Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

05
Ago20

Deixa-me dormir

Rita Pirolita
Tem dias que me irrita estar no mundo.

Entenda-se que não quero desaparecer, embora um dia lá terá que ser, nem a existência do mundo me incomoda mas por momentos não me apetece estar nele e com ele. 

Gostava que me largasse da mão e eu a ele, que fosse cada um para seu lado ali ao virar da esquina, dizer-lhe 'até já que vou ali descansar um pouco de ti', sim, de ti mundo que às vezes me pareces chato outras violento mas nunca dócil e maternal. 

Embora me dês acolhimento não sinto que te pertença, se não tens obrigação de me aturar porque serei eu forçada a fazê-lo? Porque não tenho outro mundo para descansar de ti! 

E tu, tantos mundos que poderias ser e logo levaste comigo e com todos que te desprezam muito mais que amam. 

Ai mundo deixa-me dormir que amanhã logo vejo o que faço contigo!
19
Jul20

Eu não vou ver os U2

Rita Pirolita
Quem é que não vai a um concerto dos U2 mesmo que lhe pagassem e não tivesse que ir fazer figuras tristes a dormir ao relento com este frio, para conseguir um bilhete?...

Quem é, quem é? 

Bem, se me pagarem 1 milhão de euros vou de tampões nos ouvidos, se me pagarem outro milhão tiro os tampões mas enfio-me na casa-de-banho dos homens, porque sem tampões não aguento a das gajas!
16
Dez19

Emproamento

Rita Pirolita

Seja qual for a duração de uma viagem de avião, passo o tempo quase todo a dormir, por isso as únicas vezes que testemunho o trabalho dos elementos de bordo, é quando acordo para comer ou pedir mais água ou café para aumentar as idas ao WC, porque tenho uma estranha obsessão por inspirar aquele cheiro a merda misturado com suor e desinfectante, todo um mundo novo para o meu nariz sob o efeito da pressão no ar. 
Ora esta mesma pressão, tal como a nós nos faz inchar as pernas, estalar os ouvidos e em cima disso sofrer com as diferenças horárias, ainda mais fará sofrer os trabalhadores dos ares, que por obrigação se têm que habituar e adaptar a estas consequências incontornáveis. 
Será que este desconforto associado a qualquer profissão, umas mais que outras, porque trabalho não é lazer, afectará a disposição e educação destes empregados de mesa do ar? 
Esta questão surge sempre com o serviço prestado por tripulações da companhia aérea nacional.
Nunca me trataram abaixo de cão, se calhar porque não dou confiança para isso, mas estes colaboradores de bordo, lidam com os passageiros de uma forma pedante.
Não querendo eu atrapalhar o ritmo das tarefas ou ser responsável por alguma falha ou irritação, nem tento encetar diálogo no local de trabalho para saber as razões de tal comportamento, por isso bem ou mal, faço cá as minhas deduções. 

Será que estas meninas e meninos que vê-se perfeitamente, para aquilo que fazem, dedicam tempo demais a cuidar do cabelo e maquilhagem, têm a noção que nós sabemos que entram apenas por cunha como a maioria da função pública? Por isso a seleção nunca admite gente normal. 

Será que sabem que os trabalhadores de outras companhias parecem mais profissionais, fazem menos passagem de modelos e muitos deles trabalham até idade tardia? O que não implica em nada com a sua simpatia ou grau de saturação, que no nosso caso parece estar sempre perto do limite, o que se faz notar por um bufar constante de tédio e revirar de olhos, mediante um simples pedido de um qualquer elemento do povinho que pagou o bilhete e tem direito a ser servido. 

Não necessitam de ser submissas e rastejar pelo corredor, que a alcatifa é de muito má qualidade e pode dar cabo dos joelhos e das unhas de gel mas também não precisam de ter um ar tão pedante e convencido, de quem só não foi para modelo porque o mundo da moda, além de ser vazio demais para o vosso nível de cultura, também tem muitas drogas. 

Não precisam de andar envolvidos sexualmente com os pilotos, nem isso nunca fez parte da vossa praxe mas em lhe apanhando o gosto, prolongam o período de caloirice. 
Acho bem, um avião para andar lá em cima não precisa de vocês, mas para que tudo corra pelo melhor, ajuda muito se os pilotos andarem bem dispostos e satisfeitos.
 
Queridos assalariados do ar, eu sei que não precisam de ser simpáticos para fidelizar clientela porque um avião não tem a frequência de um restaurante, não se pode desandar e bater a porta, nem vive dos mesmos clientes todos os dias, por isso a vossa atitude leva a crer que se podem dar ao luxo de nos tratarem menos bem, porque pensam vocês, quase de certeza nunca mais se vão cruzar com as mesmas caras, não é bem assim. 

Apesar de tudo não vos invejo a sorte, vou para onde quero sem ser em trabalho, sempre em lazer e com prazer, não sofro com varizes nem tenho derrames ou pernas inchadas e muito menos sofro de cabrice, que é das coisas que mais detesto e tenho dificuldade em lidar, além de pessoas. 
Se acham que para ser copeira e servir às mesas mesmo que seja lá nos ares, precisam desta parafernália de emproamento? Vou ali à Micronésia e já volto.
28
Jun19

Passarão de lata

Rita Pirolita
Gosto muito de viajar e até hoje não me posso queixar, já fui a muitos sítios e muitos deles distantes o suficiente para ter que me meter na barriga de um passarão de lata, para chegar ao destino tão desejado o mais rápido possível. 
Andar lá em cima a fazer de conta que voamos melhor que os pássaros não me agrada muito, precisamente por não ser natural e sim mecânico e por isso passível de falhas tão graves que quando a coisa corre mal, muito poucos restam para contar como foi, mas o desejo de visitar mundo é tão grande que esse medo só surge em lembrança leve o suficiente para não criar pânico, antes de tirar os pés do chão, depois é só dormir e comer o que dão, porque não há livro de reclamações e não se pode sair porta fora e ir ao restaurante do outro lado da rua, por isso seja o que venha é bom e dormir é a única solução para que o tempo passe mais rápido. 
Muitas vezes antes de descolar já estou cheia de sono, desconfio que põem qualquer coisa no ar que só me afecta a mim e uns quantos, porque não vejo muita gente com esta soneira e descontração. 
Depois de levantar voo, asseguro-me que acompanho a manobra até a coisa estabilizar lá em cima, como se a minha supervisão de co-piloto de classe muito económica evitasse qualquer falha, volto a dormir e só acordo com o cheiro de comida no ar.
Deito um olho aos programas disponíveis, sempre na esperança de não adormecer passados 10 minutos de um filme, que me levou 20 a escolher. 
A maioria das vezes suspiro de alívio por não ir enchouriçada entre dois gordos e outras dou pulos de alegria se der para me deitar em três bancos corridos, porque o metro quadrado aéreo é muito caro e gente comprida como eu sujeita-se à  tortura da cadeira. 
Depois de instalada é só dormir e babar que nem uma camela até escorrer para o pescoço, de boca escancarada, parece que morri há uma semana e já estou dura que nem uma carcaça. 
Só acordo uma última vez na descida para o paraíso, aliás são as únicas vezes que se pode dizer que descemos para o paraíso porque a última vez que se sobe é fatal, derradeira e não precisa de reserva.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub