado do site.[7]
Venho por este meio comunicar a V. Exas...
Assim começam normalmente as cartas, respeitosamente, seja para dar boas notícias ou negar coisas pequenas ou grandiosas.
A minha reclamação para a Central de Ajuda do Facebook não teve introdução que se parecesse a esta, nem por lá perto.  
A piada começa logo no nome, Central de Ajuda, já que não ajudam nada, nunca me responderam a nenhuma exposição e apenas se limitam a repetir as regras e política de utilização do Facebook.
A coisa foi mais ou menos assim desta última vez que me desactivaram a conta pela enésima vez.
Gostava de obter da vossa parte uma vez que fosse, a razão pela qual desactivam a minha conta constantemente, se é por denúncia de inveja alheia só preciso de saber que foi por denúncia, não preciso de saber de quem vem, embora se devesse identificar, mas de quem inveja e se esconde, não se espera mais que cobardia, passemos à frente. 
Não vos reconheço autoridade nem tenho confiança para enviar informação de documentos pessoais, dos quais é ilegal reter cópias, se não for em situações e actos legais devidamente identificados na presença de pessoas idóneas, esperamos nós, tais como casamentos, contratos, multas...
A vossa promessa de destruição desses dados e não utilização indevida, não me dá segurança nem vos dá credibilidade nenhuma. 
Se me deitam contas abaixo sem explicação fruto de denuncias anónimas, porque não posso ter uma conta com um perfil anónimo ou falso, como lhe queiram chamar?...
As vossas acções de disciplina imposta aos utilizadores não têm fundamento, porque a vossa existência não tem consistência, vocês são um vazio a alimentar mais vazios. Se não sabem para onde vão e nisso o vosso destino vai-se desenrolando, não podem saber de onde vêm ou no que assenta a vossa criação, por isso é desprovido de sentido criarem regras e calarem utilizadores, se não sabem o que andam a fazer fiquem quietos ou tentem controlar a coisa para caminhos mais nobres e proveitosos. 
Além de que, mediante as minhas consultas, só me propõem porcaria, oposta aos meus gostos...querem condicionar-me e controlar?...Mal, muito mal!...
Não queiram ser um PornHub que também alimenta predadores sexuais.
Os vossos algoritmos andam todos baralhados e a culpa é de quem os vai estudando, é tão subversivo como isso. 
Não sei que veracidade vislumbram numa foto que vos faz ficar convencidos que é realmente o utilizador e não a foto de um amigo, mesmo assim parece-me que andam armados em polícias das redes sociais e a censura continua pelas vossas 'mãos'. 
O que fazem apenas pelo poder da vossa grandeza e não qualidade, é uma falta de respeito e um acto de enorme covardia, já que chamam a vocês a responsabilidade de limpar a porcaria, não seria melhor incluir regras que fossem mais de encontro ao estimulo da inteligência, contribuindo para uma utilização mais lúcida destas redes, sem no entanto aplicar medidas coercivas que deitam abaixo uma conta, desaparecendo para sempre seguidores e comentários sem possibilidade de recuperação, preferem tratar os vossos utilizadores como crianças postas de castigo e as que são ditas normais que não se portam nem bem nem mal mas também não dizem nada de jeito, continuam como a passar pelos intervalos da chuva?... 
O Face não tem a função de educar, se tivesse estávamos  mais perdidos ainda mas pode contribuir minimamente para um mundo melhor. 
Eu sei que se não gosto de algo tenho a opção de não comer ou não fazer mas também tenho a obrigação e liberdade de dar a minha opinião, pensando assim que posso contribuir para um mundo, pelo menos para os que me rodeiam e visualizam, mais lúcido, em maior aceitação e discussão saudável.
Os vossos castigos são de uma enorme baixeza, não sabemos de onde vêm, nunca está identificada a origem ou porque razão acontecem e ainda pior, são vazios, não têm finalidade nenhuma, pelo contrário...peneiram a pior farinha da sociedade que nem um pão de jeito dá para fazer, para saciar a fome a mentes minimamente ávidas de clareza e ideias novas. Continuem a alimentar ratos e baratas da sociedade e a contribuir para a sua mesquinha destruição alienada. 
Em vez de serem um meio de estreitamento ou criação de novas relações e divulgação de ideias, transformaram-se num depósito de insultos de gente irada e vazia que posta tudo e mais alguma coisa e vocês aceitam e não fazem nada, gostava de saber os vossos insondáveis e secretos critérios de selecção que fazem parecer muito valiosos mas depois se mostram nada selectivos e muito irresponsáveis, aliás, parecem até sem critério ou fundamento. 
Se aceitam toda a merda aceitem coisas boas de vez em quando...só numa de equilibrar, sei lá!...  
A vossa Central de Ajuda não ajudando nada acaba por prejudicar, contribuindo para que a comunicação entre uma sociedade menos esclarecida prolifere. 
Pelo menos tive a vantagem de conhecer meia dúzia de pessoas que pensam como eu.  
Vou continuar a ter contas de Face até me fartar porque a minha vida não é nem um pouco disto, não vivo de likes nem estou interessada em salvar o irrecuperável mundo velho que quando acabar vocês também desaparecerão com ele e ainda bem, se desaparece o Belo que o mau vá com ele também. 
Continuem desse lado a tentar calar alguns que não interessa que abram a boca numa sociedade controlada pelo medo e julgamentos pouco humanos, primitivos e burros mas não se iludam, não calam ninguém, nem nunca nem para sempre. 
Vou continuar a ter uma relação perversa com estas redes, não concordando com a sua política de utilização mas fazendo uso para contrariar, espero não estar só...
Só existem porque nós vos damos existência, respeitem isso e não se aproveitem para com a premissa de aproximar pessoas, aumentar o fosso e vazio entre utilizadores, enganam muita gente que quer ser enganada mas não enganam todos. 
A vossa missão é mais larga que 'cumprida'.
A vossa grandeza faz-vos prisioneiros da vossa própria criação!
Sejam bem vindos ao meu admirável mundo e até ao próximo bloqueio no vosso pequeno canto que eu vou procurando novos mundos!
Por outras palavras, resumindo e concluindo...
Vão para o CARALHO!

06
Ago20

Miss Boazuda

Rita Pirolita
 
 
Hoje saí para mais uma caminhada diária no meu querido bairro de casas caras com quintais lindos demais para serem usados, e se já chegaram os dias bons para arejar o piolho e apanhar banhos de sol?
Agora, aos 30 minutos de caminhada dá-me um sono que chego a fechar os olhos a andar mas na verdade sinto-me tão tentada em me aninhar à sombra, num pedaço de relva fresca e fofa e passar pelas brasas só 5 minutos, resisto à tentação, penso que não ia ficar muito bem na fotografia para quem passa mas também estou farta de fazer figuras tristes, era mais uma. 
O que realmente me preocupa são os gansos selvagens que por esta altura andam cheios de filharada desajeitada atrás deles e tornam-se ainda mais territoriais e protectores ao ponto de se atirarem à bicada a quem passe, além de terem o tamanho de perús, cagam como elefantes e por isso não me deito na relva, senão arrisco-me a chegar a casa com penas no cabelo e a cheirar a merda de ganso que ainda por cima é um bicho feio e cinzentão mas venha de onde vier, merda é merda e pronto.  
Bem, à parte estes pormenores que me assaltam todos os dias de caminhada, hoje vim ao meu cantinho da escrita para falar de outra coisa. 
Ia eu então no meu exercício compassado, já me tinha passado a soneira e tinha mais meia hora pela frente de suor a escorrer pelo rego do cu abaixo, parece o Pulo do Lobo com água de menos para rio e demais para rego, ia eu então em passo acelerado quando surge vinda do nada, deve viver num palácio por ali perto, a "Miss Boazuda do Bairro e Arredores que até sabe Correr", nunca consigo ver a cara da moça, apanho-a sempre por trás, salvo seja, só espero que tenha uma fronha de cu de babuíno, seja desdentada e três vezes mais vesga que a Rita Pereira.
É que é demais, ser saudável e boazuda, ter um cabelo lindo que ofusca e ainda saber correr é ser quase perfeita, ninguém aguenta!
04
Ago20

A gorda do banco

Rita Pirolita
Vocês às vezes devem pensar que algumas das histórias que conto por aqui não são verdadeiras por tantas vezes serem insólitas e caricatas mas asseguro-vos que tudo o que por aqui passa é verdade verdadinha, contada com muita ironia e graça, se eu não me rir do menos bom que me acontece quem o fará por mim e é verdade que tristezas não pagam dividas. 
Se calhar vocês até acreditam porque Portugal também é fértil em situações inusitadas mas graças aos anjinhos papudos, aos descobrimentos, ao fado, à pobreza, à corrupção, aos ladrões ou lá o que seja nós somos um povo muito mais inteligente e desenrascado que estes gajos das Américas do Norte! 
Gente que não passa grandes dificuldades não aguça o engenho, deixa-se ficar pela comida-conforto de peida sentada a engordar e a empanturrarem-se de diabetes, depressões, psicoses, mimo e mau feitio. 
Hoje, não interessa o dia, o meu querido e extremoso moço dirigiu-se a um banco onde não tinha conta aberta apenas para saber se podia fazer a operação online de transferências para a nossa querida pátria com mais facilidade e menos encargos que a oferecida no banco com que costumamos trabalhar.  
Eu não fui mas asseguro que o meu moço foi de certeza delicado e se expressou bem no seu inglês quase irrepreensível que nada tem a ver com o meu, trapalhão e com um sotaque de estrangeira que é de bradar aos céus e cada vez falo pior, tanto o inglês como o português, já caguei no assunto, quem me quiser perceber tudo bem quem não, que vá dar uma curva à esquina das putas!
Ora bem, estava eu a contar que imagino o moço a aproximar-se do balcão com delicados modos a fazer a pergunta com muita educação e óptima dicção, portanto não tenho dúvidas que a gorda do banco tenha percebido bem.
Perguntou pois ela de volta, se ele era cliente do banco, ele disse que não, então ela prontamente respondeu do alto do seu elevado colesterol e diabetes 'que vais morrer cedo que até te fodes, pelo menos com um pé amputado até à virilha', que se não tinha conta naquele banco tinha que abrir uma para depois descobrir a resposta à sua pergunta inicial das transferências, lembram-se?
Ele deve ter olhado para ela com aquele ar de gozo e desprezo que tão bem lhe conheço e disse que se era assim também não precisava dos serviços deles para nada, virou costas e veio-se embora! 
A gorda deve ter ficado com a mesma cara de cu com que acorda todas as manhãs ou seja não se deu conta da tamanha burrice que nem se deu ao trabalho de disfarçar. 
Acho que mesmo que a situação fosse filmada e fosse posta à frente daquela tromba de porca roncolha ela continuaria a achar que estava a prestar um serviço de qualidade e que não estaria a tentar amesquinhar e fazer de estúpido um potencial cliente!
E pronto, é esta gentinha que presta serviço num dos países mais civilizados e com melhor qualidade de vida do mundo, dizem eles deles próprios! 
Não sei como é que conseguiram chegar a este ponto mas que estão cá para ficar e se reproduzir, ai isso estão! 
Santa Ignorância, livrai-nos destas situações e não nos deixeis cair na tentação de mandar tudo à merda e começar a distribuir chapada por esta gente!
PS: A questão fisica da 'gordice' não serve à primeira para diminuir seja quem fôr mas quando a estupidez abunda até os brincos ficam mal!
24
Jul20

OCD - Obsessive Compulsive Disorder

Rita Pirolita
Como hei-de arranjar uma forma descontraída de começar a escrever sobre uma adição, descontrolo, vício, comportamento desviante, tudo meu que só a mim prejudica e muitas vezes é aproveitado por preguiçosos e outros que se encostam à sombra da bananeira!
Eu sou a chamada OCD - Obsessive Compulsive Disorder, com a limpeza, organização e cheiros no meu espaço e corpo, com os outros não me preocupo, desde que não tenha que lhes tocar por isso consegui viajar para verdadeiros paraísos cheios de lixo, mau cheiro e gente que não tomava banho, por falta de água ou porcalhice mesmo. 
Respeito todos os costumes e culturas, mesmo os que gostam de viver na merda, desde que seja longe de mim ou eu esteja só de passagem e tenha agilidade para quando vier a vontade me empoleirar e cagar de alto sem tocar em nada...
Vou ao ponto de mesmo que passe umas meras horas a dormir num hotel, antes de usar a cama desvio os lençóis e sacudo tudo para ter a certeza que não durmo com cabelos e pintelhos alheios, alguns fluídos já devem estar entranhados no colchão, não vejo mas sei que estão lá e mesmo isso me mete nojo mas não tendo alternativa, tenho que dormir em qualquer lado mais fofo que o chão.
As colchas dos hotéis nunca são lavadas, por isso nem o cu mesmo com cuecas sentem lá. 
Para mim é preferível acampar sempre que o tempo e local permitem e dormir na MINHA tenda, aconchegada no MEU saco-cama!
O WC...ora este compartimento sofre o meu olhar de escrutínio e leva com toalhitas húmidas quase até ao tecto, nunca me encosto à cortina ou paredes da banheira, tomo sempre banho de chinelos, não vá apanhar pé de atleta ou qualquer outro tipo de nojenta micose humanóide, na sanita faço logo duas descargas de autoclismo, para não correr o risco de respingos estagnados e conspurcados, limpo-a quase até por dentro, não gosto da ideia da minha merda tocar superfície onde outras tantas tocaram, a minha será sempre especial mas nunca deixará de ser merda claro, apesar de mais preciosa e acarinhada por vir das minhas entranhas já que me preocupo tanto com uma alimentação equilibrada! 
Costumam dizer os gurus das práticas saudáveis, 'que somos o que ingerimos' e eu acrescentaria, o que cagamos é o que metemos cá para dentro! 
Teorias tão antigas como o cagar. 
Comecei a falar de limpeza e quase acabo a falar só de merda, não tenho arranjo para este meu desarranjo mental que me ocupa tanto que nem tempo tenho para aturar maluqueira alheia.
Ora bem, ia eu nos hotéis que não são casa minha, gostava eu muito que fossem, fosse eu a Paris Hilton a ver se não vivia até morrer num hotel meu, na penthouse claro!
Se sou assim com sítios temporários imaginem com sítios alugados ou de caracter mais permanente como uma casita, tudo tem que estar impecável mas detesto o acto em si de limpar, eu explico. Gosto de viver em espaços imaculados mas detesto limpar, por isso não há cá biblots em casa, para apanhar pó e teias de aranha já basto eu que vou para velha, tal como adoro andar lavadinha mas detesto o acto de tomar banho, é uma trabalheira além de que com uma pele seca que nem jacaré como a minha, tenho sempre que hidratar ou seja depois de sair do banho sujo-me outra vez a barrar o corpinho com um creme viscoso.  
Não gosto desta minha condição paranóica mas estão a perceber porque me amofina tanto a vida e depois ainda tenho o desplante de marrar com o moço para que seja tão picuinhas com os pormenores como eu. 
A minha tese é que ele não deve só deitar uma mão, numa de macho que até ajuda lá em casa deve sim partilhar irmamente tarefas, porque suja e usa tanto como eu o mesmo espaço e pode deitar a mão mas é a outras coisas. 
Cada vez se tem encostado mais a reboque da minha genica e pouco se mexe, nem em nome de contrariar o sedentarismo natural do processo de envelhecimento, qualquer dia bebe e come deitado, como um cão que tivemos! Embora muitas vezes me acuse e com razão, de gastar o chão e a roupa com tanta esfrega que lhes dou!
Mesmo assim não consigo deixar de lhe achar piada, mesmo quando fico brava e ele se cala perante o meu fortíssimo poder de argumentação, tão bom que comigo como advogada o Pedro Dias saia em liberdade e ainda lhe faziam uma estátua no átrio da Igreja!
Mesmo assim o moço que se deixe da lanzeira de ter corpo de rico e carteira de pobre e largue a nota para pagar a uma empregada, deixa assim de explorar a minha força de trabalho de forma escravizante! 
Bem também não é tanto assim, as máquinas de lavar e secar, essas sim é que são esmifradas cá em casa até ao último parafuso, além de que se tivesse empregada ia-lhe moer tanto a cabeça que não aguentava nem meia hora por este doce lar, porque achando-me eu tão perfeita nestas lidas da casa, nunca vou sequer considerar que alguém faça tão bem o trabalho como eu e depois confesso, não sei mandar de todo em pessoas ou animais mas sei fazer, ai isso sei e nunca me enrasco com nada. 
O que não sei, se for necessário aprendo e morro a tentar. 
Eu sei que sou uma chata do caraças e que é muito difícil preencher os meus requisitos de limpeza e nível de exigência mas também tento sempre viver em espaços com tamanho ajustado ao uso que lhes dou, no fundo uma pessoa não precisa de um ringue de patinagem quando nem patins tem mas mesmo assim tem que lhe limpar o cotão, porque para ter portas fechadas numa casa que parece assombrada, antes prefiro viver no anexo do jardim, é mais saudável e também porque não sou nada cagona e o segredo está em ter uma boa vida mas não ostentar para não ser alvo de invejas, maldade, percalços e medo de ser roubado, rodeado de alarmes, grades, portões até ao céu que nem consigo ver o mundo lá fora, arame farpado, cães ferozes... 
Enfim nem quero pensar quando for rica, se me vou preocupar tanto em defender aquilo que é meu ao ponto de nem gozar a vida?...Prefiro ter pouco guito e morrer consolada de papo cheio de felicidade!
Mas se alguém me quiser fazer milionária eu não digo que não e compro uma ilha só para mim!
Também já tive muita gente a pedir-me ajuda para limpezas e mudanças mas como sabia eu que eram uns tesos da merda e ia dar cabo das minhas ricas costas de graça, dei sempre desculpas esfarrapadas para que os estúpidos não tivessem dúvida nenhuma que eu não era pacóvia e que sabia os interesseiros que eles eram. 
Porque não usam a amizade que lhes sai da boca para outros convites? Oferecer uma massagem nem que seja na esteticista lá do bairro, fazer um jantarzinho vegan de vez em quando...cuidar dos filhos é que não me peçam, já disse por aqui que não sei mandar em putos nem me dou ao respeito, além de que quem os tem que os ature e carregue, que o meu corpinho é um templo!
20
Jul20

Nem a Bimby

Rita Pirolita
Os meus pais passaram uma vida inteira em violência fisica e verbal sem me ligar nenhuma, eu como sempre armada em responsável que fui obrigada a ser desde a infância, por estar por minha conta e risco desde muito cedo, tinha o péssimo hábito de dar uns berros para eles se calarem por um segundo que fosse, como não tinha para onde fugir, nem família por perto, nem havia CPCJ, nem psicólogos, nem APAV ou SuperNannys, um dia dentro do carro o meu pai que era marinheiro do Alfeite e tinha a mania que dava porrada em todos, não vai de modas, estava ao volante e puxa a culatra bem lá à frente e espeta-me uma arrochada no banco de trás que apaguei, desmaiei e não tugi nem mugi. 
Nunca me habituei, não gostei mas levei muitas mais por tudo e por nada e sempre de bico calado que mesmo que alguma vizinha soubesse, passava-me a mão pela cabeça e dizia que era passageiro e a vida era assim para todos!
A minha mãe já não está cá e com o meu pai pouco ou nada falo, quase todos podem continuar a defender em prol do necessário para uma boa educação, que uma palmada na hora certa nunca fez mal a ninguém e todos lhe sobrevivem mas muitas e dadas com muita força marcam para sempre e matam, não só a alma!
Não se assustem, porque lá por não ter tido educação nenhuma de jeito e já ter visto muita coisa nunca bati em ninguém, a não ser na escola primária, não gosto de pessoas em geral, não confio nem desconfio, se me chateiam muito afasto-me e se me chateiam ainda mais tenho vontade de as fazer desparecer com um estalido de dedos. 
Fujo de conflitos como o diabo da cruz, tenho a estratégia salvadora de não criar intimidade nem espaço para intromissões e nunca me pôr a jeito de ser importunada! 
A selecção de quem tem sucesso ou fica votado ao anonimato é feita pela sociedade, os rituais de passagem e selecção, as relações na escola, no trabalho ou entre família serão cada vez mais violentas através de bullying, assédio, violações físicas e de espaço, castigos, chantagens, trocas de favores.
Os critérios para eleger quem serve ou não, serão cada vez mais enganosos, menos altruístas e honestos, até mais desumanos e chegar ao topo vai ser cada vez mais difícil no meio de tanta gente normal.  
Interessa acima de tudo combater o tédio do anonimato da normalidade, para se ser anormal e destacar dos demais vale tudo, até a vida e quando o anormal passa a normalidade, tudo tem que mudar a um ritmo alucinante para se realçar, num crescendo de loucura. 
Vejam só os exemplos de bravura inconsciente a que os adolescentes se submetem, como rituais de passagem e aceitação cada vez mais espartilhados, inexplicáveis, impenetráveis e secretos como a obscura maçonaria, Baleia Azul, queimarem-se com água quente, fazer orgias sem preservativos com pelo menos um infiltrado portador de SIDA...
Em vez de passarem tempo de qualidade e comunicarem para serem gente livre e independente na devida altura, cada um está no seu canto a ver TV, agarrado ao telemóvel ou a comer pastilhas de detergente!
Os pais meteram na cabeça que os seus filhos são os especiais e eleitos, umas crianças índigo, umas sumidades hiperativas e autistas, uns esgrouviados geniais, uns espertos inteligentes. 
Em nome de aturar tudo aos meninos, deixam que lhes batam, faltem ao respeito, façam birras de meia-noite e até lhes deixem de falar quando bem lhes apetece. 
Aos filhos responsáveis não é pedido mais que o normal e não fazem mais que a sua obrigação de tirar boas classificações na escola e se passarem com alguma distinção ainda melhor, para eles claro, os mimados que se fazem de mulas, são compensados a cada período escolar e no final de ano se passarem apenas mesmo à rasca, com presentes e elogios de génio!... 
Aos espertos que têm todos os desequilíbrios do foro psicológico, tudo lhes é permitido, até meterem-se nas drogas, porque não lhes cabe tanta inteligência nos cornos  passam sempre por sumidades e os outros não são mais que pessoas responsavelmente normais e só se lixam porque como aguentam bem com a vida, ainda lhes põem mais carga em cima, sem ajuda e para lhes ocupar o tempo, para não perderem o foco de uma vida equilibrada, votada ao sustento das birras de outros! 
É o culto dos coitadinhos que cria inválidos sociais e atrasados mentais a cada minuto.
Desculpem pais extremosos mas muitos de vocês são uns parvalhões, muitos outros não merecem os filhos que têm e quase todos merecem tudo o que os filhos lhes fizerem desde insultarem, abusarem, extorquirem ou até nem ligarem nenhuma!
Os adultos são os piores ao exporem as crianças nas redes sociais, sabendo de todos os perigos associados.
Querem tirar cristo da cruz sem marcas de tortura? 
Quando se pergunta aos fedelhos de hoje em dia o que querem ser, não poucas vezes respondem o Ronaldo, a Shakira ou até Youtuber ou se não conseguirem ir tão longe, já ficam contentes de participar num reality show para serem vistos e conhecidos na rua, depois caem em depressão pós-parto da fama tão pequenina, confinada ao bairro e a meia dúzia de admiradores nacionais nas redes sociais. 
Os miúdos sempre nasceram com informação genética e são tudo menos inocentes, absorvem tudo e reproduzem com níveis de crueldade cada vez mais altos.
Querem dar a comer malvadez e hipocrisia para cagarem amor e bondade??? Nem a Bimby faz isso!
02
Abr20

História resolvida

Rita Pirolita

Ando cada vez mais farta de pessoas, apenas me apetece dar likes e fazer comentários fofos, em páginas de cãezinhos abandonados, mal tratados, bem tratados, de marca, rafeiros, pernetas, manetas, com cauda, sem ela, com tintins, sem ovários...TODOS!
Confesso que tenho muito mais pena dos animais mal tratados e abandonados que dos adultos ou mesmo crianças e velhos!
Passo a explicar: 
As crianças são maltratadas e abandonadas por pessoas que já foram crianças também, por isso os adultos têm obrigação de ter memória, serem responsáveis e assumirem como convém, a ideia e vontade de trazer uma criança ao mundo, em caso de dúvida não as conceber é sempre a melhor opção!
Quanto mais consciência se tiver dos actos mais se mede a força para os praticar e mais liberdade de escolha temos. 
O exercício não é difícil o problema é que a maioria das pessoas nem sequer o faz, nem perde um pouco de tempo a pensar no assunto e reproduz-se automaticamente, porque é o que vê fazer à sua volta e como somos mais animais de imitação que de imaginação...vamos na conversa e entramos no mesmo barco, assim quando formos ao fundo vamos mais quentinhos!
Os pais descuidados e mal-educados ou sem educação, provavelmente foram crianças vítimas desse desrespeito e vão criar filhos tanto ou mais irresponsáveis que eles, num ambiente de violência doméstica e humilhação ou excesso de mimo e pouca atenção.
Gente crescida, desentendam-se, descabelem-se ou matem-se...Agora, façam-no em privado, ninguém tem que levar com a vossa estupidez, principalmente as crianças que ainda não tiveram muito tempo para perceber bem o que andam cá a fazer ou que mal fizeram para levar com tal azedume tão dispensável em tenra idade!
Os filhos são usados para salvar casamentos, para roubar fortunas, para se prostituirem ou mendigarem e assim porem comida na mesa, para se viver à conta, para ajudarem a sustentar a casa ou pelo menos cobrirem o prejuízo...
E para serem gostados e criados em liberdade e consciência, não? Isso não interessa, além de que o mundo lá fora está tão perigoso e as novas tecnologias?...Uma autêntica ameaça à inocência e segurança das criancinhas? Tudo mete medo!
Não me digam que esta vida que temos caiu de Marte ou foi obra do Espirito Santo?...
Quanto aos velhos...os adultos que os abandonam nos hospitais, depositam em lares, desprezam, lhes dão porrada ou insultam e humilham...esperem até vocês próprios se começarem a borrar pelas pernas abaixo, indefesos, a ver o troco que os vossos filhos vos devolvem?...
A humanidade tem responsabilidade na sua reprodução e consequentemente na proliferação de maus hábitos ou bons costumes! 
Mas como a coisa nasceu torta tarde ou nunca se irá endireitar.
Quanto aos cães, são nossa responsabilidade, foram domesticados por nós, para estar ao nosso serviço e dispôr e acima de tudo não fazem um milésimo da merda que nós fazemos, para limpar a nossa porcaria era preciso um saco do tamanho do mundo, não merecem por isso maus tratos, desleixo ou abandono à reprodução incontrolável, pelo contrário, dão muito mais que aquilo que alguma vez possamos merecer, não somos nada dignos e não têm a mínima noção das consequências que os humanos os fazem sofrer, pelo seu natural e irracional instinto de se reproduzirem! 
Por isso no próximo Natal ou aniversário, em vez de fazerem filhos, cortarem pinheiros, ou reunirem-se à volta da lareira, para foder os que estão mais à mão de semear, como a família por exemplo, adoptem um patudo, se não for para o tratar bem, desejo que morram todos naqueles jantares enfarta burros com um enfarte fulminante, assim também não se reproduzem mais!  
Lavo daqui as minhas mãos, corpo e alma, história resolvida!  
16
Dez19

Emproamento

Rita Pirolita

Seja qual for a duração de uma viagem de avião, passo o tempo quase todo a dormir, por isso as únicas vezes que testemunho o trabalho dos elementos de bordo, é quando acordo para comer ou pedir mais água ou café para aumentar as idas ao WC, porque tenho uma estranha obsessão por inspirar aquele cheiro a merda misturado com suor e desinfectante, todo um mundo novo para o meu nariz sob o efeito da pressão no ar. 
Ora esta mesma pressão, tal como a nós nos faz inchar as pernas, estalar os ouvidos e em cima disso sofrer com as diferenças horárias, ainda mais fará sofrer os trabalhadores dos ares, que por obrigação se têm que habituar e adaptar a estas consequências incontornáveis. 
Será que este desconforto associado a qualquer profissão, umas mais que outras, porque trabalho não é lazer, afectará a disposição e educação destes empregados de mesa do ar? 
Esta questão surge sempre com o serviço prestado por tripulações da companhia aérea nacional.
Nunca me trataram abaixo de cão, se calhar porque não dou confiança para isso, mas estes colaboradores de bordo, lidam com os passageiros de uma forma pedante.
Não querendo eu atrapalhar o ritmo das tarefas ou ser responsável por alguma falha ou irritação, nem tento encetar diálogo no local de trabalho para saber as razões de tal comportamento, por isso bem ou mal, faço cá as minhas deduções. 

Será que estas meninas e meninos que vê-se perfeitamente, para aquilo que fazem, dedicam tempo demais a cuidar do cabelo e maquilhagem, têm a noção que nós sabemos que entram apenas por cunha como a maioria da função pública? Por isso a seleção nunca admite gente normal. 

Será que sabem que os trabalhadores de outras companhias parecem mais profissionais, fazem menos passagem de modelos e muitos deles trabalham até idade tardia? O que não implica em nada com a sua simpatia ou grau de saturação, que no nosso caso parece estar sempre perto do limite, o que se faz notar por um bufar constante de tédio e revirar de olhos, mediante um simples pedido de um qualquer elemento do povinho que pagou o bilhete e tem direito a ser servido. 

Não necessitam de ser submissas e rastejar pelo corredor, que a alcatifa é de muito má qualidade e pode dar cabo dos joelhos e das unhas de gel mas também não precisam de ter um ar tão pedante e convencido, de quem só não foi para modelo porque o mundo da moda, além de ser vazio demais para o vosso nível de cultura, também tem muitas drogas. 

Não precisam de andar envolvidos sexualmente com os pilotos, nem isso nunca fez parte da vossa praxe mas em lhe apanhando o gosto, prolongam o período de caloirice. 
Acho bem, um avião para andar lá em cima não precisa de vocês, mas para que tudo corra pelo melhor, ajuda muito se os pilotos andarem bem dispostos e satisfeitos.
 
Queridos assalariados do ar, eu sei que não precisam de ser simpáticos para fidelizar clientela porque um avião não tem a frequência de um restaurante, não se pode desandar e bater a porta, nem vive dos mesmos clientes todos os dias, por isso a vossa atitude leva a crer que se podem dar ao luxo de nos tratarem menos bem, porque pensam vocês, quase de certeza nunca mais se vão cruzar com as mesmas caras, não é bem assim. 

Apesar de tudo não vos invejo a sorte, vou para onde quero sem ser em trabalho, sempre em lazer e com prazer, não sofro com varizes nem tenho derrames ou pernas inchadas e muito menos sofro de cabrice, que é das coisas que mais detesto e tenho dificuldade em lidar, além de pessoas. 
Se acham que para ser copeira e servir às mesas mesmo que seja lá nos ares, precisam desta parafernália de emproamento? Vou ali à Micronésia e já volto.
23
Jun19

Peixe de apicultura

Rita Pirolita
 
 
Descobri por navegação aleatória nas redes sociais, que um amigo que já não vejo há mais de 15 anos se dedica à divulgação da aquicultura ou aquacultura e desde já aqui fica o esclarecimento do termo por parte de quem percebe da coisa:
Existem os dois termos, aquicultura e aquacultura, sendo este último um neologismo.
O vocábulo aquicultura vem registado na 10.ª edição do Grande Dicionário da Língua Portuguesa (1949-1958), de António de Morais Silva, designando o tratamento dos rios, lagos e esteiros, para a boa produção piscatória. No Dicionário Geral e Analógico da Língua Portuguesa (1948), de Artur Bivar, surge o significado de desenvolvimento, por processos apropriados, dos animais aquáticos úteis. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, que está em linha, referem-se como acepções deste termo: preparação de lagos, rios, etc., para a boa reprodução dos animais aquáticos; criação de animais aquícolas dirigida cientificamente; o mesmo que aquacultura. Por sua vez, o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa, refere estes dois significados: estudo e tratamento das águas doces como rios, lagos, para uma melhor aproveitamento económico de animais e plantas aquáticos com interesse para o homem; criação de animais, vegetais... aquícolas ou aquáticos dirigida cientificamente.
O vocábulo aquacultura ainda não aparece registado nos dois primeiros dicionários referidos. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista o termo como neologismo com as seguintes acepções: cultura em água; criação (de peixes, crustáceos, etc.) em viveiros aquáticos; o mesmo que aquicultura. O Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa, refere estes significados: criação de peixes em viveiros com fins comerciais; cultura em água doce.
Finalmente, o Dicionário Aurélio Século XXI remete aquacultura para aquicultura, com o significado de arte de criar e multiplicar animais e plantas aquáticas.
Em síntese, o segundo termo (aquacultura) também é correcto. Trata-se de um neologismo. Há dicionários que apresentam os dois termos como sinónimos. No entanto, poderá dizer-se que o termo aquicultura é mais abrangente e de cariz mais técnico e científico. 
Maria Regina Rocha 21 de Agosto de 2001
 
E agora vou eu falar da minha experiência com estes peixinhos que apenas sei, são alimentados com merda, muita mesmo. 
 
Todos sabemos que a sobre-populaçao do planeta tem arruinado tudo e mais alguma coisa. 

Desde agricultura intensiva, poluidora e destrutiva dos recursos naturais à criação de tal forma elevada de proteína animal, que leva a aberrações de métodos e resultados apenas com fins lucrativos.
 
Embora todos justifiquem a exploração da terra com base na irradicação da fome e pobreza com a criação de mais postos de trabalho e mais comida, o que não me parece totalmente verdade e passo a explicar porquê
 
As grandes multinacionais agarram em nichos de mercado que se vendem facilmente em nome do lucro fácil e apoderam-se de áreas até ai mais ou menos auto-suficientes e exploram ao máximo a força de trabalho e a terra por ordenados escravizantes, dedicam-se assim a produzir mais comida, que os pobres que a cultivaram não podem comprar e os que a podem comprar desperdiçam. 
Ou seja destroem a terra e aumentam a pobreza e fome dos explorados que não têm poder nem conhecimento para se revoltar. 
Aparecem depois os intermediários com a conversa da treta sobre agricultura sustentável, biológica e a preços justos para produtor e consumidor. 
Nós destruímos a sustentabilidade natural do planeta e agora queremos fazê-la renascer de um monte de lixo tão tóxico que está quase morto, só para parecer fino e ganhar uns trocos???
Agricultores, pescadores e outros 'cultores' continuam a ser explorados e estão no fundo desta cadeia de chupistas que lucram com toda esta exploração de bens e almas.
A população mundial continua a viver a ilusão civilizacional, andamos cá há milhares de anos mas não somos assim tão evoluídos.
 
Não seria melhor controlar o aumento da população  e regular de forma eficaz as infrações à pesca e culturas intensivas, refreando assim o consumo e diminuindo o desperdício, teríamos produtos mais saudáveis que provocariam menos doenças diminuindo o controlo e lucro pornográfico dos laboratórios. 

Não seria melhor acabar com as guerras e não ter refugiados e sofrimento, nem gente voluntária que não ajuda o vizinho do lado nem sabe o que fazer da vida mas depois larga tudo e vai ajudar os coitadinhos lá longe, restos de população que os 'ricos' cospem e fazem questão de aumentar.  
 
Para que tudo funcionasse melhor não poderíamos ter o grande defeito de sermos feios, porcos e maus e andarmos a chafurdar na nossa própria merda em vez de vivermos dela com proveito e inteligência.
 
Todos contribuimos para que o mundo acabasse neste estado, os 'pobres' anseiam ser 'ricos' pelos mesmos métodos escravizantes de que são vitimas e que tanto contestam.

A responsabilização desta salganhada vem em forma de castigo primitivo e selvagem - Não temos para onde fugir!
 
Resumindo e concluindo, o peixe de aquacultura sabe mal e deixa-me muito mal disposta por isso, obrigada amigalhaço que não vejo faz muitos anos, por me transformares em vegetariana.
Se te encontrar conto-te das boas, por andares a ganhar dinheiro à custa de arruinar fígados com metais pesados. 
Dedica-te ao peixe de apicultura e a cardumes de cães!
 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub