Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

09
Ago20

Já sou canadiana também...e depois?

Rita Pirolita
A cidadania neste país dos ursos, neve e desolação, que o Deus dos esquimós conserve tudo isto no devido sítio de origem, para que não se espalhe, custou-me cinco miseráveis anos da minha vida, de frio ou muito calor, que eu vivo para o interior das pradarias da agricultura, com explorações imensas, acres de canola a perder de vista e campos de um dos maiores desastres ambientais, a exploração de petróleo, as famosas oil sands de que ninguém fala, por ser um país próspero e de primeiríssimo mundo para onde todos pensam que querem vir...até um dia baterem cá com os costados! 
Eu sei que tenho que ter em consideração que a maior parte da emigração é forçada na origem e não desejada no destino, pessoas que abandonam autênticos paraísos de beleza mas que são infernos de fome e pobreza. 
Eu sou uma privilegiada vim de um país lindíssimo, para mim o mais lindo do mundo e para os lados dos Açores não poupo elogios, ainda relativamente seguro, quase nunca assolado por catástrofes naturais de monta, aliás, os únicos que provocam a maior desgraça e morte lenta do meu povo são mesmo os ladrões dos políticos e dos banqueiros!
Não deixo no entanto de me pôr na pele de muita gente menos bafejada pela sorte. 
A minha cerimónia de entrega da cidadania foi feita numa sala com mais 84 pessoas de quase todos os cantos do mundo, todos mais escurinhos, aliás, na sala haviam mais 2 brancos além de nós, uns de turbante que não são obrigados a tirar por alegarem razões religiosas, imensos miúdos, muita desta gente vem de famílias tradicionais e conservadoras e ter filhos no Canadá dá para ficar em casa um ano com um bom rendimento. 
Os próprios que conduziram a cerimónia eram emigrantes...
O Canadá teve originalmente Índios, os canadianos são todos emigrantes mas alguns consideram-se mais canadianos que outros, vá-se lá saber porquê, se é pelo tempo que já levam aqui ou pelas gerações?...Por esse prisma os Índios deviam ser mais respeitados!
A senhora que fez o discurso, que fomos avisados previamente para ouvir com atenção e nos levantarmos à sua chegada, deu-nos uma lição de moral, sobre a aceitação deste grande país que acolhe gente de todo o mundo, blá, blá, blá...muitas vezes altamente qualificada, para fazer o trabalho que os que já emigraram há mais tempo não querem fazer. 
Só esta última parte é que a senhora se esqueceu propositadamente de dizer! 
No final a palradora palestrante, indignou-se com a falta geral de jubileu na sala na obtenção de tal mérito, advertindo que tínhamos que festejar e agradecer muito esta etapa.
Agradecer a quem? Apesar de estarmos em época natalícia, ninguém nos deu nada de graça! 
Muitas pessoas que lá estavam tinham feito duas ou mais horas de caminho, porque vinham de fora da cidade para obter um papel A4 que fará deles cidadãos de plenos direitos e deveres, que dará acesso a assistência ou tratamento médico quase gratuito, que dá direito a votar mas também a ir preso se puserem a pata na poça.  
Via-se que era gente de trabalho, muitos deles engenheiros ou professores que andam a recolher lixo ou a fazer limpezas.
Pela cor da pele habituados a climas mais quentes, vê-se que passam muito mal com o frio extremo por estes lados do mundo. 
Gente que passou cinco anos de sofrimento para obter este papel e pensar que muitos entram directo com estatuto de refugiado, difícil de provar, aproveitando-se assim de regalias sociais. 
Eu sei que o mundo é injusto para os justos mas eu também não fiz mal a ninguém para estar no meio disto.  
25
Jul20

Golpe mortal da viúva negra

Rita Pirolita
Leiam com a atenção que merece, mais abaixo já comento! 
Juro que não vou começar a fazer leituras de aura, cartas de Tarot, bolas de cristal, búzios, borras de café, xixi ou cocó!...
 
Lua cheia em Virgem em 2-3.
A consciência mais profunda não está condicionada pela experiência do mundo. Mercúrio, regente de Virgem diz que escolhas bem as tuas batalhas. Faz-te amigo do desconforto e aceita o processo. Nao julgues o mensageiro, atenta na mensagem. Conserva a tua energia. Escuta-te. Muitos falam de amor pouco o vivenciam. Stellium em Peixes ♓︎, Daemon! Mas primeiro o que não é amor. Não é romance, fixação, apego. Um condicionamento primitivo da natureza humana. Permite-te receber. Parece fácil. Sim!?
 
Como te sentes? Um grande trigono de terra: Lua em Virgem, Saturno em Capricórnio e Pallas Athena em Touro; pelo corpo se trata mente e espírito. O poder está no agora. O tempo é radial. Fica aí. Sê pratico. Recorda o teu poder. Curar as memórias do planeta. O Amor emana do conhecimento. Florescer. Não vive nas palavras, mas conduz-te, não depende do outro, porém expande-se ao outro, pois esse é o estado energético de compreensão plena. Não habita na núvem mística. Mas na expansão do Universo, onde a Natureza vive, predatória, misteriosa e insondável. Ao curarmos memórias, curamos a Terra e todos os nossos ancestrais. Não se pode entender, mas pode-se sentir. ♏︎🔺♓︎. Sonhar é o acto de mudar o ponto de ligação com o mar escuro da consciência. É a entrada para outros mundos da percepção. Vénus, Estrela da noite. Amor, alegria, beleza e prazer. Pela acção, a vontade. O Infinito escolhe. Sente esse magnetismo. No cosmos, o silêncio. Sigo por caminhos inexplicáveis, que não podem ser entendidos, apenas praticados. “Não nos damos conta de que podemos cortar qualquer coisa de nossas vidas, a qualquer momento, num piscar de olhos.” O máximo é ter o céu como livro aberto a ser lido. O mínimo é ler uma página por dia. 
Magia é saber fluir
Intuição e sensualidade
Guiados por um amor maior
Unos com os desígnios do Infinito 
Encantamento, aqui, agora, sempre
Lembro, vida é continuidade. 
Todos somos aprendizes. No caminho para verdadeiros magos.
Recorda...Deixa a tua luz brilhar 
 
Lua nova em Aquário em 15-2.
Novos começos envolverão uma entrega clara, surpreendente. Fazemos parte de um sistema maior. Júpiter quadra o eclipse. Obtém todos os factos, provas e não concordes com o que não te for confortável. Urano sextil Sol-Lua. Ser desapegado significa não colocar a vida, a felicidade, na dependência de outra pessoa. Se amas o outro mais do que a ti mesmo, estás a um passo da infelicidade. Há tantas dimensões. Realidades paralelas. Para fluir com o Espírito, é preciso ser um canal e estar vazio. A chave é sentir. E a partir daí tudo se organiza. Com Urano e Aquário envolvidos tudo se torna imprevisível. É no DNA de Aquário, que a possibilidade reside.

No que pensas, assim te tornas.
A 17-2, Sol e Mercúrio farão uma conjunção superior. Uma culminação, resposta, decisão ou declaração. Um momento de clareza. Tudo o que precisas saber estará à tua frente.
Vénus vespertina em Peixes. A pessoa vibra naquilo que precisa expandir. Daí a necessidade de nos conectarmos com outras pessoas. A nossa identidade torna-se uma identidade compartilhada. O nosso eu superior não é um só indivíduo. Eclipse solar. Que importa onde vou, se não sei de onde venho?
"Existem dois tipos de riscos: Aqueles que não podemos nos dar ao luxo de correr e aqueles que não podemos nos dar ao luxo de não correr."
Trata-se da necessidade mais profunda da alma. Não procuro respostas. Procuro experiências porque, quando vivemos a experiência, vivemos a resposta, numa evolucão crescente. 
No símbolo Chandra para 28º♒︎:
Um tear. Uma tapeçaria inacabada. O processo cármico restringe o eu, e determina o que deve acontecer. Um trabalho sobre ti, muito forte, que exige autodisciplina está em andamento há muito tempo. Deve ser retomado, levado adiante, não importa o que custe. Há deveres a cumprir, faz o que tens a fazer. Se não tem coração, o trabalho torna-se mecânico. O dilema em cruzamentos recorrentes: ficar com o que foi criado ou introduzir inovações. Quaisquer inovações são também desafios. Mas sem eles, não há evolução. Estamos a ser impulsionados para um destino maior, para honrar todos os acordos kármicos, aprimorá-los, trazendo à prática uma disposição atenta. Para surpreendermo-nos, encontrar coisas desconhecidas. Tudo está começando agora, com paixão real.
Atenção, tudo é perigoso, tudo é divino e maravilhoso...
🌙♒️
 
Lua cheia em Leão em 31-1.
Eclipse total da Lua. Nodo Norte conjunto à Lua. Aquilo que me seduz é também o mais me pode desiludir. Quando? Sempre que activamos a projecção da crença da perfeição, de não nos bastarmos por nós mesmos, de o outro ser o complemento. Espelhos da Matrix. Lua oposta a Vénus! Como? Não tomes nada pessoalmente. Hora de crescer. Vence o medo. Do outro. Da rejeição, de te mostrares como és, de seres aceite, de conhecerem as tuas fraquezas, de te magoares, de não seres bom. Padrões e mais padrões. Urano descondiciona. Um raio de luz! O medo do apego, da intimidade, e sobertudo o medo de ser feliz! Recalibra. Eleva a frequência. Uma sensação de vitalidade, clareza, gratidão e atenção plena, frescura, desponta com essa alteração da configuração energética. As fibras luminosas ficam mais fortes, brilhantes. 
E as coisas resplandecem quando estão onde devem estar!
Mantém-te constante. 
Leão rege o coração. Marte ♐︎ mútua recepção com Júpiter ♏︎. Curar em amor. As coisas têm o SIGNIFICADO que lhes atribues. Abundância é um processo de deixar ir; só o que está vazio pode receber. A essência do amor sagrado. O colectivo ressoa os ecos de todos nós. O segredo é aproximar o coração de um outro para conversarem no silêncio... que dá descanso à palavra.
Onde tudo é dito.
Feliz Lua Azul!🐬💎

São estes textos, exemplo de muitos transcritos ou mesmo copiados por alguém que deixei de ver há uns anos atrás porque emigrei, descobrindo a sua renovada existência nas redes sociais. 
Karma ou coincidência infeliz? 
Dúvido muito da original autoria destes autênticos 'relatórios', pois sendo a pessoa portuguesa e até na posse de canudo, nem se deu ao trabalho de corrigir expressões que não soam familiares e algumas são mesmo características de um português-brasileiro, ou fruto de uma tradução mal feita de outra qualquer língua! 
A não ser que seja uma linguagem só para eleitos iluminados, tão especial e avançada que o comum dos mortais, burros ou pouco eruditos como eu, não consiguem entender!?
À parte este pormenor na escrita, a pessoa em questão, do sexo feminino, mais ou menos da minha idade, andou comigo na escola e saímos algumas vezes juntas, conviveu comigo o suficiente  para que me desse conta de uma alma chata e chateada com a vida, que forçava relacionamentos numa base muito calculista e programada, na procura de estatuto social e riqueza material, muita, tinha que ser tanta que se visse e até transpirasse. 
Apenas me procurava quando tinha que resolver desavenças com namorados que queriam acabar com a relação que ela queria manter, um pelo menos sei que desapareceu sem deixar rasto ou hipótese nenhuma de o perseguirem, tanto que mudou de número de telemóvel, estava ela numa cama de hospital com tuberculose por causa das dietas malucas que andava a fazer. 
Chorava que nem Madalena desgraçada à procura de consolo ou quando estava só e entediada entre relações, passava a vida no centro comercial a fazer poucas compras mas a apalpar muito tecido, debaixo de uma forretice atroz, com uma pobretanas como eu a reboque a fazer de dama de companhia. 
Seria uma pessoa pelo que me apercebi de que todos se queriam livrar, quando em vez de se divertir a conhecer e descobrir gente nova e gira, queria comprometimento sério de casamento marcado mas nunca sem descorar a parte material, ela que era filha como eu, de simples operários fabris da Margem Sul, quase sempre comunistas e que viviam em bairros muito modestos, degradados ou mesmo pobres!
Não condeno ninguém que seja possidónio, beto, pato-bravo, novo rico, burguês...ao ponto de querer subir e pertencer à aristocracia, mesmo que não tenha apelido de família, muito menos lhe corra sangue azul nas veias ou tenha corpinho de ócio.
Ter uma profissão é uma humilhação para quem é realmente privilegiado, filho de gente que não se lembra de geração nenhuma ter trabalhado para sobreviver!
Conseguir tirar um curso para quem ainda não está no topo da hierarquia de classes é uma grande conquista para o próprio mas alvo de gozo por quem vive de heranças!
Voltando à personagem em foco!
Fazer-se valer de textos confusos armada em astróloga de livros de bolso ou revista Maria, não abona em nada uma alma perdida e fria que esconde um pensamento lógico maquinal, próprio de formação cientifica mas que se quer mostrar eclética, esotérica, bondosa e a espalhar 'paz catra paz' pelo mundo...
Não me parece nada natural e sim algo muuuuuuuito forçado ou mudança radical resultante de desgosto amoroso tão grande que mais parece assistente da Alexandra Solnado ou que escreve em parceria com o Gustavo Santos, maravilhosos livros de auto-desajuda, cheios de lugares comuns e frases plagiadas, 300 páginas a cagar em circulo mas em mil posições diferentes!...
Pretendem dizer este mundo e o outro mas nada dizem para não correr o risco de se contradizerem, darem um nó na língua, meterem os pés pelas mãos...
Tão empenhados que estão em disfarçar a tremenda aldrabice, torná-la numa verdade única, universal, incontornável e incontestável, ao ponto de já nem saberem o que pensam sobre o que escrevem ou o que escrevem sobre o que pensam!
Eu até sou capaz de acreditar que as pessoas queiram mudar, estão no direito e liberdade de o fazer mas que lhes baste apenas mostrar que parece que mudaram ou que são completamente diferentes daquilo que outros verdadeiramente conhecem mas nas redes sociais podem encobrir e disfarçar com facilidade, já vejo isso como congeminação maquiavélica, válida no entanto e perfeitamente justificada pelo menos para quem a constrói mas que parece teia elaborada demais, só para atrair elogios e no fim dar o golpe mortal da viúva negra!
Digam lá se não faço a minha sorte em não conservar amigos que nunca considerei ou não manter contacto com conhecidos que mais valia não ter conhecido ou algum dia voltar a encontrar?...
24
Jul20

Conhecimento

Rita Pirolita
Muitos comentam para agradar, por estarem tão acomodados à ausência de opinião desfazem-se em elogios, aval e améns por preguiça de pensar, contrapor, criticar ou acrescentar, tantos outros destilam ódio sem conhecimento, tudo é engolido pelos impávidos que nada comem e tudo vomitam com fel. 
Deixo um apelo, se não têm conhecimento de causa ou mesmo conhecimento de todo, falem pouco, não se envergonhem e tentem informar-se, ninguém sabe tudo ou tem que saber, se sabem muito partilhem com o resto do mundo, quantas vezes já não aprendi com pessoas que relatam com veracidade e sem apologias ou fanatismos políticos o que se passa na Catalunha, no Brasil, na Síria, na China, em África ou mesmo na Venezuela, eu que não estou lá, agradeço que gritem pela liberdade, quero saber o que se passa com esta gente lá longe, sem entrar em demagogias e comentários atirados ao acaso! 
Não quero jornalistas comprados ou tendenciosos a enfiarem-me fake news pelo papo abaixo, como papagaios, vitimas de donos tortuosos! 
O conhecimento engrandece a pequenez com que nascemos. Não querem todos ser altos quando crescerem?... 
21
Jul20

Hipocrisia e compaixão

Rita Pirolita

Se não fizemos nada para que os incêndios de origem natural ou criminosa deixassem de ser uma tragédia e não uma mudança na paisagem que conseguimos controlar porque se passa cá em baixo e ainda lhe podemos deitar a mão, então agora é só fazer o contrário ou outra coisa ligeiramente diferente para melhorar a situação.
Se continuamos a responder a acções de solidariedade com tal superação de expectativas que chovem elogios ao povo português, conseguiremos manter isso todos os dias e não só pontualmente para nos sentirmos bem com  a ilusão que somos boas pessoas e de uma forma egoísta confirmarmos que não nos aconteceu a nós, que estamos melhor porque estamos vivos e os nossos amigos e familiares também.
A cada ano as famílias atingidas irão continuar sem casa ou se as voltarem a pôr de pé, desenrascam-se sozinhos ou com ajuda de bondade alheia, porque o Estado está sempre à espera de ajuda comunitária e a que chega na altura das tragédias já alguém meteu ao bolso. 
O que se passou na Madeira com as chuvas e os incêndios é um bom exemplo do mau exemplo! 
Se as consequências desastrosas não resultassem do abandono das gentes e ganância de poucos, que nestas alturas aparecem sempre com discursos de fazer sociedades e recorrer a fundos europeus para avançar com as criativas medidas para sanar o problema, com menos palavras e mais vontade tudo estaria num melhor caminho. 
A fala dos jornalistas e as imagens dos repórteres são cada vez mais movidas por guerras de audiências das televisões com tragédias e quantidades inaceitáveis de mortos, choca e muito. 
Parece que quem dá as notícias é obrigado a esquecer sensibilidade e bom senso, ao lado de cadáveres ou a proferir palavras como 'giro' ou 'pormenor engraçado'. 
Somos capazes de ajudar e dizer 'que horror' perante tal tragédia, mais ainda porque foi com os nossos e aqui perto? Somos pontualmente capazes de dar a roupa do corpo,  oferecer água, comida e casa. 
Se todos fazem o que podem e muito mais, porque não melhoram as coisas? 
Porque uns deixam arrastar e adensar os problemas e muitos outros, que serão sempre poucos, combatem tamanha desgraça resultante de tamanha ignorância?  
Porque somos hipocrisia e compaixão num equilíbrio precário de quem renasce sempre dolorosamente das cinzas!  
20
Jul20

Não sou de recados

Rita Pirolita
Não sou de mandar recados, seria uma trabalheira falar em casos particulares e um dos confortáveis usos da escrita também é este, uma só pessoa dizer a muitas o que pensa e cada um daí tirar o que lhe aprouver e deitar fora o que não gostar ou magoar.  
Sou rude e directa mas aceito que para os mais sensíveis ou mesmo susceptíveis poderei parecer agressiva e zangada.
Sou sarcástica, ácida e treino a lucidez todos os dias e acreditem que mesmo escrevendo sobre coisas sérias, estou com um sorriso nas fuças, imaginem-me assim em frente ao écran do computador e estarão a ver a realidade mas reconheço que devo dizer muita coisa que muitos não querem ouvir ou fogem de pensar e por isso ainda me chamam de arrogante. 
Não sou de andar a caçar elogios, digo o que penso e por isso alguns chamam-me de vaidosa de tão segura! Inveja? Talvez mas não é minha, é de mim, não me detém nem arrepia, quem a tem que lide com ela, que a guarde nas catacumbas da alma sem luz a ver se definha. 
Só peço que poucos ignorantes me cruzem caminho e por ignorantes neste preciso caso, considero aqueles que se apoderam das certezas incertas da vida, os que estão seguros que os amigos são para toda a vida, os filhos também e a família, fazem planos para viver a reforma sem antes ir gozando o dia-a-dia, dizem não querer agradar a ninguém mas depois mexem-se apenas por competição, para provar aos outros o que valem e para manter amigos de companhia, já deviam saber que a competição mata a originalidade e assente nas premissas erradas, puxa pelo pior de nós, exigem satisfações, dão constantes palpites sobre vida alheia e assim vivem a vida dos outros tão ou mais vazia que a sua, cobiçam felicidade, viagens e ausência de rugas, estão sempre mal por estarem sós ou mal acompanhados, não suportam o ruído da sua própria alma, se aprendessem a amar a sincera solidão, ouviriam ecos de melodia.   
Não sou eu que vos digo todas estas coisas, é a vida que o diz através de mim, por isso qualquer nome que me queiram chamar, chamem primeiro à porca madrasta finita que nos vai moldando, fazendo sonhar e tropeçar na realidade e a cuja morte leva sempre a melhor e não se esqueçam de supor menos e rir mais enquanto é tempo.
Não se deitem a adivinhar, atirem-se de cabeça!
17
Jul20

Povo do caraças

Rita Pirolita
Os portugueses são um povo do caraças! 

Estão sempre prontos a amar, abrir os braços e sentar mais um à mesa, oferecer mais um copo e uma fatia de presunto, dar a cama, dormir no chão e amaldiçoar secretamente o hóspede com sarna que o mate em 2 dias...

O Sr. Presidente vetou a lei de financiamento dos partidos, para voltar para trás, sofrer umas alterações indeléveis e ser passada com 2/3 da Assembleia mas desta vez sem ser à socapa.

Todos vão ficar bem na fotografia, porque vai ser aprovada descaradamente às claras. 

Não é isso que os portugueses andam sempre a reclamar? Clareza e transparência na governação? Ai a têm e agora não venham dizer que também queriam que os partidos e governantes fossem honestos e não roubassem tanto?

Mais que nunca estão a fazer pior sem vergonha ou medo de julgamento.

Quando um povo não sabe o que quer, acolhe o pior do que não sabe.

Iremos ser os maridos enganados ou as mulheres surradas, que se encolhem e até derretem em elogios, ao golpista que lhes destruiu a dignidade mas onde sempre irão comer à mão e morder quem os avisar!
17
Dez19

Variantes

Rita Pirolita

 

 
Cá vou eu falar outra vez de aparências, como gaja que sou!
Como já dei a entender noutras escritas, não sou nenhuma bomba mas também não sou nenhum aborto de pessoa.
Tenho altura para ser modelo mas não paciência e não gosto de drogas, detesto exercício fisico com sofrimento e por obrigação, adoro mexer-me e só estou parada quando estou a dormir e mesmo assim é complicado. 
Não faço dietas, como com ameno prazer o melhor que posso, detesto que liquidifiquem tudo em batidos, gosto de ver e sentir os alimentos, sou incapaz de beber sumo de limão, só limonada com algum açúcar. Sei o que são vegetais e fruta e dispenso produtos animais, em primeiro lugar porque não gosto e em segundo porque até dá jeito não os sacrificar e explorar. 
Na comida no sexo e na amizade, não há fretes nem risos amarelos, por isso se me comparar às vedetas que se mostram ao mundo através das redes sociais, chego à conclusão que muito bem estou eu sem sacrifícios, não tenho as mamas descaídas como algumas com pouco mais de metade da minha idade, que fazem plásticas, têm PT, devoram limões e batidos, não sabem o que é comida a sério há muito tempo, não fazem mais nada senão, tirar adiposidade, ir às massagens, fazer branqueamentos dentários, viagens e dietas loucas para atrair a atenção e elogio de outros tantos como elas e no entanto parece que andam presas por fios. 
Para completar o ramalhete, têm que arranjar quem tenha paciência para as aturar e dinheiro para sustentar.
Enganam e alimentam a insegurança com elogios alheios, abusando de imagens que mostram muita carne e pouco pano.
O que posso dizer destas alminhas em etérea e eterna deambulação???
Nada, porque o Gustavo Santos é que é bom em máximas absolutas. 
Apenas deixo uma questão. 
Quantas variantes existem de prostituição?
A foto que ilustra este texto foi escolhida com base nas mamocas descaídas, de resto não conheço a rapariga de lado nenhum mas tem cara de boa moça! 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub