Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

16
Dez19

Mula do cigano

Rita Pirolita

Está na moda gritar pela defesa das minorias que tanto foram massacradas no passado ou denunciar a subsidio-dependência dos que não querem sofrer dessas maleitas chamadas trabalho escravizante ou esforço descomunal para sobreviver, pagar impostos e ter uma vida de merda à mesma.

Ciganos...agora todos os defendem e deram conta da sua existência, fazem exposições alusivas aos seus costumes e cultura itinerante, até a Catarina Furtado já entrevista putos ciganos que querem ser veterinários e advogados sem irem à escola, assim também eu gostava.

Fazem campanhas de domesticação, a desincentivar os casamentos entre menores tal como o abandono escolar.

A verdadeira cultura cigana assenta numa recusa de grilhões, na liberdade de apenas obedecer às suas regras sociais e hierárquicas e tradições familiares, com as crianças e os anciães no topo da lista, brindados com conforto e a serem protegidos da fome e da doença, típico de sociedades ancestrais e pobres com sobrevivência dificultada, que sabem que as crianças garantem a continuação da família e comunidade e os velhos são o garante de passagem das tradições e ensinamentos que permitem a coesão da etnia.

Viviam descaradamente, antes mais que hoje, do roubo, pilhagem e aproveitamento da propriedade privada da qual não têm noção nem respeitam, porque os seus hábitos nomadas ancestrais não se compadecem com a posse de bens materiais, com criação de raizes e acomodação num só local.

Na verdadeira alma cigana o mundo é uma casa gratuíta, a natureza dá alimento sem trabalho de cultivo ou criação de animais, sendo um dos seus pitéus favoritos, o indefeso e fofinho, ouriço cacheiro.

Os cavalos são o seu transporte de eleição, um bem fácil de manter, desde que haja pasto selvagem ou alheio para os alimentar.

Com o negócio ilícito de ouro e drogas, disfarçado com a venda de roupa e calçado em feiras, não pagam impostos, não cumprem nenhumas regras comerciais, vendem marcas contrafeitas tal como os chineses seus concorrentes, não apresentam rendimento, candidatam-se a todos os subsídios possíveis, vivem em casas em vez de tendas e substituíram os cavalos por Mercedes roubados.

Assim se transformam em seres aparentemente domesticados ao aproveitar os direitos da sociedade e continuando ariscos ao cumprimento de deveres.

Os conflitos são resolvidos de forma primitiva, os choros e gritos das mulheres são acompanhados por homens de peito levantado, que tiram armas das malas dos carros para defender coisas tão importantes nesta etnia, como a honradez do nome de família ou da donzela prometida em casamento que dura 3 dias pelo menos, com tudo de bom e luxuoso que a tradição manda.  

Identifico-me muito com o espirito livre destes piratas de terra, mas não gostaria de ser mulher no seu grupo, ter pretendente marcado à nascença, casar cedo, rapar o cabelo e vestir preto até ao fim da vida em caso de viuvez, no verão, o calor que faz a roupa escura!

Por outro lado gostava de viver relativamente bem, sem trabalhar a vida toda, não ir à escola, já que nada se aprende, nem há empregos para gente instruída, não pagar casa, o Mercedes dispensava, porque não é marca que me atraia.

Todos terem medo, a ponto de dizer que não têm queixas dos vizinhos ciganos, que não são racistas, até se dão bem com eles e apreciam as suas festas e convivência estrondosas, à parte os tiros! Quando a coisa dá para o torto, aí é de fugir e eles que se entendam, matem e esfolem, que nem a policia os quer aturar.  

Uma das minhas amigas de infância era cigana mas não se notava nada porque já era domesticada, andava na escola e vivia num andar, qual gaiola dourada da civilização, tinha mais bonecas que eu, porque os familiares espanhóis lhe mandavam tudo de outras bandas e ventos mais evoluídos, eu orientava-me com duas bonecas e brincava uma vez por semana só com uma delas.

Todos sabemos que Espanha sempre foi forte em maus casamentos, caramelitos, torrão de Alicante, Toblerone, ciganada e bonecada.

Libertina e maluca sou eu e não recebo nenhum subsídio e pago impostos que me lixo.

Sou a verdadeira mula do cigano!

20
Set19

Não cobro um tostão!

Rita Pirolita

NAVA é acrónimo de uma Nova Arte de Viver Aqui e Agora, inventado por Anamar e Fortuna, o seu novo livro com uma  frase por página.

Assim também eu escrevo um livro em 2 dias com trezentas páginas e se lhe acrescentar bonecada, passa a quinhentas com facilidade.

Aqui deixo uma das frases, como bom exemplo de pensamento profundo em águas baixas e paradas. "Enquanto chove aqueço os motores." in FORTUNA
 
"Jesus Via Alexandra Solnado", assim terminam todos os seus textos, escritos em português e com muitos erros. 
Ou a Alexandra é uma tradutora fenomenal até de línguas que já não existem e desculpamos os erros de tradução ou Jesus é o maior poliglota deste Universo e até fala a nossa língua. 
 
"(...) Quando falas contigo, estás a falar com Ele; quando te ouves, estás a ouvi-Lo; quando escolhes sentir, estás a senti-Lo; quando te respeitas, estás a respeitá-Lo; quando te assumes, estás a assumi-Lo.
Ele é o amor. E tu és o amor que Ele é. (...)" in "AMA-TE, Nível 2 - ASSUMIR A ALMA" de Gustavo Santos.
 
Quem escreve assim nãé gago e mexe bem os dedos no teclado, acha-se esperto e anda a iludir.
 
Ou eu sou muito burra, vou arder no Inferno para sempre e não consigo tirar nenhuma conclusão nem sentir nada ao ler estas bonitas frases, ou estas sentenças querem dizer tudo ou ainda, são tão vazias de conteúdo, que qualquer pessoa em qualquer situação de vida, se identifica com o seu significado e cada um interpreta como lhe dá jeito.
 
Os livros não são de graça, as palestras e conferências também não e os níveis para atingir a espiritualidade desejável também se fazem pagar bem.
 
Estes ensinamentos são todos muito ancestrais mas os seus divulgadores mostram pouca sabedoria na manipulação  e transmissão das ideias e uma atitude gananciosa encapotada pelo desejo puro de ajuda e divulgação da verdade de uma forma quase gratuita. 
Muitas almas alienadas caem na conversa do bandido, pagam, são enganadas e ainda agradecem muito. 
 
Nestas andanças os mentores cultivam o agradecimento por tudo, principalmente pelos papalvos que lhes dão dinheiro a ganhar. 
Estes "gurus" da era moderna não possuem inteligência ancestral mas sim, esperteza oportunista, como todas as religiões, cultos e seitas desde sempre.
O mundo está num tal estado de fraqueza social e mental que é terreno fértil para o aparecimento destes charlatães e neles só acredita quem quer. 
Ambos os lados se consomem numa espiral de necessidade sôfrega de bem estar ilusório e não no caminho calmo da lucidez e clarividência.
 
Se todos temos a possibilidade de tudo e de nada dentro de nós, porque existem pessoas tão iluminadas que nos têm que ensinar? São seres privilegiados? Se não são, só estão a partilhar a sua experiência? Porque sai tão caro partilhar e aprender a amar outros, quando sempre ouvi, que partilhar deve ser gratuito e desinteressado e sentimentos não têm preço?...
Tudo à nossa volta é isso mesmo, uma partilha com impossibilidade de posse.
 
Como já repararam, a minha pessoa não acredita em nada disto, desconfio muito, tenho poucas certezas e tenho a perfeita consciência da minha pequenez neste imenso Universo, esse sim, ensina, reinventa-se, transforma e transforma-se e segue o seu caminho sem se deter por causa de nós, mas segue connosco no seu colo infinito.

Se fossemos seres assim tão evoluídos não acham que  este planeta seria um lugar melhor para todos e não só para alguns? Que já não tínhamos tido tempo de corrigir os erros em milhares de anos de existência??? Que em vez de evitar que milhões morram à sede com água por perto, andamos à procura do precioso liquido em Marte?
 
A razão da nossa existência é a mesma do Universo, se existe não sabemos e se um dia soubermos será talvez a maior desilusão e não nos servirá de nada.
 
A minha visão mais humorística de tudo isto não merece mais que um sorriso e resume-se à frase de minha autoria:
"Somos um grão de areia enfiado no olho (do cu) do Universo, mais conhecido por buraco negro!"

Grata pela atenção e não cobro um tostão que seja...pelas vossas criticas!
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub