Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

04
Ago20

Menos sobressaltos, mais quietude

Rita Pirolita
Os velhos são danados, marretas, tristes, debochados, desbocados, raramente bem dispostos, cheiram mal ou a toalhitas húmidas, naftalina ou Old Spice, nunca a fresco acabado de lavar. 
Então eu agora que mais me aproximo da entrada na 3ª idade ando paranóica com a limpeza e cheiros corporais, felizmente fico pelo aroma ainda a lavado mas com um uso exageradíssimo de toalhitas por dia. Ideal para mim seria deter acções de uma fábrica de toalhitas e papel higiénico e teria um stock em casa até ao tecto, maior que o da Makro!
Cada vez mais tenho que ter medo de tomar banho para não morrer de pneumonia ou partir a bacia ou o fémur com uma escorregadela na banheira ou poliban!
Quanto ao feitio...vou refinar aquilo que sempre fui!
Além dos pormenores físicos e cheirosos denoto nos velhos uma queixa constante de netos que os visitam mais amiúde que deixam de visitar de todo ou filhos que trabalham muito e nunca têm tempo.
Os velhos arranjam todo o tempo do mundo que já têm de graça, tanto que até entedia. Pretextos? Todos e mais alguns para se juntarem à família nem que isso implique ir a qualquer sítio que detestem, passam a adorar tudo o que nunca lhes passou pela cabeça, já pouco importa, de outra forma ninguém lhes liga!
É nestas armadilhas de chantagem ou engano emocional que nunca cairei na vida por ausência de filhos e família. Andam embevecidos pela engraxadora doçura de parentes mais próximos que julgam ser a família de coração e por serem de sangue têm forçadamente que se dar bem. 
Eu que tenho pouca ou nenhuma família muito menos família com que me dê regularmente ou de vez em quando, não me dou bem nem mal, não me dou, assumí por isso desde muito cedo que prefiro não ter a ter falsos familiares, estou muito mais descansada, sem sobressaltos, não tenho ninguém que me ajude mas também não tenho quem me chateie ou empate.
Parece que desde muito cedo a maioria das pessoas se iludem a receber aparas de amor na forma de serem precisas e nunca preciosas ou desejadas.
Quanto mais explorados mais amados, mais dependentes uns dos outros. 
Qualquer carente que não conhece a essência do amor é sôfrego de cuidado e qualquer típico bom familiar se aproveita ao dar esmolas de atenção!
Não é melhor viver na verdadeira solidão que na enganosa companhia?
A lucidez de saber com o que contar sem esperar nada agrada-me e desempoeira a visão de um futuro descontraído, livre de compromissos, enquanto que os que constroem e alimentam ilusões com ofertas doentes e envenenadas estão na mão do abandono sofrido e surpresas muito más!
Faço questão de ter menos sobressaltos, mais quietude e contemplação!
14
Out19

Bidés

Rita Pirolita
 
Nunca percebi a existência de bidés nas nossas casas quando isto foi uma invenção dos franceses, terão sido as primeiras gerações de emigrantes que trouxeram a moda na primeira vez que vieram passar férias a Portugal?...

Não sei, mas esta peça sanitária apenas ocupa espaço em casas de banho modestas e de parcas áreas que vê-se mesmo nunca foram desenhadas para andar a bailar lá dentro. O bidé serve para quê? Para lavar as miudezas baixas, os pés, para pôr de molho as meias e cuecas, para pôr os chinelos de praia para mais tarde lavar na banheira enquanto se toma banho?

Nunca abriria as pernas para lavar a patareca num sítio onde estiveram de molho peças de roupa que cheiram mal ou chinelos de praia cheios de areia, que pisam tudo e mais alguma coisa, para não falar de uma paleta de cores de décadas anteriores que sobreviveram até aos nossos dias, raros exemplares em verde musgo, grená, passando pelo rosa velho ou mesmo castanho.
Será que uma pessoa se sente lavada quando o faz às prestações? Não será como ir ao cabeleireiro para lavar, cortar e secar, chegar a casa, ter que tomar banho com uma touca na cabeça, para não ir por água abaixo o trabalho que pagamos há meia hora atrás, porque já não aguentamos os cabelos que picam nos mamilos e umbigo?

O que tenho a dizer é que o bidé foi inventado num país onde as pessoas não são conhecidas por esmerada e diária higiene corporal, pelo contrário, alturas houve em que não se lavavam desde o nascer até ao morrer, ainda hoje me parece que não é fama. 
Eu tive uma tia que emigrou para França muito nova, depois da época de Napoleão, e desde aí nunca mais tomou banho, apenas se limpava com algodão embebido em água de rosas, dizia ela para não gastar a pele, de facto manteve uma pele bonita e jovial até idade avançada

Já viram o que a existência de um bidé faz, faz-nos desprezar e pôr em segundo plano a banheira ou poliban, ganhamos assim uma pele luminosa e macia até ao fim da vida sem precisar de gastar dinheiro em peelings ou esfoliações!  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub