Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

22
Fev20

Racismo

Rita Pirolita
O ideal seria vivermos em feliz comunhão e miscigenação, até chegarmos ao ponto de não haver raças distintas e aí arranjaríamos de certeza outras formas de segregação que não fosse por raça, religião, género ou riqueza.
A diferença será aceite quando deixar de existir e formos todos iguais em aspecto e condição, numa monotonia visual de almas deambulantes em ruas esterilizadas em que ninguém é pobre ou rico, preto ou branco, gordo ou magro, triste ou alegre.Estes extremos que não dispensarão um líder mundial, que poderá ser um computador sem dor ou lágrimas reais, são característicos de regimes comunistas, socialistas ou de extrema-direita, nunca típicos da tão proclamada democracia, bandeira hasteada, esfarrapada por tanta intempérie e nunca honrada!
Os portugueses emigrantes dos primeiros tempos em França, não foram viver no meio da lama e dos ratos nos bidonville? Os franceses já lá estavam a ocupar os sítios e trabalhos melhores! 
Os africanos que chegam a Portugal vão viver para bairros da periferia à procura de trabalho, que nem para os que cá estão já existe ou não querem fazer. 
Dos ciganos, que têm fortes raizes nómadas, não se pode esperar que a maioria viva do trabalho ou respeite a ordem e paz social, vitimizam-se e aproveitam os subsídios, sem nunca ter descontado ou contribuído na comunidade para a ajuda que recebem. 
As mulheres, os gays, os deficientes, os pobres...são todos descriminados e há-os pretos, brancos, ciganos e às riscas. As comunidades querem manter os seus costumes, são segregados por não pertencerem ao local que habitam, chegam a reboque de promessas de vida melhor, a fugir da guerra, da fome ou da perseguição, não lhes são dadas oportunidades de luta nem defesa.
A revolta da desigualdade traduz-se em delinquência e agressividade e assim se distanciam e são postos de parte, perdendo o interesse na integração. 
Existem exemplos de existência pacifica controlada, entre comunidades diferentes mas nunca convivência saudável ou mistura de culturas no mesmo local. 
É natural que pessoas do mesmo país ou cidade se agrupem em comunidades e eles próprios exerçam exploração e até humilhação sobre os novos vulneráveis que chegam, em troca de guarida, salários baixos e trabalho precário. 
Ninguém está para ajudar ou se o faz é de forma dura e vingativa para exorcizar o passado do seu próprio início, outrora não facilitado por outros também. Enquanto existirem países que fomentam a existência de coitadinhos, de escravos que limpam a merda dos que os recebem por ordenados baixos, más palavras e maus tratos, tudo em nome da luta de classes, fomentada pelas elites para desviar os olhares da corrupção.
Enquanto a maioria se culpar e roubar a ela própria,  iremos ter sempre bairros da lata, bairros sociais metidos em buracos e distantes dos olhares dos mais ricos e ordem e paz que não serão respeitadas. 
Os pobres são o isco, a origem e o bode expiatório das desgraças do mundo, para gáudio dos ricos.
Lembro-me agora, que cresci com ciganos, pretos e deficientes que naquela idade pequenina, eram apenas seres com quem brincava, andava à porrada, dava a mão e agora já não os tenho, nem sei onde páram mas às vezes recordo-os, para voltar à inocência livre de preconceitos.
Não será isto tudo fruto da vazia complexidade dos adultos que criam problemas e hierarquias de poder e humilhação em vez de simplificar como as crianças e os cães tão bem sabem fazer?
19
Mai19

Emigra tuga

Rita Pirolita

 

 
Não vou falar do Jean Pierre que estava sentado na cadeira em francês, depois caiu e partiu a cabeça em português vernáculo, falarei antes da imagem que o emigrante tuga cultivou e que povoa o nosso imaginário num misto de nostalgia e piroseira.
Na altura do Salazar quem conseguia escapar da miséria para o estrangeiro, deixava para trás muitas bocas para alimentar com o 25 de Abril continuaram a emigrar mas deixaram de fazer tanta filharada

Agora que vejo imagens desses tempos pergunto?  
O que levaria esta gente a abandonar uma casa modesta com um pedaço de terra, único sustento da família e ir viver para os bidonville, arrabaldes de cidades com barracas, esgotos a céu aberto, lama, doenças, fome?...
Como não havia internet, estas pessoas de certeza que foram todas ao engano
Alguns sonharam tanto e trabalharam ainda mais que por lá ficaram, nunca quiseram abandonar o resultado de tanto suor e sangue, afogados em saudade até ao fim da vida.
Esta vaga de emigrantes que se deram tão bem ou tão mal, nunca foram a um café ou jantar fora, para poupar para a construção da casa de 'vacanças' na terrinha, havia de tudo para todos os gostos no catálogo 'Le plu bele Mesons ao Portugal', casarões, palacetes, chalets e até mesmo miseráveis imitações de 'chatôs' com ameias feitas em tijolo colocado na vertical. Tré joli!... 

Vinham em Agosto.
Aparatosamente chegavam em Mercedes para que toda a gente pensasse que faziam vida de reis lá pelas 'estranjas' o resto do ano, era esta a marca de carro preferida dos putanheiros e patos bravos no Portugal mas os emigras não andavam a par das modas no país de origem. Ninguém podia saber que tinham suado a estopinhas para pagar o aluguer da 'vuatura', interessava sim que viessem carregadas de 'suvenires', falava-se alto numa mistura de mau português e pior francês, os da terra arregalavam os olhos com tanta coisa reluzente e gestos esbanjadores dos familiares 'francius'.
Eram convidados para petiscar em todas as casas da aldeia, todos queriam saber como era lá nas 'franças' e pelo meio os 'francius' sabiam das beatices da aldeia, casamentos, homicídios, adultérios, óbitos, zangas, escândalos...
As noites quentes de verão eram passadas em alegre convívio nas casas dos tugas emigras.
Todos aproveitavam para fazer uma visita guiada à 'meson' que se destacava na aldeia por não ter nada de típico. 
Algumas pareciam casas de banho viradas do avesso, com revestimento exterior em azulejo brilhante com motivos florais berrantes, eu percebo, como tinham o meu querido mês de Agosto para gozar, não vinham com paciência nem tempo para andar a pintar as paredes todos os anos, se é piroso, foleiro e horrível, isso não interessa nada para o caso, é prático e pronto!
Ora, ia eu na visita guiada aos interiores, os sofás mantinham o plástico de fábrica, as flores de plástico estavam na mesma linha do azulejo, sempre hirtas, firmes e de baixa manutenção
Terminada a visita aos 50 'chambres' da 'villa', voltava-se a fechar as 'fenétres' e 'portons' para manter o  e cheiro a humidade bolorenta do mausoléu e iam todos petiscar para o anexo, onde efectivamente dormiam, comiam e cagavam. 
Sentavam-se em sofás piores que aqueles reservados aos cães e eram felizes até ao final do mês, numa folia alucinante de beijos, abraços, bebedeira e bailarico.
Iam embora com o Mercedes carregadinho de chouriças e presunto, na entrega da máquina, não sei se tinham agravamento no seguro de aluguer por causa do cheiro impregnado da carniça portuguesa.  
Ao fim de muitos e longos anos, quando estavam cansados de dar o litro nas 'estranjas' faziam as malas, traziam uma boa 'retrete' e morriam de ataque cardíaco com a emoção de finalmente habitarem o 'chatô' do reino perdido e longínquo

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub