Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

09
Ago20

Minha querida escola privada

Rita Pirolita

 

 
Em Portugal escola privada com contrato de associação quer dizer que pagamos todos e só alguns usufruem. 
Tal como os idosos que estão nos lares da Santa Casa da Misericórdia...Misericórdia quer dizer 'não queremos gente ranhosa e sem recursos, a usufruir de boas instalações e boa assistência que todos pagaram mas só alguns têm direito a usar.'
Já agora, sabem quanto ganha por ano o presidente da Cruz Vermelha no Canadá? Por volta de 1 milhão!!!
São todos abutres ao virar da esquina, à espera de catástrofes para aumentarem a sua riqueza com a miséria e morte de outros! O homem é uma praga desprezível! Voltando aos queridos privados. 
Se os pais tivessem que pagar estava tudo no ensino público!
Estas escolas recebem mais dinheiro do estado que as escolas públicas que estão vazias nas redondezas o que lhes permite ter autocarros para transporte dos alunos, piscinas, salas com cadeiras e mesas para todos, ordenados melhores, etc. 
Todas as escolas deviam ter esta qualidade mas há gente que as pagou e nunca lá pôs os pés!
Quem anda nos colégios privados só podem ser filhos de papás e mamãs com cargos públicos, seus familiares e amigos, só se deve entrar por convite, está-se mesmo a ver.
Da escola privada vão directamente para as universidades privadas e a seguir todos arranjam emprego!
Estes betos vão crescer sem saber que lá fora há outro mundo, na altura do memorável encontro com a realidade vão logo queixar-se 'que a escolinha não lhes forneceu ferramentas suficientes para conviver com certo tipo de gente.' 
Não é culpa da escolinha! Vocês é que passaram a vossa brilhante vida académica a faltar às aulas práticas.
Querem ver que os meninos não podem chumbar quando não sabem a matéria e andarem à porrada no recreio pelo menos uma vez na vida? Só lhes fazia bem!
27
Mai19

Quanto mais 'miga' menos se lhe arrima

Rita Pirolita
Temos conhecidas de vista, aturáveis, conhecidas por arrasto ou solidariedade com amigos nossos, conhecidas do trabalho e depois vários níveis de amigas. 
 
Já tentaram catalogar os vários tipos? 
Eu vou tentar sem me rir muito.
 
Aquela amiga que pensa ter intimidade suficiente para nos tocar e estar constantemente a tirar cabelos, migalhas de bolacha ou borboto da nossa roupa. 
 
Há aquela que se dedica a sacudir a caspa dos ombros e aproveita para nos recomendar a melhor marca de shampoo anti-caspice ou a não usar blusas escuras.
 
A que se acha a maior sumidade com direito a MBA na área da amizade, reclama exclusividade em saber os nossos segredos mais obscuros e íntimos, tem que saber quem namoramos antes do próprio namorado, fica ciumenta se damos mais atenção a outra, chora no nosso colo porque não sente que é a melhor e única amiga e nós lá temos que a confortar sem que perceba que boas amigas vão-se encontrando ao longo da vida e ninguém tira o lugar a ninguém
Estas amigas não percebem que o coração não tem compartimentos e mesmo que tivesse, quando está tudo ocupado, arranja-se sempre lugar para mais um inquilino.
 
As amigas que nos procuram quando têm problemas com o namorado ou estão sozinhas e querem ir sair nem que seja ao centro comercial, a ver se arejam a solidão patarecal e quem sabe arranjam macho, conforme o nível de desespero, às vezes até marcha o rapaz do totoloto.
 
As que se estão a candidatar a grandes amigas e vão fazendo leves incursões nas nossas rotinas com mexericos como desbloqueadores de conversa. Só cai na armadilha quem quer!
 
Há umas de quem continuamos amigas porque o rapazito com quem andam é mais interessante que ela e até chegamos a pensar que não o merece e que nas nossas mãos estaria mais bem entregue. Nunca temos intenção de desfazer lares mas às vezes eles também chegam às mesmas conclusões que nós e a coisa até se proporciona, perdemos uma amiga e ganhamos um curto mas bom período de diversão.
 
Aquelas que ficam chateadas por virem a saber que o moçoilo com quem andam passou pelas nossas mãos e têm nojo de comer restos.
 
Aquelas que são tão chatas, narcisistas e mimadas que servem para ir ao centro comercial em dias que nos apetece beber um café e ver montras sem a intenção de comprar seja o que for, porque o guarda-fatos lá de casa rebenta pelas costuras
Nestes dias tomamos a decisão anual de dar roupa para a igreja, para nos sentirmos melhor com a desculpa de ajudarmos os mais necessitados, quando o que queremos mesmo é renovar os trapos e passamos nós a fazer de princesas pobrezinhas, sempre a queixarmo-nos que não temos nada para vestir ao olhar para um roupeiro quase vazio, isto na perspectiva de quem tem tudo o que quer e até demais.
 
Aquelas que estão sempre a cobrar saídas porque estão sozinhas e nós arranjamos namorado pouco tempo, estão-se sempre a insinuar, até parece que invejam a quantidade de quecas que damos. Elas quando estão acompanhadas ainda fazem pior, voltam a dar à costa todas chorosas, quando os gajos lhes dão com os pés porque voltam para a ex ou porque acabam por confessar que são casados e têm uma família numerosa ao estilo africano.
 
As peganhentas, que num par de meses de amizade nos tratam por 'migas' ou 'quiduxas'.
 
A amiga beta que está sempre a criticar tudo o que vestimos, calçamos, cabelo, make up, unhas, postura...e diz que o faz para nosso bem, para termos um ar decente e não brega, quando o que a corroí é a inveja desmedida do nosso corpo e das nossas conquistas.
 
As que se aproximam porque vêm que temos muitas 'connections' e através de nós acham que até podem arranjar emprego, gajo ou entrar nos sítios da noite frequentados por betos da linha com graveto.
 
No fundo estas são todas amigas 'contrafeitas'!!!
 
A verdadeira amiga é tão autêntica que não existem palavras para a descrever, todos sabemos o blá, blá, blá de trás para a frente - 'está lá sempre e quer se queira quer não, diz o que pensa mesmo que faça mossa.'
02
Mai19

Campistas

Rita Pirolita
Os campistas são bizarros, normais ou anormais, previsíveis, excitados, prazerosos, descontraídos ou contraídos e vão sendo outras coisas mais...  
Os 'tios' que antes de jantar aparecem de banhinho tomado, com ar de donos do parque de campismo, com a madame a reboque de braço enganchado, para o moscatel ou whisky com muito gelo. 
Homens de porte de titans, agarram ao colo com ligeireza lulus franceses de 2 quilos, de orelhas borboleta, olhos esbugalhados e ladrar irritante. 
Avós babados ou pais chiques e betos, fazem-se acompanhar de cão de marca, de língua azul, com 50 camadas de pêlo, preparado para dormir no congelador. Se a raça sofre muito com o calor, porque não vivemos na Sibéria e se está preparada para puxar trenós mas não é muito amistosa com crianças, pessoas em geral e apartamentos ou varandas são autenticas prisões...nada disso interessa, o que interessa é que o preço do cão mostra a riqueza de bolso e a pobreza de espírito.
Tratam os filhos por você Martim 'práqui' ou você Matilde 'práli'.
 Gente da barraca que nunca conseguirá tirar a barraquice de dentro de si...estão no sítio certo para armar barraca. 
Os que abraçam o balcão do bar, debruçam o peito e encostam a barriga com delicadeza, como quem vai tomar balanço e saltar à barra, mas afinal só querem fazer figura de engraçadinhos, tudo isto para pedirem 2 cafés porque já jantaram na caravana, ela de pochete debaixo do braço, cabelo curto de baixa manutenção à camafeu, em pescoço de galinha marreca, ele de calção, sapato de vela e barriga descaida de grávida em fim de tempo. Depois do café levam as chávenas vazias até ao balcão, como a mostrar aos outros o bom comportamento a imitar, pagam o serviço mas até dão uma mãozinha e deixam a mesa limpa para o próximo casal maravilha de jarretas. 
Os que conhecem todos e mais alguns, os que conhecem alguns de muitos e os que não conhecem ninguém, nem sabem do que falo porque não fazem campismo, como os festivaleiros radicais de trazer por casa, que dizem que  aparecem no parque de tenda em riste mas depois não assumem a dependência do comodismo e não põem lá os cotos. 
Os que lavam roupa e estendem sem pudor as peças intimas, os que guardam tudo e depois logo lavam em casa. Os que lavam louça de alguidar, com detergente e esfregão e os que comem enlatados e sandes. 
Os que com mais de 50 anos ainda se aventuram a conhecer Portugal em bicicleta e pedalam debaixo da canícula pós almoço. 
Aqueles que já passam dos 40, ainda não tocaram os 50 e insistem em tendas à medida, onde se entra quase em voo e de onde se sai a rebolar como baleia encalhada em águas rasas...quanto mais pensar em pedalar, dar cabo dos glúteos, gémeos, nalgas e outros apêndices afins. 
Mulheres de meia idade que se passeiam desnudadas em praias naturistas como se tivessem 16 anos, a engatar surfistas de abdominais definidos, ombros largos, olhos verdes e cabelo queimado, a curtir música techno e a fumar ganzas como se não houvesse amanhã.
Sarrabecos que se vestem à noite como se tivessem chegado de uma importante partida de golfe, com a sua dama loira de voz grossa que fuma Marlboro, não Ventil, tabaco de pobre, pequeno e mirrado, que não fica elegante entre dedos o tempo suficiente para espalhar dondoquice.
Os que vêm o jogo da bola de fim-de-semana e barafustam como se o caso fosse grave e talvez situação de fim do mundo, com bitaites na fila da frente, sempre a virar a cabeça para trás, à procura de aprovação em adeptos desconhecidos.
Os dias acabam em tendas pequenas ou grandes, bungalows, caravanas, carrinhas pão-de-forma, abrigos, tipis ou ao relento, em noites quentes e bem regadas com cerveja ou bebidas fluorescentes de discoteca da aldeia! 
  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub