Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

06
Ago20

50 Sombras sei lá do quê!

Rita Pirolita
 
Acho piada a esta popularidade do mainstream doméstico ressabiado, feita de gente adulta que não leu o livro e muito menos viu o filme mas que (o)pinam sobre tudo, pondo no escaparate o mau gosto azeiteiro de comer e falar do que não sabem! 
Como o mistério da fama do Marco Paulo, ganhou tanto disco de ouro e platina e ninguém gostava do estilo ou muito menos comprava os discos?!...
Também vou só ali ver se consigo dar meia queca para não engravidar por inteiro! 
Além de achar graça à tradução LIVRE do título que fica mal de tão piroso, parece que vem ai chicotada em barda! 
Unam-se Capazes, desunhem-se para impedir a exibição do filme com mais violência doméstica dos últimos tempos mas que satisfez tanta dona-de-casa como nunca! 
Ou não desgostam ou disfarçam bem e adoram demais?!...
24
Jul20

Stand up

Rita Pirolita

 


Toda a minha gente hoje em dia faz stand up comedy. 
Uns têm mais piada que outros mas todos exploram descaradamente o lado cómico do país trágico em que vivemos, contribuindo e bem para nos esquecermos que sempre estivemos em crise e que exportamos mais pessoas com formação que pares de sapatos de alta qualidade…
Existem no entanto situações que não precisam de palco e apenas de uma boa gargalhada.  Aqui vão elas!...
O Dr. Cadeiras morreu de uma queda.
Se a morte dos grandes deve ser gloriosa este foi um homem menor que devia ter morrido antes de governar ou nem ter nascido. 
A permanente do Marco Paulo. 
Roberto Leal, o homem que cantava com os pés e deu o primeiro passo para o acordo ortográfico entre Portugal e Brasil. Não sei se deva agradecer?!
Passou a ser natural um preto de cabeleira loira e um branco de carapinha, estilo jogador da bola.
Amália cantou até morrer! Não havia necessidade. 
O prof. Zandinga ficou conhecido por não acertar previsão nenhuma, nem a sua morte precoce. 
Finalmenteo reconhecimento de doenças que são uma resposta da natureza a horas extraordinárias não remuneradas, lúpus e fibromialgia. 
Passamos a pagar vias sem custos para o utilizador. 
Acabo sempre de faca na mão para abrir pacotes de bolachas de água e sal, secção de criativos de aberturas fáceis de embalagens, percam um pouco de tempo com este assunto. 
Jovens que passam horas em frente ao espelho antes de saírem de casa para não terem nenhum estilo especifico. No desfile para eleger o mais mal vestido ganham ao pior mendigo lá da rua. Riscas, bolas, quadrados e cabelo de quem acabou de acordar não é bonito é poluição visual!!! 
O que está a dar é ser famosa, linda de morrer, ter patrocínios de roupa, spas, clínicas e andar sempre nas massagens. Eu como só sou gira, tive que tirar o curso.
22
Set19

Cinefilando

Rita Pirolita
 
 
Ora bem, já chega de fazerem filmes de merda nomeados para 50 mil Oscares. 
 
O último barrete que me enfiaram foi O Renascido, filmado no Canadá, cujas paisagens de bonito pouco têm, faz um frio de rachar, só quem cá vive é que sabe e tem como protagonista um Leonardo Dicaprio que mesmo ao fim de tanto tempo de ferimentos, mais ou menos três horas de filme, fome e maus tratos continua com uma cara rechonchuda e ainda dá porrada no outro, até que a morte os separe. 
 
Os outros barretes já não os enfiei, estou a referir-me às  50 Sombras de Grey, às 50 Sombras Mais Negras ou 50 Tons Mais Escuros, como preferirem, são dois títulos péssimos e ao La La Land.
Quanto às sombras do Grey não li os livros, nem vi os filmes, o facto de todas as mulheres andarem a ter orgasmos ao comentar as cenas mais escaldantes tirou-me a vontade de ver e pôs em causa a credibilidade de tanta fama e bom gosto. 
Para já não me identifico com as mulheres da minha idade (40's), idade das divorciadas com patareca aos saltos que foram as que correram em massa a ver este tipo de filme, depois houve tanta gente que viu a dizer bem e tanta gente que não viu a dizer mal, outros leram o livro e como lhes pareceu tão mau não foram ver o filme, outros ainda houve que leram os livros todos numa noite e foram ver o filme e ficaram desiludidos por comparação à leitura.
Quanto às 'Sombras mais Escuras', não merece a pena, não se deve ver quase nada porque deve ter sido filmado com muito menos iluminação que o anterior.
 
Enfim, parece-me que se passa o mesmo com os que ouvem música pimba, não assumem que gostam, mas lá em casa têm os discos todos do Marco Paulo e Dino Meira e contribuíram assim para tanto disco de ouro e platina que forram as paredes dos verdadeiros artistas.
Eu ainda sou pior, não vou falar mal do que não vi mas também não tenho vontade de ir ver e gostar...ou não.
 
Os filmes que me marcaram já têm 20 ou mais anos, Blade Runner, Rumble Fish, Laranja Mecânica, Pulp Fiction e Um Peixe Chamado Vanda, são alguns bons exemplos, com excepção da série Breaking Bad que tem menos de 20 anos mas que me encheu tanto as medidas que já vi as temporadas todas, 6 vezes, eu sei, é demais. 
 
Comparando com toda a porcaria que desde aí para a frente se fez, fico sem vontade de ver seja o que for e já não acredito em surpresas criativas. 
Os filmes assemelham-se a histórias de encantar para adultos imaturos que não cresceram ou cujos 20 anos são a nova adolescência e os 30 a nova idade adulta. 
 
O La La Land, pelo que ouvi, é uma história de amor desencontrado em jeito de musical. 
Primeiro não acho piada nenhuma a musicais e consequentemente a um género mais rasca tipicamente português, a revista, acho mesmo um parente muito pobre do teatro ao ponto de o rebaixar a rábulas de riso fácil com cantadeiras de Moulin Rouge, por outro lado não gosto de histórias de amor sem densidade, embaladas na dança e contadoria.
 
Mas uma mentira dita muitas vezes passa a verdade, tal como as obras de arte que não o são passarão a ser obras de valor incalculável porque um bando de borra-botas se eleva a uma elite de emproados que incrementam a importância da obra de arte a ponto de a tornar indissociável e indispensável na vida do dia-a-dia. 
Eu sou artista, melhor, pinto uns quadros e tenho jeito para o desenho e nunca vendi a minha arte como essencial à sobrevivência de alguém ou que ponha comida na mesa e mate a fome aos filhos. 

Desde sempre, agora ainda mais, ouço os actores queixarem-se que estão desempregados, são eles e uns milhares de portugueses; que sobrevivem com dificuldade, são eles e mais uns quantos pensionistas que recebem uma miséria ao fim de cada mês.
Também se fartam de berrar aos sete ventos que é essencial levar público ao teatro e que a cultura é indispensável para  despertar a critica e a consciência social nas massas. 

Tanta baboseira senhores artistas, um gajo de barriga vazia pode olhar para um quadro mas não o aprecia como deve ser, nem se aguenta num espetáculo, nem muito menos gasta dez euros num bilhete que dá para uma refeição mas se outros comem barato e mal para andarem a mostrar o carro que têm, isso já é escolha do próprio cagão.
 
Por último, ouço sempre dizer que o país é pequeno para tamanhos talentos, isso já todos sabemos que somos um cu de mundo mas também existem sítios mais encafuados no meio de outras pátrias, olha o Vaticano ou o Liechtenstein.
 
Não existem países tão pequenos que não suportem grandes talentos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub