Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

22
Jun21

As amigas que não são!

Rita Pirolita

Não conservei amizades, deixei-as em suspenso até um dia as reatar, não me deu a vontade até hoje, já se diluiram no meu passado. Fui-me desiludindo entre mentiras, mágoas e traições, deixei de acreditar ou sonhar com boas pessoas, passei a adoptar as amizades de outros, neste caso as do moço, como se isso me retirasse o enfado de acudir nos tropeções, ouvir desabafos, tricas mas também de ser convidada por arrasto para esta ou aquela festa ou jantar e simplesmente ter a liberdade de não aparecer ao lado do moço sem que ninguém me cobre nada ou ache falta de educação recusar tais convites! Não são meus amigos, não serão minha responsabilidade de aturar. Neste caso existe ainda um estar a acrescentar a este, que igualmente não me incomoda, a relação com as mulheres ou namoradas desses amigos, sou sempre vista como quem não sabe da vida porque não fui mãe, sou menor, dão menos importância às poucas vezes que abro a boca, não me levam a sério, entre caracóis, imperiais e pica-pau a vegan que sou fica a olhar mas sem causar transtorno, nem quero que se lembrem de perguntar 'então não bebes ao menos nada?'
Tomo atenção à cumplicidade delas, o revirar de olhos, o mesmo cansaço de mãe nos gestos mas não as acho mais completas, sinto-as fortes e descontraídas, sinto que me olham com desdém quando falo no ioga e nas caminhadas 'se tivesses um filho ou dois deixavas de ter tempo para pensar na saúde, bem tentamos chegar a casa e fazer uma salada mas os miúdos precisam de comer, estão a crescer!'
E lá fico eu calada a ouvir vidas tão importantes como a minha, entre despedidas cada um regressa ao seu mundo, o meu com muito menos compromissos e obrigações! Agradeço-me as decisões que tomei de não ter as mesmas coisas que a maioria se convence que quer e elas também não devem estar arrependidas da sua vida acolhedora de desculpas, espero eu!

19
Jun21

Dúvidas

Rita Pirolita

Eu não sou negacionista mas até me espetarem a agulha no braço tive cá as minhas dúvidas...
Confessei cá em casa e todos acabaram por assumir o sentimento também!

19
Jun21

Afastem-se

Rita Pirolita

Quando virem alguém numa loja às compras com ar de vegan afastem-se, com tanta proteina vegetal que comem peidam muito...vou aos soutiens e fujo de mansinho para os bikinis, vou às calças e esgueiro-me para as saias...dizem ser bom indício de saúde e parece que o cheiro afasta parasitas!

17
Jun21

Problema de expressão

Rita Pirolita

Quando a minha médica de família me responde aos e-mails com o 'vamos lá ver se percebo o que me está a dizer', dá-me vontade de lhe bater, querem lá ver que eu agora tenho um problema de expressão, na escrita ainda por cima?...Não sabe com quem se meteu, se preciso até lhe faço poemas!

17
Jun21

Pés grandes

Rita Pirolita

Se tenho uns pés grandes? É inegável. Se gosto? Não, não me sinto nada feminina, mas também tenho umas mãos grandes e sou alta, sempre tive dificuldade em arranjar calçado em Portugal. Podem dizer que tenho barbatanas e eu não posso negar mas convém que seja eu a primeira a falar disso, depois até podem inventar outros nomes giros que eu vou sempre achar piada. Tenho só a dizer que posso evitar ser gorda mas não pude evitar crescer mais que a normal mulher portuguesa e como já disse não me sinto nenhuma boazuda sensualona, sou desajeitada a andar e descoordenada, sou daquelas que tropeça nela própria! Não é nada prático mas é importante que eu saiba rir de mim!

16
Jun21

O meu cão

Rita Pirolita

O meu cão vai buscar a bola e traz para eu atirar novamente, já juntou um rebanho, é óptimo cão de guarda, pede para ir à rua, nunca faz em casa, isto tudo sem eu lhe ter ensinado nada, é bom saber que tenho ao meu lado um ser com pouco mais de um ano e mais inteligente que eu com quase 50!

15
Jun21

Partida, largada, fugida

Rita Pirolita

Quando todos já estavam fartos da pandemia prisão abrem as portas dos restaurantes, dos bares, das discotecas, cada um com a sua promoção chamamento, promessas da festa mais louca, da iguaria mais ambrósia ou delicada. Andam todos num frenezim tal de trabalho, reatar de relações, rever amigos e fazer o luto dos que partiram, diversão, festim, celebração por tudo e por nada!
A agitação é tal que já se começam a sentir os sinais de cansaço da sofrega de viver o que não foi vivido, já se perdeu a pedalada já nada sabe ao que era antes, vão caindo em depressão por falta de energia para tanta escolha.

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub