Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

09
Ago20

De punks a betos

Rita Pirolita
 
Lembram-se da adolescência? Passamos por tantos estilos sem nos decidirmos por nenhum, encarnávamos os nossos ídolos do mundo da canção e desde que fosse novidade e radical punha-se tudo em cima do pêlo...
Eu fui punk red skin, metaleira com direito a moches e tudo, avant garde com aquela franja à pajem cortada quase pela raiz do cabelo, também passei pelas cores Benetton, eramos todos surfistas sem nunca ter tocado sequer numa prancha, quanto mais ter dinheiro para a comprar. 
Lembro-me que me vestia numa loja da margem sul que estava muito à frente, se calhar iam a Paris ver as tendências, pois eu amante da estética e sempre à procura de inovação saltava entre a roupa preta dos Porfirios e esta loja. Um dia comprei umas calças que estavam na montra, muito largas pelo meio da canela, quando cheguei à escola todos se riram de mim e diziam que parecia um palhaço, passado um mês toda a minha gente andava com aquilo e eu deixei de usar porque deitava as calças pelos olhos.
Tenho uma foto de turma para comprovar este facto, realmente parecíamos um bando de palhacinhas! 
Mas as que mais me metiam impressão eram as betas, vestidas de cores sóbrias, nunca mostravam muita carne, queriam ser misteriosas e não passar a imagem daquilo que eram, umas malucas descaradonas mais que as outras até, nada de decotes exagerados, barrigas ao léu ou calções pela nádega
Estas miúdas esfolavam-se para namorar os mais populares da escola que normalmente eram os mais velhos que tinham chumbado uns anitos e faziam parte da associação de estudantes séculos, além de passarem a vida no ginásio que era a febre da altura, com culturismo para eles e danças da Fame para elas
Estas ladys nunca namoravam com gente vestida de preto ou calças rotas, ténis ranhosos ou botas Doc Martens, isso é que não
Davam-se com as da sua laia que vestiam calça de ganga engomada ou calça de vinco de sarja com blusas de executiva, não diziam ou podiam ouvir asneiras e nunca falavam de peidos ou mesmo admitiam que os davam, os peidos têm que se dar, mesmo que os queiras vender ninguém os compra! Nunca percebi o que queriam passar com esta imagem tão imaculada e certinha.
A maioria das que conheci eram umas pobretanas que gostavam de ter nascido em berço de ouro mas eram umas cabras falsas ressabiadas do piorio!
Nunca fui escrava de modas, quem me queira ver feliz é de calção, T-shirt e a chinelar o ano todo, é sinal que estou a viver num sitio quentinho à beira mar!
 
22
Jul20

Freak show

Rita Pirolita
 Hoje fui ao centro comercial e deparei-me com uma demonstração de pole dance e o que mais atraiu o meu olhar foi a compleição física da moçoila que se empoleirava no varão. 
Embora pareça que não penso muito no assunto e que me estou a borrifar, a verdade é que vou falar outra vez do mesmo, a gordura que se agarra ao corpinho. Esta menina era muito alta e graças a uns calções curtos mostrava umas pernas volumosas carregadas de celulite, pareceu-me que o peso seria um impedimento a movimentos fluidos, mas  lá confiançuda era ela.
Fiquei a ver o tempo suficiente até me sentir uma voyeur depravada e desapareci dali. 
Fui para casa a pensar, quem dera a muita gente e a mim também ter aquela segurança.
Iniciamos a vida com corpos que com o tempo crescem, aumentam, criam curvas, saliências, volume, esticam, encolhem...
Uns fazem dele quase tudo o que querem, outros escravizam-no com dietas, escondem estrias e banhas, expõem magreza. 
Ele há mulheres peludas, homens barrigudos e carecas, deformações, acidentes, louros, baixos, gordos, altos...
O que parece isto? Um freak show com entrada grátis que saiu para desfilar pelo mundo! 
29
Mar20

Adolescentes

Rita Pirolita
Desde que vivo na terra dos ursos nem uma vez por ano tenho ido a Portugal mas das poucas que lá ponho os cotos, apercebo-me de algumas mudanças, se não muitas, umas mais profundas e importantes que outras. 

Hoje vou falar de modas, fúteis e vazias qb para a minha bagagem mas que no entanto não me passam assim tanto ao lado, porque através delas vejo a postura e comportamentos de mais ou menos à vontade e pouca ou muita convicção de papéis. 

Se calhar vou cair na comparação de dois países muito diferentes mas que neste aspecto se estão a aproximar no mau gosto.   

Não poucas vezes já vi criticarem os calções nalgueiros que muitas adolescentes tugas agora usam no verão com a as bordas à mostra ou até mesmo no inverno com sugestivas collants de caveiras, corações, estrelas, folhinhos, rendas e outras coisas mais, que eu não estou muito por dentro disto e detesto usar collants.

Ora deste lado do mundo mesmo quando o frio aperta as adolescentes de hormonas reprodutoras aos saltos e acne selvagem, não se acanham e mostram o que têm, diga-se de passagem muitas vezes não é agradável de ver mas elas lá se pavoneiam em grande estilo convencidas que o mundo é uma passarela de modelos jovens mas já deformadas de gordas, com cochas que parece vão rebentar de gordura, rabos mal amanhados, banha na cintura e mamas de 10 filhos. 

A maquilhagem de 3 quilos em cada bochecha pelo menos, acompanha o mau gosto da vestimenta e lá vão elas pela frescura, seguras mas não formosas!

Eu pergunto-me.

Serão as mães a dar o exemplo ou incentivo?

Serão as jovenzitas que se querem afirmar e saem pela porta dos fundos sem que a família veja ou sequer imagine os preparos em que saem à rua?

Fazem a minima ideia da imagem que transmitem, se sim que olhares querem atrair? Os indiscretos de choque com a deselegância ou os de admiração com a sobriedade?

É claro que de sóbrio estas meninas não têm nada.

Percebo que se queiram afirmar e fazer notar, estão a crescer e a descobrir o que faz o mundo transbordar de tanta gente parva e inútil, o sexo, a sedução, o engano, os arrufos de paixões, as experiências mais más que boas, as DST's ou o uso de preservativo sempre. 

Os meninos, quanto mais ar de janados e sebosos tiverem mais apreciados são pelas aprendizes.

Finalmente chegamos à questão fulcral que deu origem ao texto na minha voluntariamente pouco esclarecida cabeça, quanto menos souber sobre estas coisas menos confusão me fazem e menos ligo mas neste cu de mundo é difícil alhear-me deste cenário porque pululam ao virar de cada esquina, desde velhas a novas com trasnparências e apertos de celulite que até dói olhar! 

Deixo as minhas questões que não quero ver respondidas, apenas me divirto a fazer este exercício. 

As adolescentes anseiam ter a tal profissão? 

Treinam bem que se fartam mas nem as verdadeiras se vestem tão mal e disfarçam melhor quando não estão de serviço. 

As roupas do dia-a-dia podiam ser um pouco menos de beira de estrada, na dúvida o preto fica sempre bem sem maquilhagem, pestanas postiças ou unhas de gel, lavadinhas, penteadas e perfumadinhas estão sempre bem e discretas para uma simples tarde às compras no centro comercial com as amigas, que isto é bicho que não passa sem comprar um farrapito pelo menos uma vez por semana!  

 

 

 
17
Dez19

1000 vezes 'mais boa'!

Rita Pirolita

Num raro dia de caminhada não forçada, assim sou eu, feita de vontades e poucos sacrifícios, ia já eu com meia hora no lombo, quando passa por mim a correr à profissional da coisa, com alto impacto de calcanhares no chão que até a terra estremecia, uma p*ta duma gaja com um corpo daqueles, que quando cheguei a casa, a melhor maneira que encontrei para descrever ao moço a boazuda, foi fazer a comparação, estás a ver a porca em pé da Mónica Lewinsky e a Heidi Klum, a ex mulher daquele cantor que tem uma voz do caraças, tão preto que tem reflexos azulados como os besouros e tem um corpo do outro mundo, já me estou a desviar, bem, esquece a Mónica Lewinsky, esta gaja que passou por mim seria a Heidi Klum, numa versão de jogo de computador tipo Lara Kroft ou seja 1000 vezes melhor e 25 anos mais nova que eu. Nem eu com a idade dela, tinha a ilusão ou a vontade de trabalhar para ter aquelas formas.

Esta miúda era um pouco mais baixa que eu mas com tudo proporcional, desde a altura das pernas, o tamanho dos gémeos e dos glúteos e penso que também das mamas, não a vi de frente mas posso dizer que tinha um cabelo liso e sem volume nenhum, de um loiro surfista até meio das costas, como eu sempre sonhei ter e nunca terei, porque tenho um cabelo seco, crespo e com muito volume, tenho que usar 50 mil óleos para o hidratar e mesmo assim está sempre uma bela merda.
Por acaso se Deus existisse e viesse à terra fazer milagres, ou se encontrasse uma lâmpada com um génio lá dentro que me concedesse um desejo, gastava logo o pedido com um cabelo Pantene, daqueles que nem é oleoso nem seco, brilhante que até fere as vistas, tão liso que acordas sempre penteada e quando tomas banho não precisas de escovas lólóló, nem ferros mimimi, nem sequer um simples secador, ou seja, estás sempre impecável e nem te lembras que tens o cabelo mais invejado das proximidades e arredores.

Vejamos, voltando à vaca fria que passou por mim, nem um milímetro de carne a tremer na sua corrida estrondosa, curvas todas no sítio e qb para uma mulher, sem parecer a azeitada da Ana Malhoa.

Esta miúda a correr desta maneira, daqui a um ano está com os joelhos feitos num oito, tem que ser operada, ficar imobilizada e não poder treinar durante muito tempo e vai engordar que nem uma porca ou daqui a 2 ou 3 anos tem o primeiro filho e fica que nem um barril desdentado ou ainda com a proteína que toma f*de o fígado, rins e coração e fica arrumada! 
Das duas três ou desejo que lhe aconteça tudo isto ou desejo que seja muito feliz, porque é uma criatura que vai envelhecer como todas as outras mas talvez melhor e mais tarde.

Se o Universo enviou este ser para se cruzar comigo e fazer pirraça, para me mergulhar numa depressão profunda ou pelo contrário para me incentivar a ser cada dia uma gaja 'mais melhor boa' mas que nem em sonhos ficarei por lá perto, porque já não tenho idade nem tempo de vida para tal, não resultou, porque assim que cheguei a casa enfiei os cornos no congelador e devorei um corneto sem bolacha mole que eu odeio e com bolacha crocante como eu adoro.

Esta loira curvilínea pode morrer amanhã, coisa que eu gostava que não acontecesse já, apenas porque quero que o moço tenha a oportunidade de a ver, nas raras vezes que vai caminhar comigo, só para não me chamar de mentirosa, depois disso pode morrer, ela e outras que tais.

Na sua ainda curta vida, este ser existiu melhor e lavou mais vistas que 20 mulheres em 100 anos. 

Mas se há coisa que me mete mais raiva que isto, é ver alguém a conduzir o carro que eu gostava de ter.

 

06
Dez19

Incongruências

Rita Pirolita
Porque tanta 'boa moça' brasileira e das Américas latinas, aparece em selfies nas redes sociais, com corpos de menina, já a braços com uma ou duas crianças, orgulhosamente apresentadas já em poses exibicionistas, numa relação aberta com um jovem igualmente imberbe, em trajes de terras quentes com calções a exibirem nádegas, pernas de subnutrição e braços escanzelados cobertos de tatuagens, umbigo furado, língua de fora a exibir o piercing, arames nos dentes, com sorriso aberto de lábios cheios sabe-se lá com quê, alusões a maconha que circula todos os dias, maquilhagem apalhaçada, rosa choking misturado com verde selva...Senhoras gordas, inchadas, intumescidas de arroz com feijão e muita cerveja, de 35 anos que mais parecem ter 60 e querem aparentar 18, com pechisbeque de mau gosto ao estilo Kardashian ou Ana Malhoa, unhas de gel de quem não lava louça e come do tacho, peitos enormes em blusas para adolescentes, calções apertados a esborrachar a celulite, sandálias douradas com o dedão a tocar o tapete persa Made in China.  
Os cenários são tão variados quanto assustadores, uma rua de bairro em terra batida, com esgotos a céu aberto, uma sala que serve de cozinha, casa-de-banho e dormitório não sei para quantos, uma torneira que dá para uma cama, paredes em tijolo à vista e alguns azulejos brancos ou pirosamente floridos e misturados, bacias e baldes por todo o lado, a apanhar água ou a fazer de vasos improvisados. 
Desculpem, mas não consigo digerir tanto kitsch nestes cenários, sem me questionar...o que é que não bate certo nisto tudo? Ou se calhar bate tudo certo...
Ainda bem que a democratização das redes sociais e é pena que tenha só ficado por aí, tenha conquistado as almas cheias de mau gosto, mais longínquas e desfavorecidas em beleza e riqueza...mas gostava de não ver algumas coisas antes de morrer e mais ainda o que virá!  
Todos devemos sonhar e não ter medo de mostrar para quem nos queira botar uma olhadela mas se a vossa ambição é serem vedetas de bairro, fiquem por aí, porque as verdadeiras ainda fazem pior figura!
Descubram as diferenças...



Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub