Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos e Descontos

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Autora esporádica de contos e descontos escritos a tempo inteiro

Contos e Descontos

29
Dez19

WC's

Rita Pirolita

Os de casa alheia, de visita, de passagem em parentes afastados ou mesmo mais familares de amigos regulares!
Quando entro num WC com que não estou familiarizada, de casa particular, há sempre o constragimento de penetrar em intimidades que custam a sair da cabeça.
Aspectos práticos primeiro, limpeza verificada, procura-se o papel e se há suficiente, isto se não formos aflitos e à falta de papel tivermos que limpar a uma toalha mas se houver tempo procurar por revistas foleiras para ler, não havendo também não sou de demorar, olho para a pirocise do azulejo, a pujança da torneira calcária, o pinga-pinga do bidé, secadores, escovas cheias de pilosidades, tapetes felpudos, toalhas de visita com goma, as da casa, moles, húmidas e não sei se quem lá se limpou lavou bem as mãos ou se limpou também patacas do nariz, ramelas ou mesmo cera dos ouvidos, pus de borbulhas ou pontos negros...decido limpar as mãos com papel, é mais seguro, fico sempre na dúvida, papel na sanita ou no balde? Se não houver balde a decisão está tomada, depois logo lidamos com a pujança do autoclismo que se não fôr potente...Enquanto tento despachar a necessidade, uma coisa me assola, a maioria das casas de banho não tem chave para trancar por causa dos putos não se fecharem lá dentro, fico eu depois na eminência de dar um grito ou tossir para denunciar a ocupação mas posso sempre ser surpreendida por uma criança ou mesmo um adulto a quem não tenham dito que fui ao WC, o que é sempre constrangedor quando sais da casinha e vais ter com as pessoas que deixaste na sala e sentes que todos sabem onde foste, será que dá para ver pela cara o que foste fazer ou só mesmo pelo tempo que se demora?...
Pensem o que quiserem fazemos todos o mesmo e é por pensar nisso que fico incomodada com a energia dos WC's, quantas batidas no banho, quantas menstruações, resultados de gravidez, adolescentes a descobrir pêlos púbicos, humidade entranhada, suor e mau cheiro, shampoos, maquilhagem e lixívia?...o mesmo que ir a um motel de beira de estrada, aquelas paredes nem olhar ao pormenor quanto mais tocar, todos vão lá fazer o mesmo!

28
Dez19

Virilhas assadas

Rita Pirolita
Conhecem aquelas pessoas que fazem tudo para mostrar que apesar de já serem velhas ainda têm muita genica, estão ali para as curvas, mostram aos mais novos com quantos paus se faz uma canoa, no tempo delas é que era trabalhar no campo à séria e fazem-se muito activas porque têm um medo da morte que se pelam, quando se apercebem que estão mais perto da machadada final???  
 
Conhecem aquelas outras, que apesar de estarem gordas que nem texugos vão fazer caminhadas de um dia pela serra, sem preparação alguma ou dieta de um ano pelo menos, e ao fim de 10 minutos já têm o interior das coxas em carne viva, as virilhas assadas, um imenso ardor no rego do cu, suor a escorrer em bica debaixo das mamas e em sítios mais estranhos como os refegos das costas na zona dos rins???
Ao fim de 15 minutos arfam como se não houvesse amanhã e não há por aí a dar com um pau, desfibriladores pendurados em árvores que salvem qualquer indicio de ataque de coração por excesso de gordura naquelas veias...
Já me estou quase a vomitar com o cenário que eu própria imaginei. 
 
Espero que este nojo me acompanhe até esticar o pernil e como tenho quase a certeza absoluta que Deus não existe, só peço que a minha cabecinha me livre e guarde de andar  por aí nestes preparos!
28
Dez19

Ossos largos

Rita Pirolita
 
E quando encontras aquela amiga que não vês faz muito tempo e com falso entusiamo e simpatia, para disfarçar a admiração de tal dilatação corporal que quase não a reconheces e já não vais a tempo de mudar de passeio, começas a abrir a boca para perguntar quando nasce a criança e ela ao ver o teu ar de parva surpreendida, disfarça que também está radiante por te ver e com um sorriso mais amarelo que mijo de diabético, atalha logo os teus pensamentos com a desculpa de que não está gorda nem pesadona, apenas desde a altura que nos deixámos de ver na preparatória, os ossos alargaram e a tiróide descontrolou-se. 
Respiro de alívio, sou salva à última da hora pela falta de olhos na cara e espelhos em casa da minha amiga.
28
Dez19

Psicologia do meteorito

Rita Pirolita
 
Os psicólogos e outros terapeutas da cachola, só deixam de meter medo e de nos passar atestados de maluqueira, quando reconhecemos que são dispensáveis na nossa vida pela ineficácia das sessões e tratamentos. 
Não são os próprios terapeutas que passam a vida a dizer que o paciente é que tem que fazer o seu trabalho interior? São pagos só para nos ouvir e ainda temos que fazer o trabalho todo?... 
Não frequento estes senhores porque já não tenho cura e ainda os punha mais malucos do que o que costumam ser, no entanto a minha questão é, os padres desabafam com as beatas e as beatas com os padres, os advogados só falam com o Diabo e os terapeutas do vazio do cérebro? 
Se eles próprios sabem que a crença em Deus é fruto da nossa imaginação para que não fiquemos frustrados e perdidos neste mundo, com esperança de um dia dar uma dentada na cenoura à nossa frente...Com quem desabafam eles? Não é possível armazenar tanta maluqueira de tanta gente? Levam para casa e põem na lata das bolachas?... Todos os dias estariam comidas, é sabido que os antidepressivos dão muita fome. 
A conclusão mais lógica é que não ouvem nada do que dizemos e dão a desculpa do sigilo profissional, que a informação fica no consultório, bláblá, blá...pudera, entra por um ouvido e sai por outro! 
Eu prefiro que me chamem maluca, com a idade adquiri uma sapiência que tem vindo a apurar, que me faz sentir mais liberta por saber que a vida não faz sentido nenhum, nem temos missão alguma. 
A resposta à questão se estamos ou não sós no Universo? Até agora não aqueceu nem arrefeceu a vidinha neste planeta de fome, guerra e miséria. 
O que somos e fazemos é tão vulnerável à destruição de um simples meteorito que nos caia em cima e acabe com tudo num segundo.  
25
Dez19

Enquanto...

Rita Pirolita

Enquanto as minhas colegas de escola andavam chorosas à procura do príncipe eleito que as ia fazer felizes mas só as fazia sofrer eu observava, tinha bom aproveitamento escolar, assim que tive idade comecei a trabalhar nas férias de verão e gozei muito a vida sempre com a sensação de que a juventude ia passar rápido mas estava a ser tão bom ser livre, amar e não ter compromissos, cometer loucuras, dançar, o que eu dancei na minha vida, beber, desenhar, pintar, ficar deprimida com sofreguidão gurada, namorei muito, gostei de todas as pessoas com quem me relacionei, experimentei a vida sem a desgastar ou ela a mim!
Ainda continuo a rir de ser parva, louca e tola, rio da cara de quem olha para mim, assustado por ser desbocada, inconveniente, espontânea e desconcertante sem aviso, rio do medo que provocam os ruidos e devaneios dos meus pensamentos e opiniões invulgares!

25
Dez19

Comam e calem

Rita Pirolita

Comam e calem...

Deixem as pessoas que não apreciam chocolate, azevias, filhós, bolo-rei, sonhos, arroz-doce, cabrito, raia, bacalhau, polvo, rabanadas, aletria, lampreia de ovos, molotov, pudim, tronco de natal e mais merda que a maioria gosta...em PAZ!

22
Dez19

Bom Natal

Rita Pirolita

Sabem aquela maioria que se acha minoria que se aproveita dos outros para adiar o confronto e solução dos seus próprios problemas?...
Os pais que carregam os filhos com a responsabilidade de salvar uma relação, os adolescentes que se fazem acompanhar de amigos a toda a hora para que os pais não os repreendam ou confrontem, gente que nos convida porque precisam de companhia e nunca porque querem partilhar boa disposição ou alegria...
Mais uma vez este ano veio o convite de uma família a quem não pertenço de sangue mas que não se dão bem e querem diluir o seu mau estar nesta quadra com elementos estranhos ao conflito, evitam assim conversar para resolver as relações seja para esclarecer e juntar, seja para concluir apartar.
Esta gente por melhor intenção que tenha em querer partilhar um momento de família, só estão a pensar neles e a usar-me como penso rápido para uma ferida fétida que só a eles cabe sanar de vez, julgam alimentar-se de energia fresca mas não me respeitam como pessoa com problemas também que vou resolvendo sem me aproveitar de ninguém.
Se decidirem fazer terapia paguem a um profissional encartado, se quiserem continuar a tapar o sol com a peneira sem gastar tostão mas a rebentar pelas costuras de ódio, raiva e invejas com indirectas maliciosas, força nisso mas não me convidem!

É isto também que me mete nojo nas pessoas, que me faz distanciar, desacreditar e não estar arrependida de estar cirurgicamente distante da minha própria família e achar que principalmente nestas épocas, a hipocrisia tresanda em cada gesto e palavra.

Sendo assim, bom Natal para todos, para mim será um santo Natal sem chatices porque sei dizer não a aproveitamentos, limpo a casa da minha alma todos os dias sem vampirizar ninguém! FODEI-VOS!

19
Dez19

Bidés

Rita Pirolita

Odeio bidés, vocês põem lá chinelos de praia, guarda-chuvas a escorrer, meias e cuecas de molho, lavam o chispe e depois lavam lá a pirolita!

Não têm nojo?

18
Dez19

Mistura bombástica

Rita Pirolita

A mistura encapotada e falsa de culturas e classes sociais diferentes no mesmo espaço, foi sempre apanágio de grandes cidades em países ricos, que se querem mostrar inclusivos e civilizados, quando em países pobres essa separação é descaradamente propositada. 

As classes são falsamente criadas pelas elites, para distrair da escravização, domínio e controlo pela ignorância, com degladiações e falsas lutas por melhores condições que nunca serão alcançadas.

A pobreza e dependência económicas dos mais desfavorecidos, é criada pelo próprio poder instalado para controlo de actos e ideias de uma forma barata, traduzida em subsídios  que fazem o favor de manter a pobreza sem morte por abandono completo, pela qual o estado não quer ser responsabilizado nem pode ser culpado.

Ajudas poucas, o suficiente para não deixar morrer mas também não deixar mudar a condição social, tudo acompanhado neste melting pot de abandono escolar, pouco interesse com o que se passa fora do bairro, e criação de algumas iniciativas que funcionam numa área muito restrita da comunidade e que o poder local vende como sendo o caminho para uma vida melhor.

É pura ilusão mas tem que se dar ao povo pão e circo, fazê-lo acreditar que só disso deve viver. Se viverem com pouco também não podem pedir nem ansiar por muito.  

Enquanto populações desfavorecidas viverem de subsídios do estado, irão sempre ter a atitude e pensamento de reclamar  e se aproveitar de direitos sem cumprir deveres, as classes massacradas pelos impostos sentem-se mais responsáveis por preservar os espaços que ajudaram a pagar.
Diferentes culturas e costumes nunca convivem pacificamente, principalmente quando a tentativa de mistura é vista no seio de cada grupo como ameaça à sua identidade e costumes, respondendo a essa inclusão forçada com violência, destruição, revolta e consequente marginalidade. 

Cada bairro ou comunidade, podia ser visto e sentido como um jardim, que tem que ser cuidado com orgulho e concorrente com vizinhos igualmente bons.

Os resultados nesta área ao longo dos tempos, são a prova de atropelos atrozes à identidade pessoal e comunitária mas os estudiosos de algibeira, continuam a insistir na mistura bombástica dos outros mas bem longe deles, porque ganham bem, saem cedo e moram na Lapa!

17
Dez19

Variantes

Rita Pirolita

 

 
Cá vou eu falar outra vez de aparências, como gaja que sou!
Como já dei a entender noutras escritas, não sou nenhuma bomba mas também não sou nenhum aborto de pessoa.
Tenho altura para ser modelo mas não paciência e não gosto de drogas, detesto exercício fisico com sofrimento e por obrigação, adoro mexer-me e só estou parada quando estou a dormir e mesmo assim é complicado. 
Não faço dietas, como com ameno prazer o melhor que posso, detesto que liquidifiquem tudo em batidos, gosto de ver e sentir os alimentos, sou incapaz de beber sumo de limão, só limonada com algum açúcar. Sei o que são vegetais e fruta e dispenso produtos animais, em primeiro lugar porque não gosto e em segundo porque até dá jeito não os sacrificar e explorar. 
Na comida no sexo e na amizade, não há fretes nem risos amarelos, por isso se me comparar às vedetas que se mostram ao mundo através das redes sociais, chego à conclusão que muito bem estou eu sem sacrifícios, não tenho as mamas descaídas como algumas com pouco mais de metade da minha idade, que fazem plásticas, têm PT, devoram limões e batidos, não sabem o que é comida a sério há muito tempo, não fazem mais nada senão, tirar adiposidade, ir às massagens, fazer branqueamentos dentários, viagens e dietas loucas para atrair a atenção e elogio de outros tantos como elas e no entanto parece que andam presas por fios. 
Para completar o ramalhete, têm que arranjar quem tenha paciência para as aturar e dinheiro para sustentar.
Enganam e alimentam a insegurança com elogios alheios, abusando de imagens que mostram muita carne e pouco pano.
O que posso dizer destas alminhas em etérea e eterna deambulação???
Nada, porque o Gustavo Santos é que é bom em máximas absolutas. 
Apenas deixo uma questão. 
Quantas variantes existem de prostituição?
A foto que ilustra este texto foi escolhida com base nas mamocas descaídas, de resto não conheço a rapariga de lado nenhum mas tem cara de boa moça! 

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub