Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

05
Ago20

É urgente a gente

Rita Pirolita
É urgente a gente voltar a ser considerada. 
O ensino politécnico foi descontinuado e substituído por uma formação profissional com contornos perversos de esconder  os elevados números do desemprego e não proporcionar sucesso e empregabilidade. 
Vivemos todos a ilusão dos quadros superiores com licenciados mas esquecemos os quadros intermédios e ainda mais a formação de operários tão ou mais importante que os directores ou administradores que são em muito menor número numa empresa. Todos querem ser engenheiros e doutores. 
Lembro-me que nas décadas de 70 e 80 a maioria da indústria transformadora em Portugal tinha empresas que forneciam formação contínua aos trabalhadores que tinham regalias sociais e comparticipações na saúde, transporte, refeitórios... 
Cooperativas que falharam a defesa dos artesãos e agricultores por serem alvo de roubo e exploração da boa vontade de quem trabalhava e contribuia na melhor das fés! 
Tudo era suportado por quem tinha o esforço e não era por isso que os ordenados eram baixos, pelo contrário, na proporção estamos muito pior hoje e sofremos de maiores discrepâncias sociais. 
Todas as grandes empresas faliram por abandono e desinteresse político em trabalhadores esclarecidos com postos de trabalho, todos eles dignos, desde a empregada de limpeza à telefonista ou ao chefe de secção com ordenados confortáveis e mais justos. 
As actuais empresas são apenas intermediárias de serviços, não produzindo quase nada e importando quase tudo, exploram e têm condições e salários quase escravizantes, para que muito contribuíram as políticas de pendor marxista da maioria dos sindicatos no combate fervoroso ao capitalismo! 
A globalização trouxe os seus inconvenientes!
Estas guerras de poleiro sempre desviaram o caminho do país do essencial, um caminho que deveria ser de dignidade e orgulho e não de venda e submissão a uma UE de ricos, França e Alemanha. 
Este é o resultado de governações desastrosas desde sempre que depauperaram a produção nacional e empurraram tanta gente para fora! 
Querem fazer política com ideologias e filosofias de cordel sem pensar nas pessoas? Não vivemos só do ar mas da conjugação do sol, da terra, da água, do mar e precisamos de gente para os aproveitar...
Deixamos de ser afoitos descobridores para passarmos a amorfos observadores!  
Combater a alienação e estimular a lucidez é URGENTE!
21
Mar20

Os deuses nunca estiveram loucos

Rita Pirolita
Lembro-me do tempo do auge da criação e gestão aceitável das cooperativas, logo a seguir à Revolução de 74 na senda da Reforma Agrária.  
Por breves momentos na história de Portugal o povo tinha a sensação que se podia governar e orientar, até começarem a subverter o espirito de solidariedade cooperativista com ganância e roubos. 
Na altura da crença única no mito, na era primordial da humanidade, que não me lembro, porque não estava lá mas pelo que resta e perdurou até hoje, consigo perceber as pueris e desinteressadas rezas, oferendas e sacrifícios a seres superiores, que à altura era o entendimento possível para os fenómenos do Universo. 
Saberiam os nossos antepassados assim tão pouco sobre o papel avassalador dos deuses? Umas vezes mostravam-se irados e outras bem-feitores de mãos largas, depois da tempestade espalhavam a bonança de colheitas generosas, mais alimento, mais bocas a nascer! 
Começamos a ser demais para nos entendermos, coisa em que já não éramos bons quando seriamos apenas dois, o Adão e Eva como todos sabem, começaram logo com divergências, ela comeu a única maçã de que dependia a máscula sobrevivência, romanceada em tentação e ele toma lá que vais ser mal parida por uma costela minha! 
Depois quando pensávamos que sabíamos muito da vida mandamos os deuses aos porcos com o comunismo e deu no que deu, porra e meia e merda inteira.
Passamos a acreditar em homens que se endeusavam a todo o momento, na ansia louca de que o seu caminho era inquestionavelmente certo, tão certo que descambou sempre em coisas tão desequilibradas como a fome e a guerra que continuam a matar milhões, domínio cego, ditaduras, desgraça, escravatura...You name it!
As mesmas atrocidades se repetem na destruição do ateísmo que esconde o capitalismo e louva o Deus dinheiro. Igreja e politica enrolam-se em lençóis de prostituta promiscuidade.
Para fugir à responsabilização pusemos a nossa vida nas mãos de líderes que pensamos eleger democraticamente. Ilusão mais ilusionada não há! 
E assim nos deixamos levar por promessas de maus pregadores e pagadores que representam e bem o nosso egocentrismo, narcisismo e misantropia. 
Sendo assim como podem representar os sentimentos de altruísmo humanitário se ele nunca existiu e esteve sempre no segredo dos deuses, como as tempestades e as estrelas cadentes nos antípodas da pré-história? 
Os deuses nunca estiveram loucos, não seria melhor deixá-los intocáveis lá bem em cima e não termos a pretensão de os ter mal representados cá em baixo? 
Se bem não fizer?...Pior do que já provocamos não virá ao mundo!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub