Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

14
Jul20

Mimo

Rita Pirolita
Não sabemos o que queremos de tão mimados que somos!

Com desperdício e abundância de comida passamos fome com dietas loucas, castramos gordura abdominal e colocamos no rabo e mamas, parecemos participantes de um freak show, exibimos piercings, lábios inchados, lentes de contacto, cabelos pintados desde tons clorofila a lichia, pomos e tiramos implantes, apagamos ou disfarçamos tatuagens, defeitos, ficamos pior que o natural, inventamos looks, teatralizamos personagens, imaginamos reinos, temos clubes e partidos, ansiedade e sonho, preenchemos incapacidades e desvios com pornografia e vergonha castrante, dormimos pouco e mal, mantemo-nos ocupados sem reivindicar lugar ao lazer, contemplação ou simples tédio, preenchemos tempo com o vazio, atulhamos o dia de distrações para não pensar na desgraça de gente em que nos tornamos, para esconder a vergonha de não ser o melhor, o mais rico ou o mais belo e bem sucedido. Trocamos paixões por aventura, escravidão por dinheiro, amor por riqueza, integridade por alienação, originalidade por competição 

Somos um bando de mimados que não sabe o que quer, evitamos compreender a vida para fugir da realidade da morte, fazemos guerras para mexer com a paz, matamos para remexer a vida, mentimos para não tocar na verdade, comemos para ficar doentes, amamos para fintar o perecer com algum glamour.

Mais não podemos invejar de mundos que não conhecemos mas que queremos só nossos, por egoísmo de filhos únicos do universo!
30
Jan20

País de pobres

Rita Pirolita
Filhos de pobres que habitam um país pobre!

Somos assim, vindos de gerações pobres que trabalhavam a terra e pagavam ao médico da aldeia filho de famílias ricas com porcos ou galinhas.
Tinha-se uma ligação aos filhos que não morriam ao nascer, de lucro e não de despesa, dois braços por cada boca.

Passamos a filhos que não trabalham mas comem à custa dos pais, fruto da ânsia de classes baixas, que se esfolaram para ascender, que se envergonham da dureza e pobreza da terra humilde, fazendo do curso de universidade dos filhos o baluarte da sua conquista mas esqueceram-se que doutores e engenheiros encabeçam uma empresa ou indústria mas não a movem sozinha, os patrões serão sempre em menor número. 

Estes pais, no seu egoísmo de novo rico, esqueceram-se que as elites continuam a dominar as profissões nobres e rentáveis, onde pouco se faz e muito se ganha na gestão do império, que os patos bravos tentaram atingir a muito custo, numa desesperada afirmação pela qualidade e acesso às mesmas oportunidades, quando apenas queriam parecer mais nobres e ricos.

A resposta à humilhação de ser pobre é usar a cunha, a corrupção e pontapear outros para que não impeçam o caminho da subida. 

Mas será sempre uma questão de riqueza? 
Os pobres não podiam pagar escola aos filhos, agora que podem dar cursos superiores, os filhos não têm emprego, apenas as elites se continuam a mover à vontade e a explorar, não só os mais pobres mas ainda por cima e mais humilhante, os pobres com cursos, o ensino superior não lhes permitiu mesmo assim, usar as ferramentas para combater a desigualdade sempre assente no poder. 

A ascensão social faz-se por casamento ou profissões pornograficamente bem pagas, como jogadores da bola, idolatrados por darem pontapés na bola ou por influentes cargos políticos, sempre nos meandros da corrupção mas nunca condenados.

Só nos países pobres se deixam passar os grandes desfalques e se rouba uma maçã, ou foge aos impostos, pensando que grão a grão enche a galinha o papo!

Era tão bom que a riqueza não se bastasse a ela própria e não fosse tão adorada e cobiçada! 
Mas a riqueza sabe que cala e compra o conhecimento e este será sempre escravizado em nome da hipocrisia!
21
Set19

Mãe, achas que era muito pedir uma bicicleta?

Rita Pirolita

 

 
Filhos...não tenho!
Certo dia disseram-me - 'não fiques à espera de sentir o chamamento da maternidade, isso só vem no momento em que engravidares!'.
Porra, e vou engravidar primeiro para tirar as dúvidas depois, nãããããã!!!

Com o azar que tenho ainda me sai um filho autista, de qualquer maneira fico com um mono que só sai de casa aos 30 ou 40 anos, consome dinheiro até à minha reforma ou até eu morrer, reproduz-se e dá-me netos para cuidar, sustentar e sugarem mais, sem puder ir de férias a lado nenhum. 
Desde cedo já estava a passarinhar fora da gaiola e se tivesse sido antes também me desenrascava.

Só engravidaria na vida se puséssemos ovos que dessem para pôr no frigorífico a "frizar", para podermos ir de férias sem parecer um carro de combate estacionado na esplanada. 
Quando os petizes nascessem não mamavam porque quem nasce de ovos não chupa leite. 
No máximo ao fim de um ano saíam da gaiola e encontrávamo-nos de vez em quando para beber um copo.

Isto de ter filhos e olhar para eles a crescer...não vejo onde está a piada, olhem os bebés pretos e chineses, são uma gracinha mas quando crescem, ai kamedo!... 
Para obter os melhores resultados na lavagem da sua roupa misture raças! 
Já agora, expliquem aos primos directos que só os cães e outros animais podem cometer essas infâmias sem maus resultados. 

Mais, tem-se filhos para continuar o sangue da família... Algumas famílias são tão más que mais valia acabarem logo ali, além de que andamos a criar seres que aumentam a pobreza e as estatísticas de doenças como a diabetes e a obesidade. 

Pensem comigo, querem continuar a família? 
Ninguém está preocupado em preservar a espécie, não estamos em extinção, só podíamos ter vindo de um par de células que se reproduziram por isso somos todos família, filhos da mesma origem, então para quê fazer mais filhos?... Não vamos desaparecer, pelo contrário, destruímos tudo como as pragas. Já fizeram as contas a quantos já somos?
Se não nos matássemos uns aos outros e não houvessem doenças já não havia espaço para tanta gente e tínhamos que ir viver para a Lua ou para Marte. 
Era da maneira que a ida à Lua deixava de ser mentira!
Porque não controlar a população de forma mais natural e menos violenta?...
 
E por fim, tem-se filhos para fazerem companhia e tratarem dos pais no fim da vida...MENTIRA!
Espetam com os velhos nos lares e abandonam-nos nos hospitais.

Ter filhos é um acto de egoísmo. Olhem para o lado e comecem por tratar bem os que já cá estão. 
Atenção, eu gosto de miúdos...os dos outros...e tem dias. 
Gosto mais de cães. 

Fedelhos, quando a mãe vos perguntar se querem um mano, perguntem de volta, se era muito pedir antes uma bicicleta, se ela acha que tem abertura (mental) para tal???

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub